NESSE MOMENTO O BRASIL PRECISA

segunda-feira, 2 de março de 2015

MAIOR EMPREITEIRO DO BRASIL ESTÁ PARA SER PRESO A QUALQUER MOMENTO

corrupcao
Amigo íntimo de do ex-presidente Lula e da presidente Dilma, recebido até em ‘particular’ no Palácio da Alvorada, na residência oficial da presidente República, cabeça coroadíssima da República, o empreiteiro Marcelo Odebrecht já espera para qualquer momento a chegada da Polícia Federal à sua porta com um mandato de prisão assinado pelo juiz Sergio Moro, da Justiça Federal de Curitiba.
Motivo: Roubo de bilhões de reais na Petrobrás, uma estatal brasileira que já foi o orgulho da Nação e hoje está naufragada em um “Mar de Lamas” de corrupção, ladroagem, propina, suborno e roubo de dinheiro publico.
O depoimento do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, que confessou ter recebido da Odebrecht ao menos R$ 59,8 milhões em propina, motivou apuração especial da força-tarefa da Lava Jato contra a empreiteira baiana. E os resultados estariam na iminência de aparecer, segundo se acredita no Congresso, com devassa e prisão dos principais executivos, incluindo seu presidente, Marcelo Odebrecht.
Segundo Paulo Roberto Costa, a propina rendeu a Odebrecht, em consórcio com a OAS, um contrato de R$1,5 bilhão, em Abreu e Lima. A Odebrecht foi a empreiteira que mais faturou na era Lula-Dilma: cerca de 53% dos R$ 71 bilhões gastos nos governos petistas. 

A eventual prisão de Marcelo Odebrecht preocupa Dilma, que antes o detestava e depois se ligou a ele. É o empreiteiro mais ligado a Lula. Com informações do jornalista Claudio Humberto.
FONTE ORIGINAL DA NOTÍCIA - http://www.thebrazilianpost.com.br/empreiteiro-mais-poderoso-do-brasil-pode-ser-preso-a-qualquer-momento/

General Paulo Chagas grava vídeo em apoio a manifestações ‘Fora Dilma’ e...

POLÍTICOS ENVOLVIDOS COM PETROLÃO


A Benzedeira.



Milton Pires

Não sei mais o que fazer com esse guri - pensou Dona Dalma e seus olhos se encheram de lágrimas. É como se ele não conseguisse me escutar...parece que eu não estou aqui. Vive brigando com os irmãos e no colégio não consegue se concentrar. Vou levá-lo a uma benzedeira – decidiu a ex-professora naquela tarde gelada de 76 numa pequena cidade do interior do Rio Grande do Sul.
As últimas palavras da mãe o pequeno Gilson escutou. O desespero tomou conta do menino. Ser levado a uma “benzedeira” - pensou – Algo de muito ruim deve ter tomado conta de mim.
Na manhã seguinte, mãe e filho desceram a pequena rua sem calçamento que levava em direção ao rio que dava nome à cidade. Procuravam a casa de Dona Francisca, ou simplesmente Dona Xica como era conhecida. Sabiam que era de madeira e pintada de verde por fora.
Encontraram. Não havia muros nem cães no pátio. A porta da frente estava aberta e numa salinha muito humilde mas limpa três gatos pretos observavam a velha numa cadeira de balanço. Um cheiro de feijão tomava conta do ar.
Dona Xica – disse a mãe em desespero – a senhora precisa me ajudar com essa criança. Não sei mais o que fazer com ele...
Posso dormir, mãe? - interrompeu o pequeno Gilson encolhendo-se no canto do sofá vermelho que tomava quase toda a pequena peça.
Pode, mas não me interrompa – respondeu Dona Dalma. Então, Dona Xica, como eu estava lhe dizendo...
Esse quis construir navios, mas Medicina vai ser sua profissão - disse a benzedeira pegando um dos gatos no colo. Mesmo assim sua vida vai ser de sofrimento..
Sofrimento?? - perguntou a mãe – Mas por que, meu Deus?
Ele vai se atrapalhar com as doenças do corpo, da mente e do espírito. Pensará que cada uma delas tem uma causa diferente..
E não tem?? - perguntou a ex-professora lembrando que havia se casado com um médico e que ele era o pai de Gilson.
Não – respondeu a velha. Tudo é uma coisa só. Solidão é a causa única.
Solidão? Como assim ? - insistiu Dalma – cada vez mais confusa.
Sim, solidão – disse Dona Xica. Eu, nessa casa, sozinha espero a morte. Seu filho sofre porque perdeu a mãe. E você, vive entre dois mundos não percebendo que já morreu.
A imagem de Dona Dalma foi sumindo, sumindo...até desaparecer. Só a velha benzedeira e o menino estavam ali. Gilson dormia. Seus lábios se mexiam. De repente ele se acordou, olhou para velha que continuava com o gato no colo e perguntou: Disse tudo que eu pedi?
Disse – respondeu a benzedeira. Já podes ir embora. Teu sofrimento acabou...

para Eva...implorando perdão..

Porto Alegre, 2 de março de 2015.

BRASÍLIA SITIADA

BUZINAÇO NA ESPLANADA
SÃO ESPERADOS CERCA DE 5 MIL CAMINHÕES NA ESPLANADA
MOVIMENTO NACIONAL DOS CAMINHONEIROS QUER FECHAR A PRAÇA DOS TRÊS PODERES
Publicado: 02 de março de 2015 às 09:43 - Atualizado às 11:25
Francine Monteiro
  •  
  •  
  •  
   
MOVIMENTO NACIONAL DOS CAMINHONEIROS QUER FAZER BUZINAÇO FOTO: ED SANTOS
A manhã desta segunda-feira (02) começou agitada no Distrito Federal graças as manifestações dos caminhoneiros. Um grupo de manifestantes complica o trânsito  na BR 040. O Comando Nacional dos Caminhoneiros promete levar hoje os protestos para `a Praça dos Três Poderes.
Na saída norte,Br 0-20, em frente a residência Oficial da Granja do Torto uma equipe da Polícia Militar está presente, assim como nas demais saídas e entradas do DF, Br-040 e Br 0-60. A assessoria da PM informou que se trata de uma ação preventiva em relação a manifestação dos caminhoneiros. Estão sendo esperados cerca de 5 mil caminhões na Esplanada dos Ministérios. Hoje é o 13º dia de manifestações. 
O líder do movimento, Ivar Luiz Schmidt através da página do Facebook convocou a categoria para um buzinaço em Brasília. Caminhoneiros de várias regiões do país aderiram ao movimento e postam vídeos que mostram comboios em direção a Capital Federal. 
A categoria reivindica melhores valores dos fretes, redução no preço dos pedágios e do diesel e a aprovação imediata da Lei dos Caminhoneiros, que traz a regularização das condições de trabalho. 
Segundo a Secretária-Geral da Presidência da República a presidente Dilma Rousseff vai sancionar nesta segunda-feira (02) a Lei dos Caminhoneiros. 
fonte original da notícia - http://www.diariodopoder.com.br/noticia.php?i=27647062320

Fantasmas..


Milton Pires
De tudo que trago comigo
quase nada posso tocar
nisso que chamei de vida e
se perdeu no tempo que eu
quis parar
Deus e o meu pensamento são
testemunhas do meu penar
e de uma luz que brilhou lá
dentro, que se apagou e não
vai voltar..
É morte que define a vida sem
sofrimento, amor ou lar nisso
e na voz de agora...
Sou só fantasma..eu vou voar..
Porto Alegre, 1º de março de 2015.

domingo, 1 de março de 2015

Jornal espanhol "El País" alerta que Brasil corre risco de guerra civil


O Jornal espanhol fez um panorama do atual cenário politico do Brasil e diz que nosso país corre o risco de uma guerra civil

Por Redação

O jornal espanhol El País publicou nesta quarta-feira (18/02) um artigo onde o correspondente Juan Arias traça um panorama da atual situação política brasileira e os reflexos na população: “O Brasil, em vez de se dividir, sempre se uniu no passado para defender as grandes batalhas democráticas. Foi assim nas manifestações de massa das ‘Diretas Já’, para pedir a volta do direito ao voto popular, e quando, juntos, os brasileiros saíram às ruas, vestidos de preto, para exigir o impeachment do então presidente Fernando Collor de Mello. O país nunca teve comichão pelo confronto popular”, afirma o jornalista.
“Mas pela primeira vez os analistas começam a se preocupar com a possibilidade de que o Brasil entre, por motivos políticos e para reagir à corrupção e à crise econômica e de desencanto com a política, num círculo de confronto popular que pode deixá-lo mais parecido com a Argentina ou com a Venezuela do que com sua própria história”, alerta Arias.
Ele prossegue: “No Brasil começam a ressoar dois gritos preocupantes: o de impeachment da presidenta Dilma, recém-eleita nas urnas, e o de uma possível guerra civil, não sangrenta, mas de consequências difíceis de medir, em que os cidadãos poderiam acabar se enfrentando nas ruas, pela primeira vez não unidos em defesa de uma causa comum, mas com ruídos de ‘guerra’.

A CHINA EMPRESTOU 8,6 BILHÕES DE DÓLARES AO BRASIL EM 2014

BEIJING — Feb 26, 2015, 8:01 AM ET

Chinese state-owned banks loaned $22.1 billion to Latin American countries last year, helping to keep afloat struggling economies that have been hit hard by a fall in prices for oil, minerals and other commodities that they export, according to new numbers released Thursday by the U.S. think tank the Inter-American Dialogue.
That annual loan total is the second highest in a decade, behind only 2010, and surpassed combined loans to the region from multilateral lenders the World Bank and the Inter-American Development Bank, the data show. China loaned $8.6 billion to Brazil, $7 billion to Argentina, $5.7 billion to Venezuela and $821 million to Ecuador in 2014.
Despite its slowing economy, China has emerged as a lender of last resort for Latin Americacountries that had ridden a decade-long boom in Chinese demand for commodities but are now seeing budget deficits grow and currencies slip as Chinese appetite slackens.
Many traditional lenders are reluctant to take on the risk of financing countries such as Argentina and Venezuela due to their histories of default, nationalizations and high public spending.
Over the past two months, the presidents of Argentina, Ecuador and Venezuela have visited Beijing seeking more Chinese investments, and left with billions of dollars in commitments. Over the past decade, China has loaned Latin American countries about $118 billion, with Venezuela alone receiving $56.3 billion, the Inter-American Dialogue data showed.
The big unknown now is how long that Chinese generosity will last, and whether China will continue supporting increasingly unstable governments such as Venezuela's, said report author Margaret Myers, director of the Inter-American Dialogue's China and Latin America program. At least for this year, China has indicated it will offer another $25 billion to $30 billion in credit to the region, Myers said.
"It was an important year in 2014 that despite slowing growth we saw considerable commitment to the region," she said. "There's been a major promise of additional financing for the region, specifically for infrastructure. The question is who it will go to."
In 2014, Brazil's loans from the China Export-Import Bank, the Bank of China and the Industrial and Commercial Bank of China went to leasing oil rigs and purchasing equipment and financial services for the country's mining giant Vale.
The Chinese loans are also helping to pay for subway upgrades in the Argentine capital of Buenos Aires and dam construction in Ecuador and Argentina, the data show. In many cases, Chinese companies are overseeing the projects, and likely using Chinese workers, Myers said.
The Chinese financing often comes with generous terms, such as market-rate interest rates and favorable payback periods, and without the macroeconomic and good government reforms demanded by Western lenders, Myers said. Venezuela and Ecuador also pay off their loans by shipping millions of barrels of oil to China at market prices, an arrangement that's proved painful with recent plummeting oil prices.
With governments having largely failed to prepare themselves for the end of the China-driven commodities boom, Latin American countries are likely to see more pain — and need more help, said Kevin Gallagher, a Boston University international relations professor who helped compile the data.
Economic growth in Latin America and the Caribbean slowed to 1.4 percent in 2014. China's economy grew by 7.4 percent last year, compared to double-digit annual growth rates over the past two decades.
"The windfall for commodity prices over the last commodity boom was the biggest recorded in history, but the marginal savings rate was lower than in past booms," Gallagher said. "The South American resource countries are facing a real pinch."

O BRASIL VAI PARAR



A CHEGADA DA TEMPESTADE