"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

segunda-feira, 28 de julho de 2014

SOBRE A PRISÃO DE UMA MÉDICA EM CEILÂNDIA

Relato de um colega de Brasília sobre a Prisão recente de uma médica no HRC


Os médicos das emergências de Brasília trabalham, como todos os médicos do Brasil que trabalham com emergência, em situação análoga a guerra Milton Pires. Não há uma só comunicação prévia de que o paciente irá chegar, nem o SAMU nem os bombeiros comunicam o que vai chegar. No meu último plantão no Hospital Regional de Sobradinho ( HRS ), passamos uma restrição que não foi obedecida ( isto no último sábado à noite ) e discutia com o meu colega de plantão que se o pau quebrasse ou se alguém morresse a culpa seria do médico e que a primeira coisa que iriam alegar porque os CHefes de equipe ( que aqui não são médicos!!) não passaram a restrição. Não sou astrólogo, nem boca de praga mas vejam que 3 dias depois ocorre justamente o que havia previsto. A conclusão mais óbvia que chegamos de tudo isto é que a restrição deve agora ser passada como BO na delegacia da polícia civil. Esta turma não faz nada disso por escrito, é tudo na surdina. Não há um só plano de remoções organizado e há uma completa anarquia nas remoções, há cerca de 5 meses perdemos um paciente com Hematoma extradural de 25 anos que necessitava de uma trepanação por que a enfermeira reguladora decidiu que iria transferir um paciente terminal com esclerose lateral amiotrófica...o que vivemos aqui é um microcosmo da anencefalia que tomou conta de todo o país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.