"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

quinta-feira, 31 de julho de 2014

UNICÓRNIOS E VERDADES


Elisane Reis Ribeiro

Há algum tempo a agência de notícias oficial da Coreia do Norte confirmou a existência de unicórnios. Não acho que isso seja muito diferente de mandar demitir os funcionários do banco que avaliaram negativamente o impacto de Dilma na economia. Imagine se deveríamos nos preocupar com a competência de administração financeira de uma pessoa que guarda dinheiro vivo sob o colchão. Nem pensar nas evidências dos indicadores. Se eles apontam para baixo, esqueçam (seus pessimistas!).
Em um nada admirável mundo onde as “verdades” vêm de cima para baixo, pré-moldadas, bem polidas e maquiadas, pode-se fazer acreditar no que se queira. “Verdades” bonitas e frágeis como castelos de areia. E é uma tristeza que eu tenha que colocar a palavra entre aspas – o que já configura total negação do seu significado essencial. Verdades, sem aspas, sempre foram inconvenientemente incômodas. Não podem ser feitos questionamentos, não podem ser assumidos erros, não há diálogos e nem justificativas coerentes. Tenta-se a todo custo a infantilização das ideias. Quanto mais estúpido, melhor.
Talvez uma agência oficial de notícias tupiniquim anuncie, em futuro próximo, a confirmação da realidade de criaturas fantásticas, devidamente adaptadas ao nosso meio, como o saci ou a mula sem cabeça (opa, talvez esta última já venha demonstrando sinais de existência).
Bem, não sei porque fico tão indignada; ou, ultimamente, com tanto desalento. Afinal, dizem, “está tudo bem”. Viva os unicórnios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.