"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Pia Suja


Milton Pires

Minha mulher e as crianças estão na praia. Sou eu quem deve fazer tudo aqui em casa. Hoje “passei” pela cozinha. A pia estava suja. Na verdade já estava desde ontem. Hoje vi formigas caminhando impunes sobre ela..sobre a pia ...Caminhavam devagarinho, rondavam aqueles pratos e copos e garfos e facas e colheres e novamente copos...Tudo sujo, tudo grudento. Era ali que elas, as formigas, estavam. Faziam seu trabalho infame, metódico, quase político. Juro que poderiam levar um minúsculo cartaz como se estivessem numa espécie de greve, numa passeata em que alguém poderia ler em letras gigantescas lá na frente a frase - “foste tu que deixaste a pia assim, Milton”..Saí da cozinha, arrumei quarto e sala..estendi lençóis da minha cama, tomei banho e voltei: a pia estava lá, continuava lá com a sua sujeira que protestava então, quase debochando, contra a limpeza do meu próprio corpo. Mais do que a sujeira é a desordem que me perturba na pia. Se as coisas estivessem sujas mas ordenadas não seria tão ruim, mas não é assim: impera aquele caos, aquela improvisação, aquele amontoar de coisas distintas que estão ali ofendendo você, lembrando que foi você quem fez tudo aquilo, culpando você em silêncio naquela atitude feminina que destrói qualquer homem. Sim! A pia só falta chorar, só falta dizer que algo está mal “na relação comigo” e que nós não “conversamos mais”...que não temos mais momentos íntimos..que esquecemos nossas fotos, nossas viagens e lembranças..
Lavei toda louça suja...Me sinto melhor, mais aliviado, quase sem culpa alguma...A pia e eu fizemos as pazes...
Porto Alegre, 21 de fevereiro de 2015.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.