"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

quarta-feira, 30 de março de 2016

EM DEFESA DA PEDIATRA DE PORTO ALEGRE.


Milton Pires

Uma das características da classe médica brasileira foi, até recentemente, a falta de união e o egoísmo. Foram a falta de união e o egoísmo dos colegas que permitiram, ao Regime Petista, trazer ao país os escravos da ditadura cubana para trabalharem como médicos. Não houve, na época, sindicato nem autarquia federal capaz de convocar uma Greve Geral dos Médicos brasileiros. Petistas disfarçados, dentro destas entidades, alegaram que “a população como um todo” não poderia ser prejudicada, e o “Mais Médicos” passou.
Como médico intensivista e atuando dentro de um hospital de Porto Alegre controlado pelo PC do B eu “paguei meu preço” por “abrir a boca”. Todos conhecem (ou deveriam conhecer) meu caso. Não é o momento de escrever fazendo “choradeira”
O objetivo destas linhas é denunciar a humilhação, a exposição pública e o assédio moral (tão parecidos com aquele que eu mesmo sofri) de uma pediatra de Porto Alegre que se recusou a dar continuidade ao atendimento de uma criança porque a mãe é ligada ao PT.
Desde presidentes de sindicatos até apresentadores de programas infantis, populares entrevistados nas ruas (todo mundo) estão dando a sua “opinião sobre o caso”. A médica é a “bola da vez” é o Milton Pires a ser sacrificado no altar do “direitos humanos” da “proteção às crianças” e outras expressões que a Organização Criminosa que atende pela alcunha de “Partido dos Trabalhadores” gosta de usar quando lhe é conveniente.
Não interessa se a médica estava no seu consultório particular, não interessa se NÃO era uma emergência, não interessa se a médica avisou por escrito e com antecedência antes de desmarcar a consulta: o Partido Religião foi atacado e resolveu dar a resposta. Invoca, ele Partido, o Código de Ética Médica alegando ser dever do médico “Tratar o ser humano sem civilidade ou consideração, desrespeitar sua dignidade ou discriminá-lo de qualquer forma ou sob qualquer pretexto.” mas omite (covardemente como é típico de todo petista) que o médico exercerá sua profissão com autonomia, não sendo obrigado a prestar serviços que contrariem os ditames de sua consciência ou a quem não deseje, excetuadas as situações de ausência de outro médico, em caso de urgência ou emergência, ou quando sua recusa possa trazer danos à saúde do paciente;
Digo, em termos breves, que a colega precisa, neste momento, do apoio de toda classe médica brasileira e sustento que se os médicos do Hospital Sírio Libanês que atendem Dilma e Lula tivessem um terço de sua coragem e de sua dignidade a Medicina Brasileira não teria descido ao patamar que desceu. Não existe código “de ética” nem estrutura deontológica capaz de substituir o primordial direito à liberdade de pensamento que cada cidadão (médico ou não médico) tem o direito de ter.
O PT destruiu o Brasil, destruiu nossa profissão, assediou e liquidou com a carreira de milhares de médicos e, acima de tudo, é responsável pela morte diária de milhares de pacientes no SUS – o mesmo SUS em que a mãe petista certamente não gostaria de ver seu filho atendido.
A pediatra de Porto Alegre não está sozinha. Os verdadeiros médicos brasileiros estão com ela.

30 de março de 2016. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.