"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

terça-feira, 17 de maio de 2016

FUNCIONÁRIO DE FHC NA REVISTA VEJA ATACA CAÇADOR DE URSOS DA VIRGÍNIA

Por: Reinaldo Azevedo 17/05/2016 às 15:28


Caros, meu blog faz dez anos no dia 24 de junho. Ao longo desse tempo, conheci todas as baixarias de que são capazes os petralhas, com seu misto de ignorância e fanatismo. No mais das vezes, ignorei. A razão é simples: contavam comigo para aparecer e para sair dos escombros da irrelevância moral.
O mesmo fazem agora Olavo de Carvalho e seus esquisitos amestrados. À medida que o “mestre”, “o professor” e o “guia” vai enlouquecendo — e os sinais de paranoia e alheamento da realidade vão se tornando a cada dia mais evidentes; a questão é de química cerebral mesmo —, seus súditos intelectuais tentam emular o guru. Como a estes faltam as referências que o outro consegue manejar com certa destreza, apesar da discricionariedade e das idiossincrasias, sobra aos meliantes só o gosto pela grosseria, pelo baixo calão, pela vulgaridade.
Olavo se tornou servidor de uma candidatura à Presidência. Sim, a de Jair Bolsonaro. Espero que esteja ao menos sendo bem remunerado por isso. Conhecemos, no Brasil, o fenômeno dos “blogs sujos”. Olavo é o “filosofo” — e coloquem-se aspas aí — sujo. Se chegou a pensar com autonomia, em algum momento, e duvido crescentemente disso, esta desapareceu.
O que tirou Olavo da casinha? Respondo: a sua brutal incapacidade de ler a realidade.
O “filósofo” jamais imaginou que Dilma sofreria um processo de impeachment. Tentou ser o condutor das massas nas jornadas de 2015 e 2016, mas ninguém sabia quem era ele, a não ser os feios, sujos e malvados de sempre. Os que seguiam as suas ideias só serviam para difamar um movimento que tinha e tem a democracia como valor inegociável.
Olavo de Carvalho, o bobalhão, e os bolsonaretes queriam “intervenção militar”. Não confiavam que o processo político — e democrático — se encarregaria de depor Dilma Rousseff. Eram entusiastas dos coturnos saneadores passando sobre Brasília “por um breve período”. Lixo!
O vampirismo
Ali por volta de novembro, a tese do impeachment deu uma esfriada — ao menos no noticiário. Quem acompanhava os bastidores da política sabia ser essa uma informação falsa. Bastou para o Vampiro da Virgínia — que se alimenta do sangue envenenado de fel e melancolia de seus seguidores feios, sujos e malvados — vir a público para anunciar que o impeachment não aconteceria porque movimentos como o MBL e jornalistas como eu haviam rendido a força das ruas aos… políticos.
Olavo, o Sábio, aquele “que tinha razão”, queria tomar o Palácio de assalto. Certa feita, chegou a sugerir que os servidores não mais atendessem às ordens de Dilma. O que se queria o grande “pensador da direita” confundia a história com um conto de fadas.
Quem sabia, no entanto, onde se desenhava o futuro tinha clareza de que se vivia uma onda temporária de refluxo do movimento, que ele voltaria com toda a força, como voltou. E que os políticos eram essenciais para garantir a deposição dos petistas, SEGUNDO OS RIGORES DA LEI. SEM COTURNOS.
Olavo e seus feios, sujos e malvados foram desmoralizados. Eles estavam errados. A organização política e as instâncias da democracia derrubaram Dilma Rousseff.
Ao “mestre” sobrou a luta contra fantasmas nos quais nem ele mesmo acredita. Essa impressão que Olavo passa de que enxerga comunistas até debaixo da cama é falsa como nota de US$ 3. O anticomunismo virou a sua profissão, virou seu meio de vida. Anunciar agentes de ordens secretas infiltrados em todas as instâncias do poder se tornou o seu ganha-pão — e não é de hoje.
A última tese do gênio é que o Foro de São Paulo agora tomou conta das Forças Armadas. Olavo ensina general a fazer guerra. E não em razão de sua inteligência superior, mas de sua loucura sem limites. A seu modo, é um gênio: transformou a paranoia alheia em fonte de renda. Não precisa pegar no pesado. É só sentar diante da tela e vomitar suas teorias alucinadas.
Seus seguidores se espalham na Internet. Não é preciso ser muito agudo para perceber patologias várias, conjugadas na expressão de uma ignorância agressiva, travestida de ilustração.
Aqui e ali, enviam-me mensagens que o Vampiro da Virgínia divulga na rede. Segundo escreve, foi ele, lá de longe, o grande mentor da deposição de Dilma. É mesmo?
Olavo deveria voltar ao Brasil, arrumar um emprego para ganhar a vida honestamente e testar a sua popularidade nas ruas. Vamos ver quantos são os brasileiros que o reconhecem como inspiração.
Não! Não estou sugerindo um teste de popularidade para avaliar a qualidade da sua “filosofia” — esta já foi amplamente desmoralizada pela realidade. Estou propondo que ele vá ao povo para avaliar quantos reconhecem nas orientações desse guia genial o caminho da libertação.
Só não digo que Olavo perdeu porque nunca houve a hipótese de ele ganhar. Este senhor lançou-se no mundo das ideias como astrólogo e vai terminar como prestidigitador, escondendo e tirando imposturas da cartola. Outro dia alguém me perguntou se ele era mesmo de extrema direita. Nem isso. É um extremista do oportunismo.
Ah, Olavo!!! Um pouco de Marx para defini-lo: eis “o bufão sério que não mais toma a história universal por uma comédia, mas a sua própria comédia pela história universal”.
A cada vez que tomo ciência de que ainda existe, lembro do garotinho de “O Sexto Sentido”: “Eu vejo gente mooorta!”.

NOTA DO EDITOR DO ATAQUE ABERTO.

Reinaldo Azevedo (o funcionário de FHC na Revista VEJA) quer convencer o Brasil que Olavo de Carvalho é cabo eleitoral de Bolsonaro e amante da Intervenção Militar.

Olavo de Carvalho (o megalomaníaco da Virgínia que chama Immanuel Kant de burro) e os doentes mentais da Rádio que faz propaganda pra ele querem convencer o Brasil que Reinaldo Azevedo é "filho de Satanás" e que "só a verdadeira Igreja Católica salvará o Brasil"

TOMARA QUE SE MATEM  ENTRE SI ATÉ O FINAL DOS TEMPOS

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.