"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

URGENTE: Rebelião cadeia Dutra Ladeira, Ribeirão das Neves. MG. Reflexo em vários...



O ESTADO DE MINAS

 postado em 16/01/2017 21:19 / atualizado em 16/01/2017 23:07

Detentos da Penitenciária Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, fazem um motim na noite desta segunda-feira. De acordo com informações da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), os presos colocaram fogo em colchões. Viaturas da Polícia Militar (PM) ajudam a conter a confusão. 

Familiares de presos estão na porta da penitenciária em busca de informações. Aos gritos de "presos têm família", els também tentam fechar a a rodovia MG-6, próximo ao km 9, sendo impedido pela polícia.

De acordo com informações da Polícia Militar, a rebelião atinge a quatro pavilhões (1, 4,5 e 6). Não há informação sobre fuga ou mortes.

Do lado de fora do presídio, é possível ver muita fumaça vinda do local. Também há muito barulho de tiros de bala de borracha e bombas de feito moral. O aparato policial também é grande do lado de fora do presídio. Segundo a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), estão no local policiais do Grupo de Intervenção Rápida (GIR) e o Comando de Operações Especiais (COPE).

O advogado Fábio Piló, presidente da Comissão de Assuntos Carcerários da OAB/MG, está no local para ajudar a conter o tumulto. “Está acontecendo um motim. Os presos chegaram a colocar fogo em colchões e a PM já está aqui. Ainda não tenho muitas informações sobre a confusão”, explicou. 

Os policiais foram chamados, inicialmente, para conter uma manifestação de familiares dos detentos. Os parentes informaram à PM que a direção do presídio tirou algumas regalias dos presos, o que estaria provocando revolta. 

Segundo a OAB, integrantes da Comissão de Direitos Humanos estiveram no presídio na tarde desta segunda-feira, depois que mulheres e mães de preso denunciaram maus-tratos contra os detentos.
Samu

O advogado Fábio Piló esteve dentro do presídio. Ele contou que os presos reivindicam melhores condições para eles e os familiares, além de atendimento médico. Uma ambulância do Samu está estacionado na porta do presídio.

Nota da Seap


Em nota divulgada na noite desta segunda-feira, a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) informou que presos de alguns pavilhões "subverteram a ordem dentro das celas e  atearam fogo em pedaços de colchões, lançando-os para os corredores".

Também de acordo com a nota, todos os presos permanecem dentro das celas e não houve fuga. A Seap também informou que o Grupo de Intervenção Rápida (GIR) e o Comando de Operações Especiais (COPE), ambos da Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), estão no local para conter o protesto, com o apoio da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros.

Um comentário:

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.