"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

sábado, 11 de fevereiro de 2017

A História do Comunismo contada aos doentes mentais

A História do Comunismo contada aos doentes mentais:



Stalin%2Bo%2Blouco.jpg

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Carlos I. S. Azambuja

O texto abaixo é de Matthew Vişniec (29 de de Janeiro de 1956Radauti-Romênia), extraido do livro título desta matéria. Visniec é um poeta e dramaturgo romeno, atualmente vive na França, conhecido por seus escritos em língua francesa. Estudou História e Filosofia na Universidade de Bucareste e foi fundador do Cenáculo Segunda-Feira, coordenado pelo professor Nicolae Manolescu.
    
Em Bucareste , ele teve acesso a todas as bibliotecas e todas as formas de escrita, clássica e literatura moderna. O oposto era inválido, a censura proíbe seus textos, limitando a sua criação. Entre 1980 e 1987 foi professor de História e Geografia em Dorobanţu-Plătăreşti de Calarasi.
    
Em 1987, ele foge da Roménia e pede asilo político na França, onde obteve a cidadania francesa em 1993. Ele atualmente reside em Paris, onde é um jornalista da Radio France Internationale, e contribui para várias revistas francesas.
    
Depois de 1989, foi o autor mais tocado na Romênia, em Bucareste e nas províncias, no  rádio e na televisão. Em outubro de 1996o Teatro Nacional de Timisoara organizou um festival de "Matthew Vişniec" com 10 de suas peças, apresentadas por 12 companhias de teatro. Trechos de suas peças são apresentadas em alguns livros de texto alternativo:
____________________________________
Grigori Dekanozov apresenta Iuri Petrovski ao Corpo Médico do Estabelecimento
    
O DIRETOR: Caros colegas, aperesento-lhes o camarada Iuri Petrovski, que a União dos Escritoresenviou para nos ajudar. Iuri Petrovski escreve novelas ao estilo do nosso grande autor Maximo Gorki. Iuri Petrovski escreve novelas sobre e narrativas sobre a construção do socialismo, e recebeu por suas maravilhosas novelas e narrativas, o Grande Prêmio do Estado, que lhe foi entregue pelo Grande Camarada Stalin, em pessoa. É meu dever aqui agradecer à União dos Escritores por nos ter enviado o camarada Iuri Petrovski. É justamente de um escritor como Iuri Petrovski, que precisamos, pois ele sabe descrever, como niguém, as coisas simples, as coisas da vida. Volta-se para Iuri Petrovski: Camarada Iuri Petrovski, sua tarefa é escrever histórias curtas para narrar aos nossos doentes mentais a história do comunismo. É para isso que está aqui, é para isso que a União dos Escritores enviou-o para cá. Consideramos que os doentes mentais têm o direito e o dever de conhecer a história do comunuismo e da Grande Rvolução Socialista de Outubro.
    
O único problema é que a história do socialismo e da Grande Revolução Socialista de Outubro devem ser narradas de forma qu estejam ao alcance deles. É por isso que todos nós, a Equipe Médica do Hospital Central de Doentes Mentais, bem como os doentes que estão em tratamento em nosso estabelecimento, pedimos-lhe, caro camarada Iuri Petrovski, que use seu talento para narrar-nos em palavras simples, a história do comunismo e da Grande Revolução Socialista de Outubro. Use o seu talento para que os nossos doentes mentais possam alimentar-se da esperança que a Grande Revolução Socialista de Outubro trouxe a todos os trabalhadores de todos os países.
    
Tenho certeza, camarada Iuri Petrovski, que encntrará as palavras que irão tocar o coração dos nossos doentes mentais. Nossas sessões de iniciação à beleza da arte, da literatura, acontecerão duas vezes por semana. Todos os doentes mentais de nosso estabelecimento, sejam eles doentes mentais leves, médios ou graves, esquizofrênicos, autistas, depressivos ou neuróticos, todos serão convidados a escutá-lo duas vezes por semana. Todos, exceto, talvez, os doentes da seção de segurança máxima, para os quais vamos imaginar outra solução. Quer dizer, talvez organizemos seções especiais para eles.
    
A seguir, Iuri Petrovski faz uma demonstração para o diretor Dekanozov, Katia e o restante do Corpo Médico. Somente Grigori Dekanozov está sentado.
     
Iuri: Abram bem a boca. Digam uu. Respirem. Encham os pulmões de ar. Mais. Digam Utopia.Outra vez: Utopia. Concentem-se bem. É uma palavra que faz uma curva ascendente. Como um cavalo empinando. Utopia. Ouvem como ela sobe? Sobe abraça o céu. Começa dentro da boca e termina nas estrelas. Utopia. Muito bem. Então, o que é uma Utopia? Uma Utopia é quando alguém está na merda e quer sair dela. Mas, antes de sair da merda, é preciso refletir a respeito. E se você reletir bem, mas ver que não é o único que está na merda e que deseja sair dela. Então, você pensa e vê que não pode sair da merda sozinho, que só pode sair da merda junto com os outros, os camaradas que estão na merda junto com você.

A assistência permanece impassível. Iuri Petrovski continua: Mas aqueles que jogaram você na merda não querem que você saia da merda. Não deixam você sair da merda, nem você nem os camaradas que estão na merda junto com você. Para eles, os que jogaram você na merda são fortes porque estão unidos. Então, para sair da merda, você e seus camaradas, é preciso que estejam, vocês também, unidos.
    
Foi isso que o camarada Lenin disse, um dia, em 1915, quando estava em Zurique. Uma cidade na Suiça. A Suiça é um país que não estava na merda, ”Camaradas, para siar da merda não basta querer sair da merda. É preciso estar unidos”. Foi isso que o camarada Lenin disse, um dia, em 1915, em Zurique, onde tinha se refugiado com outros camaradas, para refletir. E depois, todos aqueles que estavam na merda na Rússia, disseram ”É, o camarada Lenin tem razão”. E eles se uniram e deram-se as mãos, fizeram um esforço, e sairam da merda.
     
(Silêncio glacial. Bruscamebte, Gregori Dekanozovlevana-se, aproxima-se de Iuri Petrovski e abraça-o. Aliviada, a assistência aplaude. Gregori Dekanozov enxuga umaz lágrima).
     
O Diretor: Bravo, camarada Iuri Petrovski. Bravo! É isso. É assim que se deve falar. Muito bem Iuri Petrovski. Você sabe escrever com o coraçao sem deixar de dizer a verdade.Éum grande escritor, Iuri Petrovski. Compreendeu tudo, Iuri Petrovski.Graças a você nossos doentes vão poder compreender, enfim, a essência mesma da Grande Revolução Socialista de Outubro. Continue, Iuri Petrovski. Continue. Na próxima semana faremos uma sessão com alguns doentes, Nossos doentes mentais precisam de você, Iuri Petrovski. Pois não é somente a medicina que pode curá-los. Há também o pensamento do nosso Grande Kamarada Stalin como terapia contra o autismo, a esquizofrenia e a debilidade mental.
    
A força do pensamenteo comunista deve penetrar em tudo. Em tudo. Em tudo. Inclusive nos cérebros de nossos doentes. Pois o pensamento pode curar o pensamento. Quando o pensamento dirige-se ao pensamento acontecem maravilhas! É preciso apenas encontrar as palvras certas, o tom certo, a emoção certa... E você, camarada Iuri Petrovski, você encontrou a chave. E é com essa chave que vamos abrir a porta fechada do espírito dos nossos doentes, para que aspalavras de Lenin e de Salin possam resplandecer através dela... Obrigado, camarada Iuri Petrovski. Em nome de todo o nosso corpo médico e em nome de todos os nossos doentes mentais, MUITO OBRIGADO.



Carlos I. S. Azambuja é Historiador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.