"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Como assistir ao eclipse solar deste domingo

Como assistir ao eclipse solar deste domingo:

Um eclipse do Sol vai escurecer o céu deste domingo de Carnaval. Aqui no Brasil ele será parcial (quando apenas uma fração do Sol é escondida pela Lua), porém, em alguns países mais ao sul do planeta, o grande astro luminoso será quase completamente encoberto, resultando em um incrível eclipse anular (quando a Lua fica na frente do Sol e apenas um anel brilhante aparece no céu). Para garantir que todos possam ver esse espetáculo, a equipe do Slooh, um projeto que utiliza telescópios ao redor do mundo, fará uma transmissão ao vivo de várias partes do mundo. Mas, para quem quiser acompanhar o fenômeno aqui no Brasil, também é possível procurar clubes astronômicos e observatórios que estarão promovendo eventos.
Veja também

  • Eclipse parcial do sol no céu da cidade de Sopron, na fronteira austro-húngara.
Cuidados na observação

O eclipse do Sol não deve ser visto sem proteção ocular, pois a intensa radiação pode danificar a visão em instantes. Óculos escuros, chapas fotográficas veladas e chapas de raios-X não devem ser usados para assistir ao eclipse, pois não oferecem proteção adequada. Lentes que concentram os raios solares, como binóculos ou telescópios, também oferecem sérios riscos de perda da visão ao serem direcionados ao Sol.

“A maneira mais segura de assistir ao eclipse é usar um filtro astronômico, feito com um polímero especial que deixa passar apenas uma minúscula fração da luz solar. Infelizmente este tipo de material é muito difícil de ser encontrado no Brasil”, afirma o astrônomo Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Segundo Rojas, um vidro de máscara de solda do tipo mais escuro, que tem tonalidade 14, facilmente encontrado em lojas de material de construção, pode ajudar a observar o eclipse.

Outra maneira de garantir a visualização do evento é acompanhar transmissões ao vivo pela internet, como a feita pelo Slooh. Desde 2003, o projeto vem fazendo transmissões ao vivo de eventos celestes com o objetivo de divulgar a exploração espacial para o público. Por meio de uma rede internacional de telescópios, os membros do projeto já fotografaram mais de 50.000 objetos celestes, participando de diversas descobertas científicas em parceria com instituições astronômicas de referência. Os principais observatórios estão localizados nas Ilhas Canárias, na Espanha, onde eles mantêm uma parceria com o Instituto de Astrofísica das Ilhas Canárias (IAC, na sigla em inglês), e no Chile, com a ajuda da Universidade Católica do Chile. Além deles, observatórios nos Estados Unidos, Japão, Havaí, África do Sul, Austrália, países da Europa, entre outros, também são utilizados para fazer transmissões. Em março de 2014, o grupo assinou um compromisso com a Nasa com o objetivo de “trazer o universo para todos”.



Para acompanhar no Brasil

Quem é fã de fenômenos celestes e quer assistir ao eclipse parcial no Brasil pode procurar clubes astronômicos ou observatórios que vão promover encontros na data. O astrônomo Gustavo Rojas forneceu ao site de VEJA uma lista dos observatórios em todo o país que estarão abertos ao público no dia do evento. Uma dica é procurar pelo mais perto da sua cidade e reunir os colegas para admirar o fenômeno, que atingirá sua fase máxima entre 11h e 12h30, dependendo da localização do observador.
Para quem está no Estado de São Paulo, uma dica é acompanhar o fenômeno na sessão especial que a Reserva Cultural está preparando. Localizado na Avenida Paulista, 900, região central da capital paulista, o cinema abrirá suas portas às 11h00, e a entrada é gratuita.
Além da sessão de cinema, o astrônomo indica visitar a Escola Municipal de Astrofísica, também na capital, ou o Observatório Municipal de Campinas Jean Nicolini. No interior, outros lugares que estarão abertos são o Polo Astronômico de Amparo, em Amparo, o Observatório Lionel José Andriatto, em Bauru, e o Observatório Dietrich Schiel, em São Carlos. Independentemente do lugar, Rojas lembra que os observadores não devem olhar para o Sol sem a proteção adequada.
Confira a lista completa de lugares para observar o fenômeno:
– Amparo/SP: Polo Astronômico de Amparo (Polo Astronômico de Amparo)
– Aragoiânia/GO: Gunstar Team (Vale do Éden)
– Bauru/SP: Observatório Lionel José Andriatto (UNESP)
– Brusque/SC: OAB+CAB (Observatório Astronômico de Brusque)
– Campinas/SP: Observatório Municipal de Campinas Jean Nicolini
– Campo Grande/MS: CACS (Casa de Ciência e Cultura)
– Campos Sales/CE: CAPO (Praça Central)
– Catas Altas/MG: Grupo de Astronomia da UFMG (Praça Monsenhor Mendes)
– Chapecó/SC: Apontador de Estrelas + Espaço Astronomia UDESC (calçadão de Chapecó, ao lado da Havan)
– Florianópolis/SC: GOA IFSC-SJ (bolsão do trapiche da Beiramar Norte)
– Foz do Iguaçu/PR: SpySky+Polo Astronômico Casimiro Montenegro Filho
– Goiânia/GO: CAA (Parque Flamboyant)
– Goiânia/GO: Gunstar Team + Planetário da UFG (Planetário da UFG)
– Iguaraçu/PR: GEAI (Praça da Igreja Matriz)
– Itanhaém/SP: OAAE/CEU/GUE (Boca da Barra)
– Itajubá/MG: LNA+UNIFEI (Campus da UNIFEI)
– João Pessoa/PB: APA+LAECB+NEPA/IFPB (Estação Cabo Branco)
– Londrina/PR: Gedal (Planetário de Londrina)
– Marialva/PR: CAEH+Grupo Centauro (Praça do Colégio Anjos Custódios)
– Maturéia/PB: APA+BRAMON+Ciência e Astronomia
– Monte Mor/SP: Observatório Solaris (Observatório Solaris)
– Nova Friburgo/RJ: CANF + Planetário de Nova Friburgo
– Petrópolis/RJ: NAAP+CARJ (Parque Municipal de Itaipava)
– Ponta Grossa/PR: SPCA (Parque Ambiental)
– Rio Claro/SP: GEARC + Projeto Escola dos Astros (Estacionamento Shopping Rio Claro)
– São Carlos/SP: Centro de Divulgação da Astronomia/CDCC USP (Observatório Dietrich Schiel)
– São Gonçalo/RJ – CASG-LV (Centro Cultural Vila Lage)
– São Paulo/SP: EMA (Escola Municipal de Astrofísica)
– São Paulo/SP: Guilherme Sampaio (Parque do Ibirapuera)
– São Paulo/SP: Reserva Cultural (Av. Paulista)

– Taperoá/PB: APA+Mistérios do Universo (Praça Pedro Delmiro)

Transmissões ao vivo no Brasil

Observatório Sagitário (Botucatu/SP) e Observatório Draco Australis (Londrina/PR) farão a transmissão do eclipse pelo Astronomia ao Vivo. Já o Observatório Monte Saturno (Ferreiros/PE), BRAMON (João Pessoa/PB), Colégio Militar de POA (Porto Alegre/RS) e Cienctec (São Paulo/SP) estarão transmitindo o fenômeno pelo Ciência e Astronomia.


Arquivado em:Ciência


Anexos originais:
eclipse-solar3.jpg?quality=70&strip=all
ad516503a11cd5ca435acc9bb6523536?s=96&r=G

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.