"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Universitária denuncia apostila machista de cursinho de medicina

Medgrupo apenas respondeu à estudante baiana que é é "contra a agenda do politicamente correto"
© Medgrupo/Reprodução
POR NOTÍCIAS AO MINUTO

Estudante de medicina da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Heloísa Cohim denuncia o Medgrupo, cursinho para alunos de medicina, de adotar conteúdo machista em materiais distribuídos em 123 filiais do país. O foco da polêmica é a apostila "MED 2013: Síndromes de Transmissão Sexual".
PUB

Uma postagem de Heloísa, nas redes sociais, explica: "Comecei a utilizar alguns módulos do Medgrupo cedidos por colegas já residentes para estudar os conteúdos. No entanto, tive o desprazer de ser exposta a casos clínicos com comentários machistas e ilustrações que expõem o corpo feminino de maneira vulgar".

Na imagem, a doença vaginosa bacteriana é apresentada com o desenho de uma mulher seminua, com peixes em cima do corpo. Ao lado dela, um homem tapa o nariz com hashis, os palitos usados como tralheres na gastronomia oriental. Um médico teria ficado "tão enjoado" que o diagnóstico seria evidente. "Em outra narrativa, o cheiro de 'peixe podre' faria com que a mulher não conseguisse 'segurar namorado'", exemplifica.

Heloísa Choim não se limitou ao post. Em e-mail enviado ao Medgrupo, conforme a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, repetiu a denuncia e completou: "a última frase do caso relata que um dos testes necessários para o diagnóstico não foi realizado, porque o médico ficou 'tão enjoado' que o diagnóstico era evidente".

A resposta do Medgrupo foi confirmar a autoria do material e informar que é "contra a agenda do politicamente correto".

COMENTÁRIO DO EDITOR:

Parabéns para ela e para o "Notícias ao Minuto" - conseguiram, através da loucura, da histeria e do seu feminazismo, seus 5 minutos de fama. Além disso,o Medgrupo pode alegar que a paciente desenhada na apostila é "estudante de medicina, jovem, bonita, rica, branca e loira e que o pai dela é do PSDB". Uma feminazi petista, psolista ou PC do Bista é uma marginal, psicopata e histérica capaz de "denunciar apostila de curso para médicos" e, ao mesmo tempo, ter orgasmos transcendentais com material distribuído por pedófilos e pederastas do MEC que ensinam homossexualismo e masturbação para crianças de 8 anos de idade nas escolas públicas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.