"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

quinta-feira, 30 de março de 2017

CARTA ABERTA À REDE GLOBO



Escrita por Edwaldo Vieira

ASSUNTO: OS CRIMES PRATICADOS PELOS MILITARES DURANTE A “DITADURA” DE 64
Quando os proprietários, a produção e artistas da Rede Globo de Televisão resolverem, por respeito e em memória dos quase cento e cinquenta milhões de inocentes, homens, mulheres, crianças, velhos, bebês e os não nascidos assassinados ainda nos ventres de suas mães, vítimas de um regime ditador, imperialista, totalitário e genocida – o comunismo, ao qual vocês servem com tanta obediência…

Quando vocês resolverem criar e apresentar uma série divulgando os milhões de perseguidos, presos, estuprados, torturados, executados e desaparecidos por conta desse regime ao qual rendem tantas homenagens…

Quando vocês resolverem procurar por cada nome, por cada mulher, por cada menina e menino violados, por cada ser humano que teve arrancados os olhos e a língua, decepados os dedos, pés e mãos, genitais, testículos, os ouvidos perfurados, partes do corpo queimadas com brasas e ferros quentes, as vísceras sugadas e puxadas de suas entranhas com as vítimas ainda vivas, crimes estes praticados pelos soviéticos, cubanos, chineses, vietcongs, norte-coreanos para a implantação do comunismo em seus países…

Quando vocês resolverem divulgar os mais de cem milhões de exterminados na antiga União Soviética, fuzilados, enforcados, degolados, esquartejados, eletrocutados, congelados aos poucos, picados com picaretas, esmagados com marretas e até enterrados vivos em valas comuns…

Quando vocês resgatarem cada nome de judeus, bávaros, eslavos e tantos outros enviados para os gulags, por ordem de Lenin, Stalin, de seus generais e dos governos que se seguiram durante mais de sessenta anos de terror, prisioneiros estes que morreram aos poucos por inanição, de frio, torturas, doentes e por trabalhos forçados...

Quando vocês resolverem abrir toda a documentação histórica desse período negro e pavoroso, quando vocês exibirem em tela cheia e em alta resolução, página por página das listas intermináveis de executados através das mais variadas formas, onde os generais e políticos soviéticos faziam competições entre si, e estabeleciam cotas para ganhar mais dinheiro do governo por cada pessoa morta…

Quando vocês divulgarem um a um as centenas de campos de concentração e as valas comuns cheias de cadáveres que a NKGV, e depois a KGB controlavam…

Quando vocês fizerem uma série mostrando os rostos espavoridos, famintos, os corpos cadavéricos ainda de pé, pela esperança de salvação e vontade de viver dos mais de doze milhões de sitiados no Holodomor, quando vocês explicarem o que foi a “moeda cadáver”, a troca de mortos (e também de moribundos meio-vivos) das famílias por um mísero pedaço de pão bolorento, tudo porque Stalin queria que o povo ucraniano produzisse grãos para sustentar os soldados soviéticos, e este povo se recusou a servir de escravo e a contribuir com os massacres. 

Quando vocês mostrarem cenas onde os condenados cavavam suas próprias covas, depois eram fuzilados nas bordas, para serem empurrados com tratores para dentro das valas – e muitos, centenas ainda estavam vivos!

Quando vocês mostrarem a dor de cada chinês, dos setenta milhões que sofreram nas mãos de Mao Tsé Tung, a agonia de cada um dos mais de dois milhões que foram executados por ordem de Pol Pot, no Camboja, e os campos onde o Khmer Vermelho matava seu próprio povo de exaustão e de fome…

Quando vocês mostrarem o medo e as lágrimas de cada norte-vietnamita perseguido e assassinado nos campos de arroz por ordem de Ho Chi Minh, de cada norte-corano executado no passado e até nos dias de hoje por ordem dos “imperadores” da família Kim, cuja somatória – já que vocês gostam tanto de números – ultrapassa os três milhões de vítimas…

Quando vocês mostrarem a verdade sobre Che Guevara, o déspota genocida que odiava os negros e homossexuais, desprezava os índios e os mexicanos, mas permitia – e praticava – o estupro das moças, meninos e meninas das aldeias por onde passava. 

Quando vocês mostrarem as centenas de fuzilamentos praticados por este criminoso em Cuba, Bolívia, Colômbia e até na África, bem como as cartas que ele mandava para sua tia, na Argentina, gabando-se e detalhando a forma como matava as pessoas, de joelhos, com as mãos amarradas nas costas, os olhos por vezes vendados e um tiro de pistola na nuca. 

Quando vocês denunciarem a execução dos 400 cubanos por ordem de Che, condenados sem qualquer prova e sem julgamento por traição, era apenas por diversão. 

Quando vocês mostrarem um a um dos milhares de torturados, os infelizes atirados em gaiolas e erguidos em teto de zinco para cozinhar durante o dia inteiro, aqueles pobres coitados enfiados a força dentro de gavetões, e que tinham seus braços e pernas quebrados para caber, e então, deixados lá até morrerem de asfixia, e os tantos mais afogados em poços com fezes, sem desprezar os assassinatos de seus próprios companheiros através do “justiçamento”, por ordem de Fidel Castro, Raúl Castro e Che Guevara…

Quando vocês tiverem vergonha para tomar e divulgar os depoimentos de cada cubano que conseguiu escapar e refugiou-se nos Estados Unidos, quando vocês tiverem o interesse para encontrar a filha de Fidel Castro, Alina Fernández Revuelta, ainda viva, que escapou em um pequeno avião e denunciou as barbaridades do pai obrigando meninas a engravidar e abortar para vender órgãos no mercado negro, investigação que a ONU, que deveria ser a mais interessada nos tais Direitos Humanos abandonou e virou as costas, não só porque Fidel apagou seus rastros mandando executar cada médico, enfermeiro, faxineiro envolvido no esquema, mas para proteger seus comparsas comunistas…

Quando vocês tiverem a iniciativa de dizer a verdade, a vergonha, o respeito por cada cidadão brasileiro, seus telespectadores, a quem vocês doutrinam e idiotizam em favor de corruptos e de assassinos, divulgando caso por caso, número por número do que está explícito aqui e do que nem mesmo foi mencionado, então, só então vocês terão alguma centelha de moral para denunciar a morte de um só guerrilheiro, terrorista, sequestrador, torturador, estuprador e assassino comunista praticada pelos militares, não por torturas e execuções, porque elas nunca aconteceram, mas em combate armado em defesa desse mesmo povo que assiste sua programação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.