"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

quarta-feira, 15 de março de 2017

Delações da Odebrecht citam ao menos 22 ministros e ex-ministros

Delações da Odebrecht citam ao menos 22 ministros e ex-ministros:

Delações da Odebrecht citam ao menos 22 ministros e ex-ministros
Pelo menos 22 pessoas que ocupam ou ocuparam ministérios nos governos Lula, Dilma e Temer foram mencionadas por delatores da Odebrecht ou aparecem em documentos apreendidos com a empreiteira. Muitos detalhes estão nos depoimentos de 78 executivos da empreiteira que firmaram acordo de colaboração premiada na Lava-Jato e que ainda permanecem sob sigilo. Há menções a caixa 2, e outras, a corrupção.

Leia mais Lista de Janot: veja os nomes que aparecem nos pedidos de inquérito
Só quatro entre os 55 nomes da primeira lista de Janot viraram réus no STF Entenda o que é a lista de Janot

Zero Hora teve acesso a uma lista de ministros e ex-ministros mencionados nas delações ou documentos. Os depoimentos indicam quais seriam algumas das ligações dos políticos com a Odebrecht. Não é possível dizer se os citados estão incluídos nos 83 pedidos de investigação feitos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com base nas delações dos executivos, nem se terão inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Confira quem são e o que os delatores imputam contra cada um:

EDISON LOBÃO

Como ministro das Minas e Energia de Dilma, teria recebido R$ 1 milhão para campanhas do PMDB no Nordeste. O pagamento seria de um consórcio formado pelas empreiteiras UTC, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Odebrecht, quando elas atuavam em Angra 3.

Contraponto: O advogado de Lobão, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse que o país passa pela criminalização da política e que os delatores agem "de forma falsa e estranhamente seletiva". Ele nega irregularidades.

HENRIQUE ALVES

Ministro do Turismo de Dilma teria participado de reunião, junto com o então vice-presidente Michel Temer (PMDB), na qual foi pedido à Odebrecht R$ 10 milhões para a campanha eleitoral de 2014. O dinheiro teria sido repassado por caixa 2. Após o impeachment de Dilma, Alves foi ministro também de Temer.


Contraponto: Na época em que as citações foram tornadas públicas, a defesa de Alves foi feita pelo Palácio do Planalto. Foi emitida nota "em repúdio às falsas acusações de Cláudio Melo Filho, da Odebrecht". Foi informado que os R$ 10 milhões repassados foram declarados à Justiça.

ELISEU PADILHA

Ministro dos Transportes no governo Fernando Henrique, da Aviação Civil no de Dilma e da Casa Civil de Temer, Padilha teria canalizado pagamentos de R$ 4 milhões feitos pela Odebrecht para campanhas do PMDB em 2014, via caixa 2. É mencionado também como beneficiado por contratos em obras.

Contraponto: O ministro afirmou nesta semana que não vai comentar a respeito da "palavra de um delator".

MOREIRA FRANCO

Ministro nos governos Dilma e Temer, teria participado da caixinha bancada pela Odebrecht para alimentar campanhas do PMDB em 2014, via caixa 2.


Contraponto: A assessoria foi contatada, mas o ministro não respondeu ao questionamento.

GILBERTO KASSAB

Presidente licenciado do PSD, ministro das Cidades de Dilma e atual ministro das Ciências e Tecnologia e Comunicações de Temer, teria coletado R$ 14 milhões via caixa 2 da Odebrecht. Segundo os delatores, o dinheiro seria usado para campanhas em 2014.

Contraponto: À época da divulgação das notícias de caixa 2, Kassab afirmou que as doações recebidas da empresa estão declaradas e recomendou cautela com relação às delações.

ALOYSIO NUNES

Atual ministro das Relações Exteriores de Temer, teria recebido R$ 500 mil por caixa 2 na campanha que o elegeu senador, em 2010, pelo PSDB.


Contraponto: O ministro classificou como "mentira" o caixa 2 citado pelos delatores e afirmou não ter recebido doações da Odebrecht em 2010.

JOSÉ SERRA

Ex-ministro da Saúde de Fernando Henrique e das Relações Exteriores de Temer, teria recebido R$ 23 milhões da Odebrecht para sua campanha presidencial de 2010, pelo PSDB. O dinheiro teria sido depositado na Suíça.


Contraponto: À época da divulgação das notícias de caixa 2, a assessoria de imprensa do então ministro elaborou nota alegando que o comitê da candidatura de Serra à Presidência recebeu R$ 2,4 milhões da Odebrecht em 2010, e negou outros repasses.

BRUNO ARAÚJO

atual ministro das Cidades de Temer, teria recebido R$ 300 mil da Odebrecht para sua campanha a deputado federal em 2010, pelo PSDB. Parte disso em caixa 2.


Contraponto: Em nota, o ministro afirmou que sempre teve relação institucional com todas as empresas e confirmou ter recebido recursos da Odebrecht "dentro da lei".

SILAS RONDEAU

Ministro das Minas e Energia de Lula, teria ajudado a Odebrecht a negociar contratos no Exterior, mediante repasses de caixa 2 ao PMDB (seu partido). Teria ajudado a coletar R$ 45 milhões para o partido em 2010 e 2014.

ANTONIO PALOCCI

Ex-ministro da Fazenda de Lula e da Casa Civil de Dilma, teria intermediado captação de R$ 2 milhões de caixa 2 para campanha dela à eleição em 2010. É também citado como interlocutor da empreiteira em contratos vantajosos com a Petrobras. É filiado ao PT.

GUIDO MANTEGA

A Odebrecht teria emprestado R$ 3,5 milhões a uma revista, a pedido de Mantega, ministro da Fazenda de Dilma. O petista também teria pedido R$ 50 milhões à empreiteira para a eleição de Dilma em 2010. Em troca, garantiria benefício tributário à empresa.

JAQUES WAGNER

Teria recebido R$ 10 milhões para a reeleição como governador da Bahia em 2010 (pelo PT) e um relógio de US$ 20 mil como presente da Odebrecht. Quando ministro da Casa Civil de Dilma, teria ajudado a empreiteira a receber do governo o pagamento de uma dívida de R$ 290 milhões.

Contraponto: O ex-ministro admitiu ter ganho o relógio, mas que o guardou e nunca o usou. Ele admitiu doações da Odebrecht, mas chamou as delações de "circo".

ERENICE GUERRA

Ex-ministra da Casa Civil de Dilma, teria influenciado para que a Odebrecht conseguisse contratos em Belo Monte, entre 2010 e 2014. É ligada ao PT.

FERNANDO PIMENTEL

O petista teria recebido propina da Odebrecht quando era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio de Dilma. Em troca, teria pressionado o BNDES para conseguir financiamentos para a empreiteira no Exterior.

EDINHO SILVA

É apontado de ter recebido repasses via caixa 2 na campanha de Dilma à reeleição, em 2014. Ele era o tesoureiro da campanha petista e teria exigido dinheiro da Odebrecht, oferecendo oportunidades de contrato como contrapartida.

Contraponto: À época da divulgação das delações, refutou "com veemência" ter gerenciado caixa 2 da campanha presidencial de Dilma e disse que todas as doações foram declaradas à Justiça.

ALOIZIO MERCADANTE

Como ministro da Ciência e Tecnologia de Dilma, o petista teria influenciado para que a Odebrecht conseguisse melhores preços em sete contratos de navios-sonda da Petrobras.


Contraponto: Em nota, na época da notícia sobre ajuda à Odebrecht, ele disse que ajudou no estímulo à construção de um navio oceanográfico. Ele também admitiu defesa do pré-sal, mas negou envolvimento com o negócio das plataformas marítimas.

GLEISI HOFFMANN

Ministra da Casa Civil no governo Dilma, teria centralizado caixa 2 de R$ 1,5 milhão para campanhas do PT nas eleições municipais de 2012. Ela também teria coletado junto à Odebrecht R$ 4 milhões para a campanha de reeleição de Dilma em 2014.


Contraponto: À época da divulgação dos depoimentos, Gleisi disse que as doações seriam do Diretório Nacional do PT para o Diretório Estadual petista no Paraná, e que tudo foi regular.

PAULO BERNARDO

Ministro do Planejamento de Lula e das Comunicações de Dilma, teria, ao lado de sua mulher, Gleisi Hoffmann, centralizado caixa 2 de R$ 1,5 milhão para campanhas do PT nas eleições municipais de 2012.


Contraponto: À época da divulgação dos depoimentos, repetiu o que disse sua mulher: que as doações seriam do Diretório Nacional do PT para o Diretório Estadual petista no Paraná, e que tudo foi regular.

MARIO NEGROMONTE

Em depoimentos já coletados pela PF são mencionados dois repasses, de R$ 336 mil e de R$ 534 mil, feitos pela Odebrecht. A suspeita é de que sejam compensação por ajuda à empreiteira com obras quando era ministro das Cidades de Dilma. Ele é do PP.


FERNANDO BEZERRA

Ministro da Integração Nacional de Dilma, o senador do PSB já está denunciado por centralizar caixa 2 de três empreiteiras para a campanha do então governador de Pernambuco, Eduardo Campos, a presidente. Teria recebido cerca de R$ 41 milhões de um consórcio que construía a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. A Odebrecht também participava dessa obra.

Contraponto: O advogado de Fernando Bezerra, André Callegari, diz que seu cliente nega qualquer repasse ilegal de dinheiro das empreiteiras, mas confirma ter coletado verbas para a campanha de Eduardo Campos a presidente. "Ainda não tomamos conhecimento da parte relativa à Odebrecht e vamos a Brasília para nos inteirar", pondera Callegari.

CARLOS GABAS

Teria intermediado financiamentos da Caixa Federal à Odebrecht, em troca de repasses a campanhas governamentais. Ligado ao PT, foi ministro da Previdência de Lula e de Dilma.


GILBERTO CARVALHO

Ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência no governo Dilma, o petista teria intermediado contratos da Odebrecht, segundo delatores, e seria o elo entre a empreiteira e o ex-presidente Lula. De acordo com as delações, Carvalho recebia os pedidos e os condicionava a apoio a campanhas petistas.

Contraponto: À época da divulgação dos fatos, o ex-ministro negou categoricamente ter recebido Marcelo Odebrecht e Alexandrino Alencar com discussões para agendas internacionais de Lula. Ele disse que Lula, "como qualquer presidente patriota", organizava caravanas de empresários no Exterior, abrindo caminhos para negócios e para potencializar a balança comercial brasileira.



Anexos originais:
22898285.jpg?w=1024&h=768

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.