"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Funcionários do GHC protestam contra atual Direção do Grupo que, perto dos MARGINAIS que estavam lá antes, são apenas "Crianças Malcriadas"

  • 17/04/2017
  • 14:38
  • Atualização: 14:45

Faxina protesta contra direção do Grupo Hospitalar Conceição

Diretor administrativo e financeiro, Ibanez Filter, foi citado na Operação Lava-Jato
Manifestantes faxinaram a entrada do Grupo Hospitalar Conceição | Foto: Samuel Maciel

Manifestantes faxinaram a entrada do Grupo Hospitalar Conceição | Foto: Samuel Maciel
Dezenas de pessoas estiveram em frente à central administrativa do Grupo Hospitalar Conceição (GHC) na manhã desta segunda para faxinar a entrada da entidade. A atitude, simbólica, teve como objetivo protestar contra a atual direção, mais especificamente contra o diretor administrativo e financeiro, Ibanez Filter, citado na Operação Lava-Jato como possível intermediador de propinas do atual Ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Filter foi indicado ao cargo atual pelo PMDB, logo depois que Michel Temer assumiu a Presidência da República.
O protesto  foi organizado pelo Sindisaúde-RS e mais 15 entidades do setor. Segundo o presidente do sindicato, Arlindo Ritter, os manifestantes não querem mais que existam indicações partidárias para assumir cargos no GHC. Ritter, que é também técnico em segurança do trabalho do Conceição, disse que o Hospital tem um faturamento de R$ 1,3 bilhões ao ano e que as demandas da categoria serão enviadas ao Ministério da Saúde. “A gente quer gestão profissional”, explicou.
O presidente da Associação dos Servidores do Grupo Hospitalar Conceição (Aserghc), Valmor Guedes, se manifestou dizendo que o que está ocorrendo é um caso de polícia e cobrou um posicionamento efetivo da diretoria do Grupo Hospitalar como um todo. “Não tem ninguém imune a isso que está acontecendo no GHC”, disse.
Ibanez Filter foi citado no final da última semana em uma delação do ex-dirigente da Odebrecht, Valter Lana. Segundo o depoimento, o diretor do Conceição teria intermediado o recebimento de Eliseu Padilha no valor de R$ 1,49 milhão com relação à obra de extensão de linha da Trensurb, Por meio de sua assessoria de comunicação, o GHC informou apenas que seu posicionamento é de que o caso é uma questão de justiça e que entende a total autonomia do Judiciário. (Correio do Povo)

NOTA DO EDITOR DO ATAQUE ABERTO:

Não tenho a mínima ideia de qual tipo de crime a Direção atual é acusada pelo Sindisaúde-RS. Afirmo apenas o seguinte: perto dos vagabundos do PT e do PC do B que estavam lá até 2016, essa gente do PP, PMDB ou PQP é "criança inocente". Aliás, está aí a oportunidade para o Eliseu Padilha, antes de ir para CADEIA, de abrir a caixa preta do GHC durante os 13 anos de Regime Petista no Brasil. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.