"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Quem são os presos transferidos na megaoperação realizada no RS

Quem são os presos transferidos na megaoperação realizada no RS:

Quem são os presos transferidos na megaoperação realizada no RS
O RS desencadeou na manhã desta sexta-feira (28) a maior operação integrada já realizada no Rio Grande do Sul . Mais de 3 mil homens e 20 instituições foram mobilizadas na Operação Pulso Firme para a transferência de 27 condenados gaúchos para penitenciárias federais.

Considerados líderes de facções, a maioria dos presos estava detida no Presídio Central de Porto Alegre e na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc). Eles serão levados em avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para penitenciárias federais de Porto Velho, em Rondônia, Mossoró, no Rio Grande do Norte, e Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, sendo nove presos para cada. Outros 19 pedidos de transferências foram negados pela Justiça.

Leia mais
Megaoperação transfere líderes de facções do RS para três prisões federais
Execuções de agentes suspendem visitas em penitenciárias federais
Construção de penitenciária federal divide Eldorado do Sul Eldorado do Sul, na Região Metropolitana, receberá penitenciária federal do RS

Veja lista com 20 dos 27 presos transferidos:

Fábio Fogassa, o Alemão Lico, 39 anos

Foto: Reprodução / Reprodução

Um dos principais líderes da facção Bala na Cara. Tem 54 anos e 10 meses de condenações, com penas a cumprir até 2054. São cinco condenações por roubo e extorsão, uma por tentativa de homicídio, outra por homicídio e ainda um por ilegal de arma. É considerado pela polícia um dos principais articuladores da facção. A partir da Pasc comandaria o tráfico de drogas, sobretudo, da Vila dos Sargentos, no bairro Serraria, zona sul de Porto Alegre. No ano passado, foi denunciado por envolvimento, como mandante, na morte do empresário Marcelo Oliveira Dias, 44 anos, a tiros no estacionamento de um supermercado do bairro cavalhada, na zona sul de Porto Alegre.

Tiago Benhur Flores Pereira, o Benhur, 32 anosConsiderado o homem mais poderoso da facção Os Manos nas cadeias. Cumpre pena no Presídio Central. Tem 156 anos, três meses e 26 dias de condenações, com penas a cumprir até 2160. São 16 condenações por roubo e extorsão, três por tráfico de drogas e uma por receptação. Natural de Novo Hamburgo, ele é suspeito de ter articulado a abertura de um túnel descoberto em fevereiro deste ano para uma fuga em massa do Presídio Central.

Fabrício Santos da Silva, o Nenê, 34 anos

Foto: Reprodução / Reprodução

Considerado pelo Ministério Público como um dos principais líderes do braço armado da facção Os Manos. No ano passado foi transferido da Pasc para o Presídio Central, onde assumiu posição de comando em uma das galerias. Tem 29 anos, três meses e 15 dias de condenações, com penas a cumprir até 2036. São duas condenações portes ilegais de arma, uma por roubo e uma por homicídio. Natural de Novo Hamburgo, ele tem atuação criminosa também em Porto Alegre e Canoas. É um dos investigados por articular a abertura do túnel do Presídio Central em fevereiro deste ano.

Cristiano Feijó Madrile, o Cabelo, 32 anosÉ um dos articuladores da facção Os Abertos, que ultimamente se aproximou dos Bala na Cara para controlar o tráfico no bairro Estância Velha, em Canoas. Tem condenações por diversos homicídios e também envolvimento em roubos. É natural de Canoas e estava preso no Presídio Central.

Daniel Araújo Antunes, o Patinho, 35 anos

Foto: Reprodução / Reprodução

É apontado pela Polícia Civil como um dos líderes de uma das quadrilhas mais violentas da Capital, com atuação no Loteamento Timbaúva, no bairro Mario Quintana, que forma o atual grupo Anti-Bala. Tem 24 anos e sete meses de condenações, com penas a cumprir até 2037. São duas condenações, por roubo e homicídio. Com origem no bairro Rubem Berta, Patinho foi preso em 2011 em uma ofensiva policial contra o bando que atua no Timbaúva, mas, segundo a polícia, não deixou de comandar o grupo responsável por casos de decapitação desde o ano passado na zona norte de Porto Alegre.

Dezimar de Moura Camargo, o Tita, 36 anosTem 31 anos, um mês e 12 dias de condenações, com penas a cumprir até 2032. São condenações por homicídio, roubo e extorsão e crime contra a administração pública. Tem origem no bairro Passo das Pedras e, até o começo da década, fazia parte da quadrilha comandada pela família Bugmaer, com atuação na zona norte de Porto Alegre.

Cássio Alexandre Ribeiro, 37 anos

Diego Moacir Jung, o Dieguinho, 34 anos

Foto: Reprodução / Reprodução

Tem 58 anos, oito meses e 20 dias de condenações, com penas a cumprir até 2061. São cinco condenações por roubos e uma por porte ilegal de arma. É apontado pela polícia como um dos principais especialistas em ataques a bancos com explosivos, em 2006 chegou a ser preso com Oséas Cardoso, o Português, considerado um dos membros do PCC.

Fabio Luis da Silva Mello, o Fábio do Gás, 39 anos
Com condenações por tráfico de drogas, ele é apontado pela polícia como o principal líder do tráfico na região de Rio Grande. Aliado à facção Os Manos, controla a Região Sul do Estado. Um dos principais braços a interiorização das facções.

Jonatha Rosa da Cruz, o Bito, 35 anosTem 60 anos, sete meses e 20 dias de condenações, com penas a cumprir até 2065. São cinco condenações por roubos, duas por porte ilegal de arma e uma por receptação. É considerado um dos criminosos envolvidos em ações de explosões a banco e ataques estilo cangaço pequenas cidades no Estado. Fugiu da cadeia no ano passado e voltou a ser preso. Integrante da gangue da Ladeira, um dos braços fortes da facção Os Manos, com atuação em Gravataí. Foi alvo da Operação Clivium, em 2015.

José Carlos dos Santos, o Seco, 38 anosTem 173 anos e três meses de condenações por roubos a banco, carro-forte e latrocínio. Na década passada, liderou o principal bando especializado em ataques a carros-forte no Estado. Próximo à facção Bala na Cara, teria articulado um investimento no tráfico de drogas em Santa Maria.

José Marcelo Reyes Morales, 40 anosTem 23 anos, sete meses e 18 dias, com penas a cumprir até 2022. São três condenações por roubo com extorsão e uma tentativa de homicídio. Natural de Pelotas, ele seria integrante da quadrilha dos Tauras, que é uma das aliadas da facção Os Manos na Região Sul do Estado. Fez parte de um grupo de detentos do Presídio de Pelotas que fugiu ao derrubar um muro com um caminhão.

Letier Ademir Silva Lopes, o Letier, 35 anos

Foto: Reprodução / Reprodução

Tem 47 anos, 11 meses e seis dias de condenações, com penas a cumprir até 2051. São duas condenações por roubo e extorsão, duas por tráfico de drogas, uma por homicídio e outra por tentativa de homicídio. Natural de Santo Cristo, tem atuação criminosa especialmente em Canoas, entre os bairros Estância Velha e Guajuviras. Na cadeia, vinculou-se à facção dos Abertos, mas estaria próximo, e com poder de decisão, na facção dos Bala na Cara.

Marcio Oliveira Chultz, o Alemão Márcio, 36 anosTem penas a cumprir até 2038, sendo duas condenações por homicídios, porte ilegal de armas e crime contra a fé pública. Até o ano passado, quando foi preso em Camaquã, Alemão Márcio ocupava posição de principal gerente dos Bala na Cara nas ruas, coordenando todas as ações da facção.

Marcos José Viotti, o Mineiro, 46 anosTem 34 anos, oito meses e 26 dias de condenações, com penas a cumprir até 2038. São três condenações por roubos com extorsão, uma por tráfico de drogas e uma por receptação. Alvo de uma ação do Ministério Público há cinco anos, Mineiro, que é natural de Arujá, em São Paulo, teria sido um dos articuladores de uma tentativa de entrada do PCC em Canoas e Gravataí.

Milton de Mello Ferraz, 46 anosTem 57 anos de condenações, com penas a cumprir até 2057. São duas condenações por homicídios, uma por tráfico e uma por lesão corporal seguida de morte. É apontado pela polícia como um dos líderes do tráfico no bairro Restinga. Comandaria a Gangue dos Milton, que é considerada a única aliada à facção dos Bala na Cara no bairro da zona sul de Porto Alegre. Há pelo menos dez anos, a gangue trava uma sangrenta disputa pelo controle dos pontos de tráfico da região.

Tiago Gonçalves Prestes, 32 anosTem 13 anos e seis meses de condenações, com penas a cumprir até 2027. Tem uma condenação por homicídio. Natural de Pelotas, ele seria integrante da quadrilha dos Tauras, aliada à facção Os Manos. Esteve entre os detentos que fugiram do Presídio de Pelotas com o uso de um caminhão para derrubar o muro.

Ubirajara da Silva Barbosa, 37 anosTem 70 anos, sete meses e dez dias de condenações, com penas a cumprir até 2070. São duas condenações por tráfico de drogas, duas por porte ilegal de arma e duas condenações por roubos. Natural de Canoas, Ubirajara esteve entre os detentos da Pasc envolvidos no assassinato do traficante Cristiano Souza da Fonseca, o Teréu, em 2015.

Vanderlei Luciano Machado, o Lelei, 39 anosTem 108 anos, dez meses e 23 dias de condenações, com penas a cumprir até 2106. São 11 condenações por roubos, uma por tráfico, uma por homicídio, uma por tentativa de homicídio e ainda por estelionato. Criminoso com atuação na região de Santa Maria, tem origem nos roubos a banco e, depois de preso na Pasc, teria estreitado laços com a facção Os Manos e o PCC, em uma das tentativas de infiltração no Estado. Coordenaria uma rede de tráfico de drogas da Região Metropolitana para a Região Central.

Adriano Pacheco Espíndola, o Baiano, 29 anos Tem 33 anos de condenações, com penas a cumprir até 2038. São duas condenações por homicídios. Apontado pela polícia como líder da quadrilha dos Primeira, no bairro Restinga, zona sul de Porto Alegre, esteve envolvido nos conflitos entre grupos rivais pelo controle de pontos de tráfico na região.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.