"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

A bárbara lógica civilizacional do politicamente correto

A bárbara lógica civilizacional do politicamente correto:



barbie.jpg
"O politicamente correto é um sinal do que pode vir a ser um Ocidente em declínio: uma aglomeração paroquial de pequenos lóbis identitários, em disputas absurdas, sob a vigilância de um poder despótico. Parece que era assim Bizâncio antes da conquista muçulmana". Texto de Rui Ramos, publicado no Observador:


Dia sim, dia não, o “politicamente correcto” faz prova de vida: mais um escândalo, mais uma proposta. Pode ser a propósito de um anúncio, de alguma coisa que alguém disse, ou de um velho costume ou expressão. As universidades americanas estão geralmente na vanguarda, por vezes numa espécie de exercício de auto-caricatura. De facto, para os seus promotores tudo é extremamente sério. É essa a primeira característica da tendência: a falta de humor. Não admitem uma brincadeira, não reconhecem uma estupidez: tudo é tremendo — a cor de uma fralda, um pormenor num manual escolar.

O politicamente correcto é uma tendência quase exclusiva das sociedades ocidentais. Explora supostamente as discriminações a que estiveram sujeitos os que não eram homens brancos heterossexuais. Por esse lado, tem um problema: não há hoje, em posição de influência, quem promova segregações raciais, sexuais ou de género. É para resolver este problema que o politicamente correcto passa do texto à nota de rodapé, da superfície ao subsolo, do dito à intenção, do explícito ao pressuposto, do presente ao passado. O cidadão defende a igualdade, mas comprou uma barbie à filha: é machista. Não há inocentes.

O politicamente correcto é geralmente definido, e com razão, pela sua promoção por grupos e personalidades da esquerda radical, que por aqui compensam frustrações revolucionárias. Mas há, para além dessa conotação partidária, uma lógica civilizacional que talvez importe descrever. A paixão do politicamente correcto parece ser a “igualdade”. De facto, o seu verdadeiro sentido é o da contestação da igualdade democrática, assente na inclusão dos indivíduos na nação ou na sociedade enquanto cidadãos. Para o politicamente correcto, não há nação nem cidadania, mas uma desmultiplicação infinita de identidades através de grupos de queixa e lóbis, todos determinados em obter reparações e privilégios do Estado. O desenvolvimento da sigla LGBT, com cada vez mais letras do alfabeto, é um exemplo. Não há maioria, só minorias. De cada indivíduo, espera-se que se deixe diluir no grupo e que passe a identificar-se apenas pela causa que define o grupo (sexual, racial, etc.). O seu objectivo, a partir daí, deve ser “representar” a tribo, preencher a quota, e não valer por si. Na prática, o politicamente correcto não supõe a “igualdade”, mas uma sociedade atomizada em castas, mesmo que ainda não seja totalmente clara a hierarquia dessas castas.

A crer nos apóstolos do politicamente correcto, o passado foi um horror e a sua memória e os seus monumentos deviam ser abolidos. Mas o presente, apesar de constantes “vitórias”, não é melhor: nunca o racismo foi tão grave, nunca a homofobia foi tão alta, nunca a misoginia foi tão aguda. Não há progresso. Porquê? Porque as pessoas, deixadas em liberdade, tendem ao erro e à malícia, como outrora tendiam ao pecado. Há sempre uma piada reveladora, um gesto sintomático. O problema é, portanto, a liberdade. O politicamente correcto tem assim de pressupor um poder absoluto, capaz de fiscalizar todas as relações, de modo a extirpar todos os preconceitos e impurezas, tenham a forma de um piropo ou de uma cortesia. Por enquanto, vai havendo a caça às bruxas nas redes sociais.

Há ainda um aspecto significativo: de todas as tendências ocidentais, esta é a única que não tem aspirações universais. Os seus defensores, que combatem a separação entre brinquedos para meninos e meninas, nada têm a dizer sobre a segregação dos sexos nas comunidades islâmicas. A barbie indigna-os, mas a burqa não lhes diz nada. O politicamente correcto é um sinal do que pode vir a ser um Ocidente em declínio: uma aglomeração paroquial de pequenos lóbis identitários, em disputas absurdas, sob a vigilância de um poder despótico. Parece que era assim Bizâncio antes da conquista muçulmana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.