"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

14 de Setembro de 1925: Exposição em Paris revela o surrealismo ao mundo

14 de Setembro de 1925: Exposição em Paris revela o surrealismo ao mundo:

É aberta em 14 de Setembro de 1925, em Paris, a primeira exposição surrealista. Max Ernst, Pablo Picasso, André Breton, Joan Miró, Man Ray, Marcel Duchamp, Salvador Dali, Giorgio de Chirico e outros revelam ao público uma pintura fortemente inspirada nos desenvolvimentos da psicanálise.

O surrealismo foi desenvolvido a partir do movimento dadaísta da I Guerra Mundial e o mais importante centro do movimento foi Paris. Nos anos 1920, o movimento  difundiu-se em todo o mundo e acabou por influenciar as artes visuais, literatura, cinema, música e línguas, bem como o pensamento e a prática política, filosófica e teoria social.

Durante a I Guerra Mundial, André Breton, que viria a ser o líder dos surrealistas e tinha formação em medicina e psiquiatria, serviu num hospital neurológico. Lá, ele usou os métodos da psicanálise de Sigmund Freud com os soldados em estado de choque.

De volta a Paris, Breton lançou o jornal literário Littérature  em colaboração com Louis Aragon e Philippe Soupault. Começaram a experimentar a “escrita automática”, escrevendo os seus pensamentos de forma espontânea e sem censura, bem como relatos de sonhos. Breton e Soupault analisaram em profundidade “o automatismo” e escreveram Les Champs Magnétiques em 1919. Outros artistas juntaram-se ao grupo, acreditando que o “automatismo” era a melhor táctica para as mudanças sociais aos valores vigentes.
O surrealismo defendia a ideia de que expressões comuns eram vitais e importantes, mas que se devia estar aberto a toda a gama de imaginação segundo a dialética hegeliana. Levavam em conta também a dialética marxista e os trabalhos de teóricos como Walter Benjamin e Herbert Marcuse.

O trabalho de Freud com livre associação, análise de sonhos e do inconsciente foi da maior importância para os surrealistas no desenvolvimento de métodos para libertar a imaginação.
O grupo teve como objectivo também revolucionar a experiência humana, incluindo a pessoal, aspectos culturais, sociais e políticos, libertando as pessoas do que eles viam como falsa racionalidade e costumes restritivos e estruturais.
Breton proclamou, o verdadeiro objectivo do surrealismo é "viva a revolução social, e em paz!". Por esse objectivo, várias vezes os surrealistas foram vistos como comunistas e anarquistas.
Pouco depois de lançar o primeiro Manifesto Surrealista de 1924, os surrealistas publicaram a edição inaugural da revista La Révolution Surréaliste, que durou até 1929. Pierre Naville e Benjamin Péret eram os editores e a publicação foi concebida no formato da revista científica La Nature. A revista além do texto incluía reproduções de arte, entre elas obras de Chirico, Ernst, Masson e Ray.
Em 1925 formou-se um grupo surrealista autónomo em Bruxelas. O grupo incluía o músico, poeta e artista ELT Mesens, o pintor e escritor René Magritte, Paul Nougé, Marcel Lecomte, Camille Goemans, e André Souris. Em 1927, juntaram-se ao poeta Louis Aragon. No mesmo ano, Goemans e Magritte mudaram-se para Paris e frequentaram o círculo de Breton. Os artistas, com as suas raízes no dadaísmo e no cubismo, na abstracção de Wassily Kandinsky, no expressionismo, e no pós-impressionismo, também chegaram à chamada arte primitiva e “naif”.
Um exemplo notável da linha usada pelos críticos para distinguir o dadaísmo do surrealismo é a comparação entre as obras de Ernst Little Machine Constructed by Minimax Dadamax in Person de 1925, com Le Baiser de 1927. No primeiro trata-se de  um subtexto erótico, enquanto o segundo apresenta um acto erótico aberto e directo.




Fontes: Opera Mundi
wikipedia (imagens)
Andr%C3%A9_Breton_1924.jpg
André Breton 1924
The_Elephant_Celebes.jpg
The Elephant Celebes - Max Ernst
La_Revolution_Surrealiste_cover.jpg


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.