"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

CORONEL DA PM DO RS DIZ A VERDADE SOBRE JUDICIÁRIO E MINISTÉRIO PÚBLICO E IRRITA "INSTITUIÇÕES"





06 outubro 2017 - 20:31

Vídeo em que coronel critica MP e Judiciário ao prender menor pela segunda vez irrita instituições no RS

Órgãos dizem que menor foi liberado pela própria Polícia Civil nas duas oportunidades

O Ministério Público, o Poder Judiciário e a entidade de classe dos juízes gaúchos emitiram notas, nesta sexta-feira, depois que viralizou, nas redes sociais, um vídeo em que o coronel da Brigada Militar Paulo Ricardo Quadros desabafa após prender, por duas vezes em uma mesma semana, um mesmo adolescente na cidade de Guaíba. Nas imagens, Quadros questiona: “Cadê o Poder Judiciário? Cadê O Ministério Público? Cadê o juiz da Infância e Adolescência? Ele está esperando morrer um inocente? É isso que o juiz está esperando, para depois a Brigada ter que dar explicação porque morreu um inocente? A responsabilidade é do juiz da Infância e da Adolescência, por esse menor estar na rua”, exclamou.

O menor aparece de costas, ao lado de um adulto. Com a dupla, foram apreendidas duas pistolas, um carregador, 400 cartuchos, balança de precisão e quantidade de cocaína não revelada. No domingo passado, o menor havia sido apreendido com uma pistola .380 e liberado em seguida.

O Ministério Público declarou, em nota, que considera a postura do coronel incompatível com a função que exerce. O órgão ainda promete encaminhar uma representação contra o oficial à Corregedoria da Brigada Militar. O MP garante que não tomou conhecimento das apreensões e solturas do menor, e esclarece que a Promotoria de Guaíba solicitou à Delegacia de Polícia cópia da documentação “a fim de fazer o devido encaminhamento para apuração dos ilícitos praticados e punição tanto do adolescente como dos adultos envolvidos, que responderão, respectivamente, nas esferas do Juizado da Infância e Juventude e Criminal”.

O Tribunal de Justiça também emitiu esclarecimento alegando que “em nenhum momento o Poder Judiciário foi comunicado da apreensão do adolescente, tampouco foi encaminhado ao Juizado da Infância e Juventude qualquer expediente” relativo ao adolescente filmado pelo coronel. Segundo o TJ, o menor foi liberado e entregue aos responsáveis, em ambas as ocasiões, pela própria Delegacia de Pronto Atendimento de Canoas. No texto, o Judiciário defende que, antes de fazer críticas “superficiais”, o coronel se informe melhor sobre o que fala.

Discurso ‘moralista’

Já a Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris) esclareceu que, na primeira apreensão do adolescente, não houve apresentação ao Poder Judiciário. Conforme a Escola Superior da Magistratura, o adolescente foi liberado pela própria Delegacia de Polícia nas duas oportunidades. ”A incitação feita pelo coronel contra o Poder Judiciário é inaceitável. Repetimos: não houve nenhuma atuação judicial no que diz respeito à liberação do adolescente, e, por isso, sua afirmação é falsa”, assevera o texto.

“Se nem mesmo o coronel cumpre a Lei, visto que a exibição humilhante do adolescente contraria disposições claríssimas do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), fica difícil crer na sinceridade de seu discurso moralista, exceto se o seu objetivo é, desgarrado da verdade dos fatos, angariar algum tipo de apoio popular, achincalhando as instituições”, complementa a Ajuris. A entidade garante que vai enviar ofício ao secretário da Segurança Pública, Cezar Schirmer, cobrando a responsabilização do oficial.

Já a Brigada Militar informou que “a fala do coronel trata-se de uma percepção absolutamente pessoal, sem qualquer vínculo com os ideais e as concepções” da tropa. A BM também reforça a missão de “garantir o Estado Democrático e de Direito, respeitando a independência dos Poderes e as instituições”.

Pelo governo, a Secretaria da Segurança Pública informou que cabe à Brigada Militar se manifestar sobre o caso – o que já ocorreu – e à Corregedoria do órgão avaliar o comportamento do coronel.

FONTE DA NOTÍCIA - "RÁDIO GUAÍBA do B"

Um comentário:

  1. Como sempre, a justiça fica se esquivando para não assumir responsabilidades. Ele usam o ECA para justificarem a soltura de jovens bandidos. Se queremos moralizar o País,...
    Abaixo o ECA! Pelo fim da maioridade penal!

    ResponderExcluir

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.