"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

PESQUISA PARA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA


VAGABUNDO PETISTA perde mais uma no TRF-4


Lula perde mais uma no TRF-4:

A 8ª Turma do TRF-4 negou hoje, por unanimidade, um pedido de exceção de suspeição contra o juiz federal Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, movido pela defesa de Lula.

Fica, Zanin! #ficazanin

The post Lula perde mais uma no TRF-4 appeared first on O Antagonista.

Lula e a república dos juízes

lula%2Binst%2Bindep.jpg

Artigo de Álvaro Vargas Llosa

Instituto Independiente,

El Tribunal Regional Federal de la 4ta. Región -corte de segunda instancia en Porto Alegre- acaba de confirmar la culpabilidad de Lula da Silva, el ex presidente brasileño, ampliando su pena de cárcel de nueve a 12 años. Aunque todavía puede solicitar diferir la aplicación de la medida o pedir el amparo del Supremo Tribunal Federal, la trayectoria que lleva su proceso, uno de varios en marcha, apunta a que el político brasileño no podrá ser candidato a las elecciones en octubre de este año. Porque, como es sabido, la condena judicial en segunda instancia impide su candidatura.

Quienes leen, a vuelo de pájaro, los titulares de las noticias internacionales podrían tener la impresión de que se está cometiendo con Lula una injusticia. Después de todo, parece poca cosa que se lo acuse de haber recibido un departamento a cambio de favores políticos para la constructora OAS sin que haya documentos que prueben que él fue es el propietario directo o indirecto de ese tríplex del litoral paulista. Parece poca cosa, digo, en comparación con la gargantuesca corrupción de Lava Jato, ese masivo intercambio de sobornos por contratos de obra pública que tuvo a Petrobras como la cabeza de la araña durante los gobiernos de Lula y Dilma Rousseff. Es importante que quienes tienen esa superficial lectura de lo que sucede con Lula comprendan, independientemente de su ideología o sus simpatías y antipatías, que el ex presidente es visto por policías, fiscales y jueces que llevan investigando el caso desde 2014 como la pieza más importante del rompecabezas. Por eso, además de la acusación de soborno relacionada con el departamento, los jueces aceptaron en todo este tiempo procesarlo por cinco denuncias hechas por los fiscales, a lo que hay que sumar otras dos acusaciones más recientes. Pueden venir varias más y, en todo caso, que la del dichoso tríplex sea la causa que está acaparando los titulares por tratarse del proceso más avanzado no desmerece la gravedad de la responsabilidad, y casi con toda seguridad culpabilidad, del ex mandatario en diversos aspectos medulares del tinglado de corrupción. Es algo que el paso del tiempo -a medida que los otros procesos avancen- irá dejando más claro.

En cierta forma los jueces del Tribunal de Porto Alegre que acaban de ampliar la sentencia que había dado el tribunal del famoso juez Sergio Moro en Curitiba ya lo adelantaron esta semana al justificar su decisión. Uno de los tres jueces, Joao Pedro Gebran Neto, por ejemplo, dijo que Lula fue “uno de los artífices, si no el principal” del esquema de contratos corruptos de Petrobras; otro de ellos, Leandro Paulsen, explicó que no se juzga a Lula por ser un político o pensar de determinada manera sino por sus delitos, añadiendo la reflexión perfectamente lógica de que el hecho de haber sido Presidente es muy grave por la “desestabilización” de la democracia brasileña. No hay mayor prueba de eso que el trauma que viven los brasileños desde 2014, cuyos efectos son la pérdida de credibilidad de todos los partidos (hay casi 30 representados en el Congreso) y el clima de revuelta popular que de tanto en tanto amenaza con barrerlo todo. Hubo incluso una destitución presidencial, no lo olvidemos.

Entendamos bien que Lula, el hombre humilde de Pernambuco que inició su carrera sindical en San Bernardo do Campo, en el estado de Sao Paulo y llegó a la Presidencia de su país tras tres intentos frustrados, no está siendo juzgado por su fascinante biografía, sus ideas, su trayectoria o su gestión presidencial. Creer eso -o decirlo- es tener una falta de respeto insultante por los brasileños pobres. Porque son ellos las peores víctimas de la corrupción, de un sistema que, a cambio de distribuir dinero a la población en tiempos de abundancia, se da a sí mismo una licencia para convertir la creación de riqueza, el acceso al poder y el ascenso social en un comercio excluyente y vil que hace escarnio de la legalidad, la igualdad ante la ley, el estado de derecho, la democracia y la neutralidad como principio del Estado. Causa histórica, hay que añadir, de que Brasil siga siendo un país subdesarrollado.

Que un ex tornero formado en el sindicalismo y fundador del Partido de los Trabajadores que desde el poder amplió los programas sociales heredados de su antecesor haya sido el centro neurálgico de una vasta práctica de corrupción no es una atenuante, como creen los que aún ven a Lula como un Cristo, sino una agravante. Porque representa una traición contra el medio social en el que se crió y formó: un medio que no estaría como está si no hubiera sido porque los políticos y sus compinches, los empresarios corruptos, los mantuvieron secularmente en esa condición al impedir durante tanto tiempo el surgimiento de instituciones estatales y privadas fuertes, y de una economía competitiva y moderna.

Lula y sus partidarios, quienes lo tienen encabezando las encuestas con más de 30% de cara a unas elecciones en las que casi con toda seguridad no podrá participar, creen que repartir dinero a los pobres justifica cobrárselo a los ricos a cambio de oportunidades de negocio. Así piensan, por cierto, tantos populistas -de izquierda o derecha- en medio mundo. La idea es que la corrupción adquiere derecho de ciudad y validez moral, y por tanto deja de ser corrupción, si es disimulada bajo un sistema distributivo asistencialista. Si ese sistema, como fue el caso entre 2003 y 2010, los años del gobierno de Lula, coincide con un periodo de bonanza internacional relacionada con las materias primas y por tanto con un ciclo virtuoso de inversión, crecimiento y empleo, la justificación de la corrupción es todavía mayor. Así, el sentido de la moral pública cambia por completo, de manera que lo único que importa para ser juzgado en términos éticos no es ser probo o corrupto, sino distribuir o no distribuir. El silogismo es sencillo: si yo reparto dinero a los demás soy un hombre moral, y como Presidente saqué de la pobreza a 30 millones repartiendo dinero, por tanto yo soy un hombre moral.

En otros lugares y tiempos, no era el asistencialismo lo que determinaba la moralidad pública sino la ideología o la doctrina. Durante otro de los grandes procesos contra la corrupción en la época contemporánea, conocido como “Manos Limpias” y ocurrido en Italia, Bettino Craxi, el líder socialista, y los jerarcas de la Democracia Cristiana justificaron sus desfalcos y tropelías con el argumento de que habían favorecido a los más necesitados o de que habían dado estabilidad democrática a su país tras la Segunda Guerra Mundial (o, incluso, de que habían impedido el comunismo de estirpe estalinista). La acción política entendida como dispensa moral es una característica del corrupto.

Si Lula quiere plantear la discusión en términos de gestión política, también sale mal parado aunque muchos brasileños tengan un buen recuerdo. El sistema populista y mercantilista, basado en un gigantesco gasto fiscal, en el cual para hacer negocios dentro o fuera del país había que intercambiar favores crematísticos por favores políticos (estos últimos incluían, además de contratos con el Estado, el uso de BNDES, banco de desarrollo gubernamental, para financiar a las empresas cercanas al poder), demostró su falacia una vez que el contexto internacional cambió. A los años de crecimiento y bonanza siguieron los del desastre económico que empezó a vivirse en Brasil a finales de 2014 y que, a pesar de repunte lento que tiene lugar desde hace varios meses, todavía lastran al país. A diferencia de países latinoamericanos con sistemas más abiertos y menos estatistas, que siguieron creciendo más lentamente tras el fin de la bonanza de los “commodities”, Brasil se encogió dramáticamente, devolviendo a un sector que había accedido a la clase media a una condición de desamparo. A otros los dejó angustiosamente sobreendeudados tras el festín consumista propiciado por los incentivos del gobierno.

Todo esto habría bastado para colocar la gestión de Lula en su justa dimensión, que no es la mítica que tiene para los muchos seguidores del Partido de los Trabajadores y por millones de brasileños beneficiados por los programas sociales. Pero, coincidiendo con ese retorno a la realidad, estalló el caso Lava Jato, que al comienzo era un asunto menor relacionado con el abastecimiento de algunas estaciones de lavado de autos pero que, tras la detención de Paulo Roberto Costa, ex encargado de tratar con los proveedores en Petrobras, pasó a convertirse en la sensación que ha sido en estos últimos años. Brasil y el mundo descubrieron entonces que, además de un sistema económicamente fracasado, el “lulapetismo” era integralmente corrupto. Ya había indicios significativos, pues en el primero de los dos gobiernos de Lula había estallado el caso del “mensalao”, los pagos a congresistas para votar a favor del gobierno. Pero sólo el avance de las investigaciones permitió apreciar la magnitud de la inmoralidad que anidaba en el “lulapetismo” y abarcaba también a otros partidos, empezando por el que hoy gobierna, Partido del Movimiento Democrático Brasileño, durante años aliado del PT, y en menor medida al opositor Partido de la Social Democracia Brasileña.

En esa cueva oscurísima, una vela dio algo de luz: el sistema jurisdiccional. Brasil pasó a ser, de la mano de Sergio Moro y otros magistrados (y fiscales), la república de los jueces, que ocuparon un espacio institucional, moral y público desproporcionado. Un espacio que en circunstancias normales habría sido malsano (quizá imposible). En estas circunstancias, el que así fuera probablemente ayudó a impedir que se viniera abajo la democracia o que la ira popular dejase a la república tan malherida que esa democracia ya no fuera capaz de funcionar de una forma mínimamente razonable.

A punta de delaciones premiadas (irónicamente, una reforma sancionada por Dilma), cárcel preventiva para impedir fugas o manipulaciones de pruebas, y filtraciones a la prensa, los jueces mantuvieron a salvo la democracia -la república- y llevaron a Brasil al lugar convaleciente donde está hoy, a pocos meses de las elecciones. La pregunta es si todo ese esfuerzo de higiene pública -que ha llevado a decenas de empresarios y políticos a prisión y mantiene a muchos más bajo investigación o proceso- se desmoronará con la candidatura populista, a hombros de sus seguidores, de Lula da Silva o si la justicia prevalecerá contra él y, a partir de los comicios de octubre, se iniciará una siguiente etapa, más normal, en la que será posible para los jueces volver a su sitio y a las demás instituciones empezar a ocupar plenamente el suyo. Tiendo a creer que lo segundo es hoy bastante más probable que lo primero y que esa es una muy buena cosa para ese país.

O ESTADO DE SP - "A farsa etíope"

lulafarsa-1024x691.jpg
A farsa etíope:

José Nêumanne

31 Janeiro 2018 | 18h20

Não havia reunião nenhuma em Adisabeba, com participação de Lula, e Etiópia não tem acordo de extradição com o BrasilOs experientes jornalistas Carlinhos Brickmann, em seu site Chumbo Gordo, e Augusto Nunes, na Rádio Jovem Pan e no site da Veja, deram a espantosa notícia, revelada no site da FAO, de que não havia, não há nem haverá reunião em Adis Abeba para a qual Lula teria sido convidado para falar, viajando oportunamente um dia após sua condenação pela segunda instância, ou seja, fato consumado, para a Etiópia, país com o qual o Brasil não tem acordo de extradição. A oportunosa ensancha consagra a vocação de mentiroso de Lula e a disponibilidade serviçal de seus asseclas, entre estes José Graziano, que foi seu ministro e hoje é presidente da FAO. A tal reunião ocorrerá de fato no fim de fevereiro em Cartum, no Sudão. Isso explica a rapidez com que a Justiça apreendeu seu passaporte a batida geral de pino no STJ, que lhe negou habeas corpus, e no STF, que de repente perdeu a vontade de impedir a sua prisão após condenação em segunda instância. Este foi um dos assuntos do dia comentados por mim no programa Estadão às 5, apresentado por Adriana Ferraz, transmitido do estúdio da TV Estadão no meio da redação do jornal e retransmitido pelas redes sociais Youtube, Periscope Estadão, Twitter e Facebook na quarta-feira 31 de janeiro de 2018, às 17 horas.

Exército realiza hoje cerimônia de despedida do General Mourão

Exército realiza hoje cerimônia de despedida do General Mourão:

10%2B%25281%2529.jpg
Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Nesta manhã, o Exército realiza uma cerimônia de formatura de despedida do General Antonio Hamilton Martins Mourão. O general Mourão aguarda a transferência para a reserva - a aposentadoria dos militares. Mourão tornou-se conhecido ao defender que o Exército deve agir caso as instituições não cumpram seu papel. Na reserva, ele fica livre para entrar para a política, caso o deseje. 
Mais informações »


Prophet Isaiah (Lorenzo Monaco, c. 1405-1410)

tumblr_p3ccylDQ3P1qldolwo1_500.jpg

Prophet IsaiahLorenzo Monaco, c. 1405-1410:

Prophet Isaiah

Lorenzo Monaco, c. 1405-1410

Lula no BBB


Lula no BBB:

Lula é fuzilado até no BBB.

Uma concorrente petista foi eliminada no primeiro paredão do programa e berrou “Fora Temer”.


The post Lula no BBB appeared first on O Antagonista.

ALERTA TOTAL - O Partido dos Trabalhadores e a Democracia

539.jpg

O Partido dos Trabalhadores e a Democracia:

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net
Por Osmar José de Barros Ribeiro

Em janeiro de 1979, no Colégio Salesiano de Lins/SP, um congresso de metalúrgicos convocou os trabalhadores brasileiros à formação do Partido dos Trabalhadores (PT), concretizada em janeiro do ano seguinte. Na ocasião, Luiz Inácio Lula da Silva já pontificava como líder dos sindicalistas e depois do próprio Partido, resultado da união de operários da indústria automotiva, professores e intelectuais marxistas, religiosos ligados à Teologia da Libertação, comunistas de distintas linhas ideológicas e outros.

O PT tem, como norte, a transformação da sociedade utilizando todos os meios de pressão: da atividade parlamentar à agitação nos meios rurais e urbanos. Após uma primeira fase, quando se apresentava como paladino da moralidade e da ética na política, o PT adotou os princípios orientadores do gramscismo, muito embora não abandonasse os da “violência libertadora” preconizados pelo MST e MTST, organizações sem existência legal, mas que nem por isso deixam de receber vultosas verbas dos cofres públicos.

Em 1989 caia o Muro de Berlim e, dois anos mais tarde, deixava de existir a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Os próceres do comunismo, prevendo tal desfecho, trataram de buscar uma solução. E ela estava bem à vista: Cuba que, sem o declinante apoio soviético, via-se em palpos de aranha para continuar existindo, além de ser dominada por alguém que gozava de prestígio junto aos partidos de esquerda nas Américas Central e do Sul. Havia que encontrar uma organização que pudesse e desejasse colocar-se às ordens de Fidel Castro. E ela também já existia, o PT, dirigido por Lula, gozando de prestígio junto a círculos políticos do Brasil.

Fidel, em 1990, encontrou-se com Lula na cidade de São Paulo e traçaram as linhas mestras do que viria a seguir. Naquele ano, o PT convocou uma conferência de partidos políticos e organizações de esquerda das Américas, inclusive aquelas ligadas ao narcotráfico. Foi o pontapé inicial para a criação do que logo seria conhecido como Foro de São Paulo (FSP) e que hoje se define como sendo uma organização empenhada em alcançar o controle das instituições governamentais em todos os níveis e a criação de uma “opinião pública” que se contraponha à orientação moral e intelectual em vigor na sociedade.

Diferentemente do comunismo soviético, o Foro aceita tanto os meios financeiros (que ele denomina de “mercado”) quanto a democracia representativa, sem que isso exclua uma estratégia própria que objetiva superá-los, de forma a “democratizar a democracia burguesa” e fazê-la funcionar a favor dos seus interesses.

O PT, durante seus 13 anos de poder, não descurou da busca de transformações sociais. Internamente, defende que a soberania pertence ao povo, segundo um processo no qual setores organizados exerceriam a gestão da política, da economia e da cultura, buscando superar a “democracia liberal burguesa” através a criação de Conselhos Populares, verdadeiros Sovietes. Externamente, juntamente com Cuba, Venezuela e Bolívia, os governos petistas não perderam de vista a busca da integração latino-americana e a difusão das ideias comunistas, o fortalecimento das relações com países africanos, mediante incremento de trocas bilaterais e acordos de ajuda mútua. Tais providências, aliadas a uma corrupção desbragada, levaram ao desastre a economia brasileira.

Os fatos resultantes do julgamento de Recursos de Lula no TRF-4, com ameaças de baderna caso venha a se concretizar a prisão do ex-presidente, são a prova do amor petista pela democracia.

Osmar José de Barros Ribeiro é tenente-coronel reformado do Exército.

31 de Janeiro de 1797: Nasce o compositor austríaco Franz Schubert

Franz_Schubert_by_Wilhelm_August_Rieder.

Retrato de Franz Schubert -   1825


31 de Janeiro de 1797: Nasce o compositor austríaco Franz Schubert:

Compositor austríaco, nasceu a 31 de janeiro de 1797, em Himmelpfortgrund, perto de Viena, na Áustria, e morreu a 19 de novembro de 1828, em Viena. Foi o responsável pela ligação entre a música clássica e a romântica e ficou célebre pela harmonia e pela melodia das suas canções e música de câmara.Começou a estudar música na capela da Corte de Viena, com Wenzel Ruzicka, e, mais tarde, foi admitido no Conservatório. Nessa altura compôs várias peças, nomeadamente Fantasia For Piano Duet e a célebre Gretchen am Spinnrade (1814), extraída de Fausto de Goethe. Depois, estudou com Salieri, com quem aperfeiçoou a técnica de composição. Passadas algumas desventuras, voltou a dedicar-se à composição e, a partir daí, a sua produção artística foi sempre aumentando. No entanto, poucos contemporâneos se aperceberam da grandeza do seu génio. Enquanto viveu, a sua obra teve uma projeção muito reduzida, até porque uma parte considerável permaneceu inédita. Só no final do século XIX é que foi publicada uma edição das suas obras, a Gesamtausgabe, em Leipzig, e só em 1950 foi publicado o seu catálogo completo, o Thematic Catalogue, em Nova Iorque.Atualmente, Schubert encontra-se colocado entre os maiores compositores de todos os tempos. Juntamente com Mozart, constitui o exemplo da criação musical entendida como essência sonora da poesia. Entre as suas composições mais famosas encontram-se as sinfonias N.º 4 in C Minor, que Schubert intitulou de Tragic (1816), a N.º 5 in B Flat Major (1816), a N.º 7 in E Flat Major (1817), a N.º 11 in B Major (1817) e a Symphony in C Major (Great) (1828); as peças para piano Die Zauberharfe (1820), Rosamunde (1820), Piano Sonata in C Major (Grand Duo) (1824), Variations on an Original Theme in A Flat Major (1824) e Fantasy in F Minor (1827).
Franz Schubert. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014.
wikipedia (imagens)

File:Moritz von Schwind Schubertiade.jpg

 Franz Schubert - Moritz von Schwind


terça-feira, 30 de janeiro de 2018

VAGABUNDO PETISTA MANDA DEFESA EMITIR "Nota" APÓS PAULADA NO STJ


Nota da defesa de Lula:

Os advogados de Lula já divulgaram uma nota em resposta à negação, pelo ministro Humberto Martins, do habeas corpus que tentaram obter no STJ.

Segundo Cristiano Zanin, “a defesa usará dos meios jurídicos cabíveis para fazer prevalecer as garantias fundamentais de Lula, que não pode ser privado de sua liberdade com base em uma condenação que lhe atribuiu a prática de ilícitos que ele jamais cometeu”.

Fica o registro.

The post Nota da defesa de Lula appeared first on O Antagonista.

Cármen reafirma que não pautará no STF prisão após 2ª instância


Cármen reafirma que não pautará no STF prisão após 2ª instância:

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, reafirmou nesta terça-feira que não levará à pauta do STF o julgamento que poderia rever a possibilidade de que réus condenados em segunda instância sejam presos para início do cumprimento da pena.

Em entrevista à TV Globo, Cármen disse que “em primeiro lugar, o Supremo não se submete a pressões para fazer pautas. Em segundo lugar, a questão foi decidida em 2016 e não há perspectiva de voltar a esse assunto”. “Não há pauta sobre isso neste momento. Portanto, não há o que se cogitar neste momento”, continuou a ministra, quando questionada se entende que a questão não deve ser rediscutida no STF.

Em um jantar em Brasília, nesta segunda-feira, Cármen Lúcia declarou que seria “apequenar” o Supremo levar o caso a votação em função de um caso específico, o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado na última quarta-feira pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Os desembargadores da 8ª Turma do tribunal decidiram que Lula poderá ser preso após o julgamento de seus recursos no TRF4.

“Não há agora este assunto para ser pautado. Isso que eu disse. E, portanto, relativamente a um dado específico, não há do que se cogitar agora”, explicou a ministra.

Indagada sobre a possibilidade de um dos ministros levar o assunto ao plenário mesmo fora da pauta, a presidente do Supremo declarou que é “direito do ministro, mas aí é em mesa, não é em pauta”.

Relator das ações movidas pelo Partido Ecológico Nacional (PEN) e o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que pedem a revisão da possibilidade de prisão em segunda instância, o ministro Marco Aurélio Mello declarou a VEJA que não cobrará o STF sobre a inclusão do item na pauta de votação do plenário.

“Em quarenta anos de órgãos colegiados, eu nunca pedi a nenhum presidente para pautar algum processo. A minha parte eu faço, que é liberar para julgamento. Tenho sempre cerca de cinquenta processos liberados, que ficam a critério da presidência para serem pautados”, disse Marco Aurélio, que liberou o caso para julgamento no começo de dezembro.

URGENTE: STJ NEGA HABEAS CORPUS A LULA


Brasil 30.01.18 19:39

Humberto Martins, vice-presidente do STJ, acaba de negar liminar no habeas corpus preventivo impetrado pela defesa do ex-presidente Lula.

Em sua decisão, Martins ressaltou que o TRF-4 deixou claro que a execução provisória da pena só ocorrerá após esgotados os recursos, respeitando a súmula 122.

Além disso, o ministro explicou que “habeas corpus preventivo tem cabimento quando, de fato, houver ameaça à liberdade de locomoção, isto é, sempre que fundado for o receio de o paciente ser preso ilegalmente”.

PUCRS OFERECE "PÓS" COM INTELECTUAIS DA ESQUERDA.

Não é piada: PUCRS lança pós-graduação online em ‘moderna educação’ com Márcia Tiburi e Leandro Karnal
Por Francine Galbier
- 29 de Janeiro de 2018

RS — A Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul lançou uma pós-graduação em “moderna educação”. Entre os professores convidados estão: Márcia Tiburi e Leandro Karnal.

O curso é intitulado: “PÓS-GRADUAÇÃO EM A MODERNA EDUCAÇÃO: METODOLOGIAS, TENDÊNCIAS E FOCO NO ALUNO”. Segundo o site oficial da Universidade, os tema de trabalho serão os discriminados nos nomes, metodologia, tendências e foco no aluno.

Márcia Tiburi é descrita como “Doutora em Filosofia, e uma das maiores pensadoras do Brasil.”, já Karnal é chamado de “Doutor em História, e um dos maiores pensadores do Brasil”. Não é piada, mas poderia ser classificado como propaganda enganosa.

Leandro Karnal, que nunca pensou nada além do óbvio, é apenas um professor de história com crises narcisistas. Enquanto Tiburi não passa de uma fraude com comportamentos fascistoides.

Autora do livro “Como conversar com um fascista”, recentemente provou que ela é a própria fascista e não há dialogo com a “doutora”.

Como uma pessoa dessas pode ser professora de “educação”, quando ela própria não tem nenhuma? (O DIÁRIO NACIONAL)

O BARCO DO TRABALHO


DEFESA DE VAGABUNDO PETISTA TEM 12 DIAS PARA ENTRAR COM EMBARGOS DESINFECTANTES, OU ADSTRINGENTES, OU SEJA LÁ O QUE FOR, NO TRF-4

74554674_FILES-This-file-photo-taken-on-
Defesa do ex-presidente Lula tem até 12 dias para entrar com embargo contra condenação:

SÃO PAULO - O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) publicou, na tarde desta terça-feira, o acórdão da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A defesa do petista terá o prazo de até 12 dias para ingressar com embargos de...

Carmen Lucia tem apoio de 'terra, mar e ar' para não revisar prisão após condenação em segunda instância, diz site

Carmen Lucia tem apoio de 'terra, mar e ar' para não revisar prisão após condenação em segunda instância, diz site:

forcasarmadas.jpg
Imagem: Reprodução / Redes Sociais
A presidente do STF afirmou ontem que rever a prisão após condenação em segunda instância, para salvar o ex-presidente Lula, seria apequenar muito o STFO site O Antagonista relacionou a fala de Cármen Lúcia ao "apoio" das Forças Armadas. 

Mais informações »


PICARETA QUE DEFENDE VAGABUNDO PETISTA LISTA 6 razões para Lula não ser preso


As 6 razões de Zanin para Lula não ser preso:

No HC apresentado ao STJ, Cristiano Zanin e sua equipe elencam seis motivos para Lula não ir em cana em razão da condenação no caso do triplex:

1. Lula “respondeu à ação penal em liberdade, colaborando com a administração da Justiça e comparecendo em Juízo sempre que demandado”.

2. Lula “é primário e de bons antecedentes criminais”.

3. Lula “responde pelo cometimento de crimes não violentos”.

4. Lula “tem 72 anos de idade”.

5. Lula “é ex-presidente da República Federativa do Brasil, tendo exercido o posto de mandatário da nação por duas vezes”.

6. Lula “é pré-candidato à Presidência da República” — motivo este já registrado aqui.





The post As 6 razões de Zanin para Lula não ser preso appeared first on O Antagonista.

COMENTÁRIO DO EDITOR:

7. SÉTIMA RAZÃO PARA NÃO PRENDER LULA - "Se vocês PRENDEREM o Lula ele vai contar tudo que sabe sobre VOCÊS !!!

A íntegra do HC de Lula no STJ

A íntegra do HC de Lula no STJ:

A quem interessar, aqui está a íntegra do HC impetrado por Cristiano Zanin e sua equipe no STJ para tentar livrar o condenado Lula da cadeia.

The post A íntegra do HC de Lula no STJ appeared first on O Antagonista.

FOLHA POLÍTICA - Em habeas corpus de Lula, defesa argumenta que Gilmar Mendes vai mudar seu voto

Em habeas corpus de Lula, defesa argumenta que Gilmar Mendes vai mudar seu voto:

lula-e-gilmar-mendes.jpg
Imagem: Reprodução / Redes Sociais
No habeas corpus que impetrou na data de hoje, a defesa do ex-presidente Lula, condenado a 12 anos e um mês de cadeia e réu em diversos outros processos, argumenta que ministros do próprio Supremo Tribunal Federal vêm desrespeitando a decisão do colegiado que determinou a prisão após condenação em segunda instância. A peça cita votos dos ministros Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello para 'demonstrar' que a decisão colegiada da Suprema Corte não tem efeitos sobre o Judiciário. 
Mais informações »

URGENTE: VAGABUNDO PETISTA VAI AO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA PEDINDO HABEAS CORPUS PARA NÃO SER PRESO

URGENTE: LULA PEDE HABEAS CORPUS NO STJ PARA EVITAR A CADEIA
Brasil 30.01.18 14:36   
A Folha de S. Paulo informa que “os advogados de Lula estão entrando hoje no STJ com um pedido de habeas corpus preventivo para afastar a possibilidade de antecipação de cumprimento da pena a que ele foi condenado, de 12 anos e 1 mês de prisão em regime fechado.”

Rosemary Noronha indica ex-ministro de Dilma e deputado do PT como testemunhas de defesa

Rosemary de Nóvoa Noranha (Foto: Estadão Conteúdo)

Rosemary Noronha indica ex-ministro de Dilma e deputado do PT como testemunhas de defesa:

A ex-chefe do gabinete da Presidência em São Paulo Rosemary Noronha indicou o ex-ministro da Previdência Carlos Gabas e o deputado José Guimarães (PT-CE) como testemunhas de defesa na ação penal que responde na Justiça Federal de São Paulo por associação criminosa, tráfico de influência e corrupção. O processo é desdobramento da Operação Porto Seguro, que desbaratou no final de 2012 um esquema de venda de pareceres técnicos do governo federal, incluindo a Advocacia-Geral da União (AGU). Rosemary ocupava o posto no governo Dilma Rousseff a pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Gabas e Guimarães serão ouvidos, respectivamente, em fevereiro e março. Rosemary é defendida no processo por Vilardi Advogados, requisitada banca de São Paulo em matéria criminal.

Outro réu na ação, o ex-diretor da Agência Nacional de Águas Paulo Vieira arrolou o ex-presidente José Sarney como testemunha de defesa, mas a Justiça não conseguiu intimar o emedebista para a audiência que ocorreria na sexta-feira (26).

>> Cármen Lúcia nega pedido de Rosemary para desbloqueio de bens

'Amiga' de Lula indica ex-ministro de Dilma e deputado 'dólar na cueca' como testemunhas de defesa

'Amiga' de Lula indica ex-ministro de Dilma e deputado 'dólar na cueca' como testemunhas de defesa:

unnamed.jpg
Imagem: Reprodução /  Redes Sociais
A ex-chefe do gabinete da Presidência em São Paulo Rosemary Noronha indicou o ex-ministro da Previdência Carlos Gabas e o deputado José Guimarães (PT-CE) como testemunhas de defesa na ação penal que responde na Justiça Federal de São Paulo por associação criminosa, tráfico de influência e corrupção. O processo é desdobramento da Operação Porto Seguro, que desbaratou no final de 2012 um esquema de venda de pareceres técnicos do governo federal, incluindo a Advocacia-Geral da União (AGU). Rosemary ocupava o posto no governo Dilma Rousseff a pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Mais informações »

EM CAUSA PRÓPRIA


         Diante das últimas manifestações públicas, ousarei supor que a quase totalidade dos políticos e pessoas detentoras de cargos relevantes no cenário nacional está agindo em causa própria, para “salvar seu rabo”.
         Não vejo – na grande maioria dos furibundos com a “perseguição injusta” ao ser mais honesto do planeta, aquele que, inclusive, teve a coragem e a petulância de se comparar a JESUS CRISTO – qualquer viés ideológico, pois, a audácia dos seus virulentos discursos desaparece por completo longe do palanque, sem a proteção dos seguranças contratados.
         Foi assim que assistimos o “valentão” Lindbergh Farias piar fino ao ser confrontado num voo comercial, apenas UM DIA após ter gritado pedindo a desobediência civil do povo brasileiro, e que a mídia dissimulada, a mesma que já está dando notícias com nítida vergonha das mentiras que conta, divulgou iludindo aos fanáticos ou interesseiros.
         Como ele, eu poderia citar a “narizinho”, e tantos outros que, em muito breve – sem mais a guarida de uma absurda imunidade parlamentar – terão dias negros em algum presídio brasileiro. Isto se não – “numa demonstração explícita de coragem” – fugirem para o exterior sob a ridícula fantasia de perseguidos políticos.
         Ah, e o ministro Gilmar Mendes! Depois de haver envergonhado a história jurídica da Suprema Corte, manchando os ensinamentos de verdadeiros mestres que por lá passaram, perdeu a risadinha irônica que mostrou recentemente em Portugal, e foi obrigado a “engolir” as verdades que os passageiros de um voo comercial lhe atiraram. Não – sem antes – de forma covarde, ter tentado amedrontar seus detratores com o autoritarismo de chamar a Polícia Federal. De nada adiantou...
          Deste modo, salta aos olhos a sem vergonhice e o interesse exclusivamente pessoal das virulentas insurgências, pois, cada um quer salvar a sua pele e, de quebra, posar de rebelde junto aos fanáticos capachos que os aplaudem.
         Só que esta rebeldia não passa de um grande teatro, onde os “artistas” representam um papel que somente existe por causa dos rabos presos e receio de um futuro negro.
         Não fosse um resquício de decência, e já seríamos uma filial do país do Maduro.

         Marcelo Aiquel – advogado (29/01/2018)

MODESTO CARVALHOSA - “O governo brasileiro é inteiramente corrupto”

 

Brasil 30.01.18 11:13

O professor Modesto Carvalhosa participou ontem do Roda Viva, que debateu a situação política do Brasil.

Ele foi direto:

“Dizer que há um sistema de integridade no Brasil após essa condenação do Lula não é verdade, porque a integridade não existe no governo brasileiro. O governo brasileiro é inteiramente corrupto.”

O professor continuou:

“Nós vivemos no Brasil uma cleptocracia. Ou seja, o Brasil é governado por corruptos.”

Carvalhosa também fez duras críticas à reforma política aprovada na Câmara:

“O que está acontecendo no Brasil? Você tem partidos que fizeram uma reforma só para pegar dois milhões e botar no bolso. Não houve reforma política nenhuma.”

O assalto à casa do governador de SP que Dilma (Estela,Wanda,Luiza) ajudou a planejar

O assalto à casa do governador de SP que Dilma (Estela,Wanda,Luiza) ajudou a planejar:

A noite estava chegando quando as duas camionetes estacionaram numa ladeira do bairro de Santa Tereza, no Rio

Armados de revólveres e granadas, 11 homens e duas jovens desembarcaram e, em movimentos rápidos, invadiram o casarão onde morava Ana Benchimol Capriglione, amante do ex-governador paulista Adhemar de Barros, famoso pelo bordão “rouba, mas faz”.
Na hora do crepúsculo de 18 de julho de 1969, começava o maior assalto praticado durante a ditadura militar por grupos partidários da luta armada.
Domitila Becker via Augusto Nunes (Veja)
Disfarçados de policiais à caça de documentos considerados subversivos, os invasores se espalharam pela mansão. Enquanto alguns subiam ao segundo andar para localizar o cofre, outros imobilizaram moradores e empregados, furaram os pneus dos carros estacionados na garagem e cortaram as linhas telefônicas.
A operação durou exatamente 28 minutos. E enriqueceu em US$ 2,4 milhões (cerca de R$ 30 milhões em valores atuais) a VAR-Palmares, organização comunista que tinha entre seus mais ativos militantes a universitária mineira Dilma Rousseff.
“A gente achava que o golpe ia ser grande, mas não tinha noção do tamanho”, disse Dilma numa entrevista publicada em 2006.
O cofre de mais de 200 quilos rolou pela escadaria de mármore, foi colocado numa das camionetes e levado até um “aparelho” ─ termo que identifica os endereços onde moravam ou se reuniam os partidários da luta armada ─ em Jacarepaguá.
Ali, com o uso de maçaricos, consumou-se o arrombamento do cofre que fora previamente inundado para evitar que o dinheiro se queimasse. As cédulas secaram depois de estendidas em varais e expostas a ventiladores.
Eram parte da fortuna do ex-governador de São Paulo.
A informação de que estavam sob a guarda da amante foi transmitida à VAR-Palmares por Gustavo Buarque Schiller, um sobrinho de Ana Benchimol que acabara de filiar-se à organização.
Entre os participantes da ação estavam Carlos Minc, deputado estadual e ex-ministro do Meio Ambiente do governo Lula, e Carlos Franklin Paixão de Araújo, segundo marido e pai da única filha de Dilma Vana Rousseff Linhares, ou Estela, ou Wanda, ou Marina, ou Maria Lúcia, ou Luiza.
Embora tenha ajudado a planejar todos os assaltos do grupo, Dilma não figurou entre os invasores do casarão.
Providenciou o armamento, guardou o dinheiro e ajudou a distribuir o produto do roubo.
O assalto foi concebido para evitar a falência financeira da VAR-Palmares, fruto da fusão da  Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), liderada por Carlos Lamarca, com o Comando de Libertação Nacional (Colina), onde Dilma debutou na luta armada aos 20 anos, a convite do primeiro marido, o jornalista Galeno Magalhães Linhares.
“O Colina foi uma das poucas organizações a fazer a pregação explícita do terrorismo”, escreveu o historiador Jacob Gorender, que esteve preso com Dilma no presídio Tiradentes, em São Paulo.
O destino dos US$ 2,4 milhões permanece envolto em mistério.
Uma das versões mais difundidas garante que vários militantes receberam US$ 800 cada um “para emergências” e cerca de US$ 1 milhão foi consumido na aquisição de armas e carros, no pagamento do aluguel dos aparelhos e na compra de áreas para adestramento de guerrilheiros.



terralink



O embaixador da Argélia no Brasil, Hafif Keramane, foi contemplado com mais US$ 1 milhão para continuar fazendo a ponta com os militantes exilados.
Outros US$ 250 mil foram depositados em contas secretas da Suíça e, posteriormente, divididos entre os remanescentes da VAR-Palmares.
No livro “A Ditadura Escancarada”, o jornalista Elio Gaspari informa que o cofre do Adhemar permitiu que parte da cúpula da VAR-Palmares deixasse de vagar por pequenas casas de subúrbio e se instalasse numa chácara em Jacarepaguá, equipada com carro estrangeiro e falso motorista.
A fortuna precipitou a desunião. Três meses depois da mais lucrativa ação desde o início da luta armada, a VAR-Palmares foi rachada ao meio. Carlos Araújo e Dilma se juntaram aos companheiros da Vanguarda Armada Revolucionária (VAR), liderada por Antonio Espinosa.
Os militantes fieis a Lamarca ressuscitaram a VPR. Consumada a ruptura, Dilma foi encarregada de encontrar em São Paulo um abrigo seguro para o arsenal da VAR. Nesse tempo, a mulher de Carlos Araújo dividiu um quarto de pensão com Maria Celeste Martins na Avenida Celso Garcia, na Zona Leste. O banheiro era coletivo e as acomodações bastante precárias.
“Eu e a Celeste entramos com um balde”, contou Dilma numa entrevista à revista Piauí de abril de 2009. “Eu me lembro bem do balde porque tinha munição. As armas, nós enrolamos em um cobertor. Levamos tudo para a pensão e colocamos embaixo da cama.
Era tanta coisa que a cama ficava alta. Era uma dificuldade para nós duas dormirmos ali. Muito desconfortável”. A ex-ministra continua: “Os fuzis automáticos leves, que tinham sobrado para nós, estavam todos lá. Tinha metralhadora, tinha bomba plástica. Contando isso hoje, parece que nem foi comigo”. Presa no início de 1970 com documentos falsos e armas de fogo, Dilma ficou três anos na cadeia.
A história de outros participantes do roubo foi resgatada pelo Grupo Tortura Nunca Mais: João Domingos da Silva morreu em setembro de 1969, depois de submetido a sucessivas sessões de tortura. Em abril do ano seguinte, quando o carro que dirigia foi cercado pela polícia, Juarez Guimarães de Brito matou-se com um tiro na cabeça. Gustavo Buarque Schiller atirou-se de um edifício em Copacabana em 22 de setembro de 1985.
Ana Capriglione e os herdeiros do governador nunca reivindicaram os milhões furtados.
Os descendentes da guardiã da fortuna continuam jurando que o cofre estava vazio.

Editorial do Estadão: A esquerda e o esquerdismo



Editorial do Estadão: A esquerda e o esquerdismo:

Se o brasileiro que se considera de centro não tem ainda uma candidatura presidencial que represente seus ideais mais caros, como constatamos neste espaço no domingo retrasado (ver Um vazio a ser preenchido), o eleitor que defende os ideais da esquerda democrática tampouco tem melhor sorte.

Não há hoje, na ampla oferta de candidatos e partidos do chamado campo “progressista” que almejam o poder, nenhum que rejeite toda e qualquer ditadura, que preze a Constituição e que consiga superar seus limites ideológicos radicais para se apresentar como governante de todos os brasileiros, e não apenas da patota. Ao contrário, os partidos mais proeminentes entre os que se dizem de esquerda fazem campanha sistemática contra as instituições democráticas, como se estas fossem instrumentos de uma guerra política das “elites” contra o “povo”. Segundo esse ponto de vista, nenhuma derrota política que essa turma tenha sofrido ou venha a sofrer é aceitável, pois só pode ser resultado de um complô contra os interesses do “povo” ─ de quem o PT, o PSOL e quejandos se consideram os únicos e legítimos intérpretes. Afinal, sua teoria e prática conseguem ser ainda mais vazias que a da desusada luta de classes.

O caso do PT é o mais óbvio. A insurgência do partido contra as instituições não começou agora, em razão das vicissitudes judiciais de seu poderoso chefão, Lula da Silva, mas há muito tempo, praticamente desde a sua fundação. Quando o PT estava na oposição, não houve um único presidente da República contra o qual o partido não tenha feito campanha pelo impeachment. Uma vez no poder, o PT tratou de desmoralizar a política institucional, ao remunerar parlamentares em troca de votos e ao financiar partidos associados e a si mesmo com dinheiro desviado de estatais. De volta à oposição, por força do impedimento da presidente Dilma Rousseff, o PT seguiu em sua campanha de desmoralização das leis e da democracia, ao enxergar golpistas no Congresso e até no Supremo Tribunal Federal e ao deixar de reconhecer os crimes fiscais cometidos pelo “poste” inventado por Lula da Silva. Portanto, não constitui nenhuma novidade o fato de que o PT esteja a mobilizar mundos e fundos para não apenas jurar a inocência de seu padrinho, mas principalmente para atacar, de roldão, todo o arcabouço institucional brasileiro – Congresso, Judiciário e imprensa livre.

Diante disso, pode-se imaginar a frustração do eleitor que é de esquerda, mas não compactua com o “esquerdismo”, que, no léxico leninista, conforme lembrou Luiz Sérgio Henriques em artigo a propósito da hostilidade do PT à democracia (A difícil identidade do petismo), designa um comportamento infantil, que tende a ver o mundo pela ótica do radicalismo, sem o menor espaço para a negociação.

Os verdadeiros partidos de esquerda ─ não os “esquerdistas” ─ são aqueles que não confundem a luta política com a destruição dos pilares da democracia representativa. Não é possível se considerar genuinamente de esquerda ─ o que inclui não apenas fazer a crítica ao sistema capitalista, mas também defender de modo intransigente as liberdades políticas e civis ─ e apoiar ao mesmo tempo ditaduras como a da Venezuela, como fazem oficialmente o PT e o PSOL.

Ademais, como salientou Luiz Sérgio Henriques em seu artigo, os partidos esquerdistas hoje no Brasil são reféns do culto à personalidade, alçando Lula da Silva à categoria de santo e impedindo, dessa maneira, a renovação de sua liderança. O resultado é a transformação do PT em mera barricada atrás da qual Lula pretende se proteger da Justiça.

A julgar pelo que dizem os capas pretas do petismo, nada disso vai mudar. O ex-prefeito Fernando Haddad, coordenador da campanha de Lula, por exemplo, disse ao Estado que “a esquerda vai ter que se repensar” a partir de 2019, mas se negou a reconhecer os erros do partido, atribuindo-os ao “sistema”, e reafirmou que “o lulismo vai sobreviver ao Lula por força de sua liderança”. Ou seja, a principal força política e eleitoral da autointitulada “esquerda” no País continuará refém do pensamento autoritário e excludente que tão bem caracteriza o demiurgo petista.

Gleisi Hoffmann diz que STF não permitirá prisão de Lula

Gleisi Hoffmann diz que STF não permitirá prisão de Lula:

gleisi.jpg
Imagem: Reprodução / Redes Sociais
A senadora ré e presidente do PT, Gleisi Hoffmann, em entrevista à Folha de S. Paulo, garantiu estar confiante de que o STF não permitirá a prisão do ex-presidente Lula, embora ele já tenha sido condenado em segunda instância: "Não acredito que a corte suprema vai deixar acontecer uma barbaridade dessas. Seria uma violência não só contra o Lula, mas contra a democracia e o povo brasileiro, pela representatividade que ele tem no país".

Mais informações »

O Editor, desta vez, acredita mais em Gleisi Hoffmann do que em Cármen Lúcia (na matéria anterior)

ANTAGONISTA - Viva Carminha


Viva Carminha:

Cármen Lúcia resgata o STF.

Sua recusa em participar do golpe para tirar Lula da cadeia é um passo fundamental para o fortalecimento da democracia no Brasil.

Leia um trecho do editorial de O Globo:

“O debate sobre a segunda instância ganhou outra dimensão.

Senhora da pauta da Corte, a presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, dissera há algum tempo que não colocaria o assunto novamente em julgamento. Por todas as implicações do tema. Afinal, a Lava Jato e outras operações evoluem, e aproximavam-se as eleições (….).

Se o Supremo cometer esta reciclagem no entendimento anterior, será acusado de fazer um julgamento sob encomenda para ajudar Lula e bombardear a Lava Jato, a fim também de ajudar livrar gente importante que se encontra sob a mira da operação, num dos mais flagrantes casuísmos dos últimos tempos.”

The post Viva Carminha appeared first on O Antagonista.

ANTAGONISTA - SE DEPENDER DE CÁRMEN LÚCIA, LULA VAI PARA A CADEIA


SE DEPENDER DE CÁRMEN LÚCIA, LULA VAI PARA A CADEIA:

Se depender de Cármen Lúcia, Lula vai para a cadeia.

Em jantar organizado pelo site Poder 360, ela disse que usar o caso de Lula para revisar a norma que permitiu prender os condenados em segundo grau é “apequenar” o STF:

“Não sei por que um caso específico geraria uma pauta diferente. Seria apequenar muito o Supremo. Não conversei sobre isso com ninguém”.

Ela disse também:

“Votei igual duas vezes [pela permissão da prisão em segundo grau]. Em 2009 fui voto vencido, em 2016, fui voto vencedor”.

The post SE DEPENDER DE CÁRMEN LÚCIA, LULA VAI PARA A CADEIA appeared first on O Antagonista.

30 de Janeiro de 1933: Adolf Hitler é nomeado Chanceler pelo presidente Paul von Hindenburg




Adolf Hitler (centro) e o seu gabinete em 30 de Janeiro de 1933.
30 de Janeiro de 1933: Adolf Hitler é nomeado Chanceler pelo presidente Paul von Hindenburg:

Na gelada manhã de 30 de Janeiro de 1933 chegaria ao fim a tragédia da República de Weimar, a tragédia de 14 frustrados anos nos quais os alemães buscaram, sem sucesso, pôr em funcionamento uma democracia.
Aproximadamente às 10h30, os membros do ministério proposto em negociações entre nazis e reaccionários da velha escola, somados às forças conservadoras, de centro e de sectores sociais-democratas, atravessam o jardim do palácio e  apresentaram-se  no gabinete presidencial.
O presidente da República, o velho marechal Paul von Hindenburg, de 86 anos, confia a chancelaria a Adolf Hitler, führer do Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, NSDAP), mais conhecido como Partido Nazi, e  encarrega-o de formar o novo governo.
A nomeação surpreendente de Hitler seguiu-se às tentativas entre os dirigentes conservadores, em especial o ex-chanceler Franz von Papen, e os simpatizantes nazis, representados pelo doutor Hjalmar Schacht, um reputado economista responsável pelo reordenamento espetacular da economia alemã após a crise inflacionária de 1923, o "ano desumano".
Os conservadores e o empresariado queriam utilizarHitler para deter a ameaça comunista. Não acreditavam que os nazis representassem um perigo real para a democracia alemã. No entanto, eles sabiam bem quem era Hitler e a sua ideologia, desde a publicação do Mein Kampf, a "Bíblia nazi", oito anos antes.
O Partido Nazi estava a perder velocidade eleitoral. No pleito de 31 de Julho de 1932 havia conquistado 230 cadeiras no Reichstag de um total de 608 – 37,3 % dos votos populares. Já nas eleições legislativas de Novembro do mesmo ano, obtiveram 33,1% dos sufrágios, perdendo 2 milhões de votos e 34 lugares no Parlamento. Os comunistas ganharam 750 mil votos e os social-democratas perderam a mesma quantidade. Com este resultado, os comunistas passaram de 89 para 100 cadeiras e os socialistas caíram de 133 para 121 deputados. Os dois somados superavam largamente as 196 cadeiras nazis. A perda de dois milhões de votos nazis sobre um total de 17 milhões, em apenas quatro meses, significava um duro revés. O governo formado por Hitler foi aberto amplamente aos representantes da direita clássica. Não contava com mais do que três nazis, Hitler, entre eles, e Von Papen, como vice-chanceler.
Por falta da maioria absoluta no Reichstag, Hitler parecia longe de poder governar a seu talante. Ninguém leva a sério os discursos racistas. Muitos alemães pensam, contudo, que ele poderia recuperar o país atormentado pela crise económica.
Com uma rapidez fulminante e por meios totalmente ilegais, vai consolidar a ditadura a despeito da fraca representação do seu partido no governo e no Reichstag.
No dia seguinte à sua investidura na chancelaria, Hitler dissolve o Reichstag e prepara novas eleições para 5 de Março de 1933. Ao mesmo tempo, traça aquilo que o seu chefe de propaganda, Josef Goebbels, designa de "as grandes linhas da luta armada contra o terror vermelho".
As tropas de assalto do seu partido, as SA (Sturmabteilung), aterrorizam a oposição como forma de campanha eleitoral. Cometem pelo menos 51 assassinatos.
Um dos principais ajudantes de Hitler, Hermann Goering, ocupando o cargo chave de Ministro do Interior da Prússia, manipula a polícia, demitindo funcionários hostis e colocando os nazis nos postos essenciais.
Hitler faz rondar o "espectro da revolução bolchevique", mas como esta tarda a eclodir, decide inventá-la. Em 24 de Fevereiro, um assalto à sede do Partido Comunista permite a Goering anunciar a apreensão de documentos prenunciando a revolução. Esses documentos jamais foram publicados.
Como toda esta agitação não parecia bastar para acumular a maioria dos sufrágios aos nazis, decidem incendiar o Reichstag.
As classes conservadoras julgavam ter encontrado o homem que as ajudaria a alcançar suas metas : erguer uma Alemanha autoritária que pusesse termo à "insensatez democrática", esmagasse os comunistas e o poder dos sindicatos, arrancasse as algemas de Versalhes, reconstruísse um grande exército e reconquistasse para o país o seu lugar ao sol.
O Império dos Hohenzollern fora edificado sobre as vitórias militares da Prússia ; a República alemã sobre a derrota diante dos Aliados depois de uma grande guerra. O Terceiro Reich, porém, nada devia aos azares da guerra. Foi instaurado em tempos de paz, e pacificamente, pelos próprios alemães.

Bundesarchiv_Bild_146-1972-026-11%2C_Mac

Adolf Hitler na Chancelaria a 30 de Janeiro de 1933

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

REDE SOCIAL NÃO PERDOA - RESPOSTA RÁPIDA PARA LEANDRO KARNAL


O drible do TSE para contratar a Smartmatic

O drible do TSE para contratar a Smartmatic:

O TSE não vai exigir que a Smartmatic International Corporation apresente um decreto de autorização de atividades, pois considera que a empresa, com sede em Barbados, não atua no Brasil.

No caso, a Smartmatic Brasil também não seria uma “filial” do grupo. As duas compõe o consórcio que venceu o pregão para fornecimento de impressoras de votos.

Entenda o caso:

Exclusivo: consórcio da Smartmatic usa offshore de Barbados
The post O drible do TSE para contratar a Smartmatic appeared first on O Antagonista.

Moro manda leiloar imóveis de José Dirceu

Moro manda leiloar imóveis de José Dirceu:

jdestaque-768x560.jpg
Imagem: Dida Sampaio / Estadão

O juiz federal Sergio Moro mandou que sejam levados a leilão quatro imóveis do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, já confiscados na Operação Lava Jato. Serão leiloados a sede da JD Assessoria, empresa de consultoria do ex-ministro, em São Paulo, um imóvel em nome da filha de Dirceu, também na capital paulista, uma chácara que, conforme Moro, está “em nome da TGS Consultoria, mas de propriedade de fato de José Dirceu”, em Vinhedo (SP), e uma casa em Passa Quatro (MG), cidade onde morava a mãe do petista.

A defesa do ex-ministro informou ao magistrado que dois dos imóveis têm dívidas de IPTU e condomínio em atraso. A sede da JD Assessoria teve parte financiada no Banco do Brasil, que relatou ao juiz federal, no ano passado, que o ex-ministro estava inadimplente com as parcelas. Sergio Moro manteve a alienação judicial deste imóvel e determinou que “a parte do valor confiscada remanescerá em Juízo e o remanescente será liberado à instituição financeira”.

A defesa de José Dirceu informou a Moro, em novembro do ano passado, que o imóvel de Passa Quatro está avaliado em 2,5 milhões de reais e que as dívidas estavam “longe de comprometer os imóveis”. Os advogados relataram que o petista usaria a aposentadoria da Câmara – de 10.000 reais – para quitar as obrigações “o quanto antes”.

Ao mandar alienar os bens, o juiz federal apontou que “nenhum dos imóveis é utilizado atualmente como moradia” por Dirceu. Segundo o Sergio Moro, “há inequívoco risco de esvaziamento do confisco”.

“O condenado (José Dirceu) mostrou que não tem condições ou não quer permanecer com os imóveis, já que não está pagando as parcelas do financiamento ou o IPTU ou o condomínio. Não se pode admitir o esvaziamento do confisco, meio para recuperação do produto de crime de corrupção, pela omissão do condenado”, ressaltou o juiz na decisão da última quinta-feira.

O petista foi preso em agosto de 2015 na Operação Pixuleco, 17ª fase da Lava Jato, e ganhou liberdade em maio do ano passado, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).

José Dirceu foi condenado por Moro em duas ações penais a 32 anos e 1 mês de prisão – 20 anos e 10 meses em um processo e 11 anos e 3 meses em outro. Em setembro do ano passado, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) julgou a primeira ação que condenou Dirceu e aumentou a pena de 20 anos e 10 meses para 30 anos, 9 meses e 10 dias por corrupção passiva, pertinência a organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Após a decisão da segunda instância, o ex-ministro entrou com embargos de declaração no TRF4. O recurso foi negado em novembro. A Corte está analisando embargos infringentes do petista.
Defesa

Em nota, o criminalista Roberto Podval, que defende José Dirceu, afirmou: “A antecipação da alienação faz parte da nova cultura de parte da magistratura que tem optado por não aguardar o trânsito em julgado para o cumprimento da pena. A pergunta que fica é: e se José Dirceu for absolvido pelos tribunais superiores, quem será o responsável por esses atos?”.

O juiz federal Sérgio Moro mandou alienar quatro imóveis do ex-ministro José Dirceu (Casa Civil-Governo Lula) – já confiscados na Operação Lava Jato. A defesa do petista informou ao magistrado que dois imóveis têm dívidas de IPTU e condomínio em atraso.