"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

segunda-feira, 9 de julho de 2018

O DIREITO NO CORREDOR.


Milton Pires.

Há um paciente no corredor e, como eu já disse, há um “Direito no corredor”. O Corredor é palco de um Teatro. A peça é uma tragédia chamada Brasil. Ontem, com as barbaridades protagonizadas por mais um militante petista dentro do Poder Judiciário, assistimos a mais um ato dela.

Não me perguntem se Favreto “podia ou não ter feito o que fez”. Não tenho a mínima ideia: nunca entrei dentro ("entrar dentro" é ótima) de uma Faculdade de Direito, não sou advogado, mas pago imposto, nasci aqui e sou cidadão. Afirmo, isso sim, que Favreto não poderia estar na posição que estava, que está lá cumprindo uma missão para seu Partido, não para Justiça do seu país.

O PT já havia liquidado com a Medicina, com a Educação e agora (agora não, já começou faz tempo) está liquidando o Direito.

O Brasil está tomado, infectado, parasitado por “Favretos”. Há Favretos dentro dos hospitais, tribunais, quartéis...A Universidade está tomada por Favretos, na Igreja o Favreto é o “padre” e na “comunidade” o Favreto é o líder: são as metástases desta doença imunda chamada PT que tomou conta da Nação.

Ontem mataram o Direito, agora ameaçam matar o Dr. Sérgio Moro. Acredito que Moro pode se salvar, mas o Direito não, e quanto mais cedo o Brasil entender que não existe mais reserva moral, espaço para manobra legal capaz de salvar o Estado Brasileiro da Organização Criminosa Petista, melhor.

Não há salvação dentro da Lei. A Lei está sendo operada pela legião de vagabundos, pederastas, alcoolistas, viciados, estelionatários...pela ralé, pela escória gayzista, feminazista, pelos recalcados, pelos incompetentes e pelos histéricos do Poder Judiciário que ganharam de presente um cargo de Desembargador ou de Ministro do STF e agora querem retribuir soltando Lula e permitindo que ele concorra na Eleição de outubro.

Salvar a Justiça (da maneira que se salvou ontem mantendo Lula na cadeia) significa MATAR o que ainda sobrou da Lei, do rito, do trâmite normal, do respeito pelo devido processo legal. Não é mais possível conter o câncer, não se pode parar os vagabundos petistas, sem violar a Lei.

O que aconteceu ontem vai se repetir. Quem se apavorou com Favreto espere para ver o que Toffoli (perto de quem Favreto é um “anjo”) vai fazer quando chegar à Presidência do STF.

Enquanto esperamos, o Exército continua com seus posts dizendo que “se for necessário” vai intervir. “Se for necessário”?? Pelo amor de Deus! O Estado de Direito desmoronando, os advogados perdidos sem saber mais no que acreditar, a maior crise institucional da História e eles dizem que “se for necessário” vão intervir??

Favreto deveria ser afastado hoje do seu cargo no TRF-4! Mais do que isso: não poderia nem ter chegado ao cargo que chegou depois de vinte anos como militante de uma Organização Criminosa envolvida com o Tráfico de Cocaína e a Lavagem de Dinheiro na América do Sul! Organização que destruiu a Economia do país quando colocou na sua direção primeiro um bêbado analfabeto, depois um quadrúpede búlgaro estocador de vento.

É o Brasil que “está no corredor” - é o Estado brasileiro, o Direito brasileiro doente e sendo atendido por um plantonista cubano, que está no corredor. Dilma trouxe o Programa Mais Médicos. Só ontem o Brasil entendeu o que é o “Programa Mais Desembargadores”.

A conclusão, a lição que se deve tirar da tragédia de ontem e das medidas que foram tomadas para impedir que um Vagabundo Petista condenado deixasse a cadeia, vão tratar a doença... e a ralé petista do Judiciário vai matar o paciente.

Mil vezes a Intervenção Militar, o Estado de Exceção sem devido processo, com prisão arbitrária e sem habeas corpus nenhum, do que a Democracia com habeas corpus do Favreto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.