Ataque Aberto

"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

terça-feira, 26 de janeiro de 2021

“Pazuello deixou que os doentes morressem por asfixia”

“Pazuello deixou que os doentes morressem por asfixia”:


“A crise em Manaus expôs ainda mais a incompetência de Pazuello”, diz O Globo, em editorial.

“O ministro fora informado do agravamento da situação na semana do Natal, mas só em 3 de janeiro começou a agir. Era tarde...

Leia este conteúdo na integra em: “Pazuello deixou que os doentes morressem por asfixia”

"Amante" volta a pressionar Baleia por impeachment de Bolsonaro após nota da Saúde sobre a Pfizer

<span class="ssssschl">Gleisi</span> volta a pressionar Baleia por impeachment de Bolsonaro após nota da Saúde sobre a Pfizer:
20210110100148_474a44b8-b7d5-4c2f-a3eb-b

"Essa nota é pura confissão de culpa. Criminoso, Bolsonaro estaria no banco dos réus em qualquer lugar do mundo", afirmou Gleisi Hoffmann sobre a carta que prova que o governo federal recusou oferta de vacina da Pfizer

Vagabundos Petistas querem (com Toda Razão) incluir Bolsonaro em inquérito sobre omissão de Pazuello: "o chefe do genocídio precisa pagar também"

Petistas querem incluir Bolsonaro em inquérito sobre omissão de Pazuello: "o chefe do genocídio precisa pagar também":
20210120070128_fbc35ce8-ac3c-4259-b59f-7

Segundo a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, “não basta punir o operador da carnificina”. "Tudo o que fez ou deixou de fazer foi obedecendo às ordens do seu chefe capitão Bolsonaro”, disse Wadih Damous

A COERÊNCIA E O BOM SENSO DE UM GRANDE LÍDER.

 


MISSÃO DADA É MISSÃO CUMPRIDA.

 


Regime Genocida e Fascista analisa há 9 dias ofertas de aviões da ONU e dos EUA para oxigênio

AM: Planalto analisa há 9 dias ofertas de aviões da ONU e dos EUA para oxigênio:

69-2.jpg

O Ministério da Saúde e o governo do Amazonas receberam há pelo menos nove dias, em 16 e 18 de janeiro, ofertas de três aeronaves, duas da ONU (Organização das Nações Unidas) e uma do governo dos EUA, para transportar oxigênio até o Amazonas. A utilização desses aviões segue em análise até agora pelo Governo Federal. As informações são do UOL.

Segundo a reportagem, que teve acesso a uma troca de e-mails entre a Secretaria de Estado da Saúde do Amazonas e o representante do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) no Brasil, Florence Bauer, o estado tem a confirmação de apoio logístico para o transporte de oxigênio com a Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) por via área. Os dois órgãos são ligados à ONU.

De acordo com o UOL, o Ministério da Saúde respondeu por meio da assessoria de comunicação que a proposta está sob análise do departamento de logística, devido às peculiaridades técnicas.

O oferta da aeronave americana foi anunciada no dia 18 de janeiro pelo deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM), que publicou no Twitter que o governo do Amazonas havia solicitado um avião junto à embaixada americana.

No mesmo dia, Ramos publicou que a embaixada americana havia disponibilizado a aeronave, faltando apenas o Ministério da Saúde confirmar a necessidade, mas ela também não foi utilizada, como as duas ofertadas pelos órgãos da ONU.

O UOL também questionou o Ministério da Saúde sobre esse terceiro avião, ofertado pelos EUA, mas a pasta respondeu que “as tratativas estão a cargo do Ministério das Relações Exteriores”. A reportagem também questionou o Itamaraty, porém sem resposta até o momento.

O post AM: Planalto analisa há 9 dias ofertas de aviões da ONU e dos EUA para oxigênio apareceu primeiro em ISTOÉ Independente.

Ministro da Saúde será investigado por colapso no Amazonas

Ministro da Saúde será investigado por colapso no Amazonas:

ce49cd009f6520067c7f21e7bb229ef1cff1048e

O juiz do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski autorizou nesta segunda-feira a abertura de inquérito para apurar a responsabilidade do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no colapso do sistema de saúde de Manaus em meio ao aumento do número de casos do novo coronavírus.

Lewandowski determinou que Pazuello, 58, seja interrogado pela Polícia Federal nos próximos dias e fixou um prazo de dois meses para a conclusão das investigações, segundo a instituição. Concluída essa fase, a Procuradoria-Geral da República (PGR) decidirá se existem elementos suficientes para pedir que o ministro seja processado.

A PGR solicitou a investigação de Pazuello por suposta omissão na crise que provocou dezenas de mortes por asfixia nos hospitais da capital amazonense devido ao desabastecimento de oxigênio. O procurador-geral, Augusto Aras, cita documentos apresentados pelo próprio Ministério da Saúde, que admitiu ter sido alertado para a “falta de oxigênio iminente” pela empresa fornecedora no último dia 8 e ter iniciado a distribuição desse insumo “apenas em 12 de janeiro”.

No Natal, o ministro já estava ciente do aumento do número de infectados em Manaus, mas enviou representantes da pasta à cidade amazônica apenas uma semana depois, destacou o procurador, que também descreveu atrasos no início da transferência de pacientes para outros estados. Pazuello “tinha dever legal e possibilidade de agir para mitigar” o impacto da crise, e o possível atraso apontado “pode caracterizar omissão passível de responsabilização cível, administrativa e/ou criminal”, assinalou Arias em seu pedido.

O Amazonas, que já havia sofrido um colapso em abril e maio passados, sofre com um novo fortalecimento da pandemia, que, segundo especialistas, pode ter sido agravada pelo surgimento de uma variante local possivelmente mais contagiosa. O número de mortes diárias disparou desde o começo do ano, superando várias vezes a marca de 100 na última semana.

A crise tornou o Amazonas o estado brasileiro com mais mortes acumuladas proporcionalmente: 174 a cada 100 mil habitantes, frente à média nacional, de 104.

O post Ministro da Saúde será investigado por colapso no Amazonas apareceu primeiro em ISTOÉ Independente.

Na PGR — e agora no STF –, situação de Eduardo Pazuello é crítica

Na PGR — e agora no STF –, situação de Eduardo Pazuello é crítica:

Até o último sábado, quando Augusto Aras despachou ao STF um pedido de abertura de inquérito contra o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a inépcia do general só havia produzido prejuízos aos brasileiros dependentes de ações rápidas e coordenadas do governo para salvar vidas na pandemia. Agora, a coisa recairá sobre a vida pessoal de Pazuello, na mira do Supremo por crimes de prevaricação e improbidade administrativa, depois que Ricardo Lewandowski mandou abrir inquérito nesta segunda contra o general.

O inquérito no STF é dessas coisas que costumam desarranjar a vida de autoridades que desempenham mal suas funções na máquina pública. No caso de Pazuello, o cheiro de morte espalhado pelo Norte do país agrava a situação. Um número incerto de vidas foram perdidas por causa da lentidão de Pazuello em lançar a operação de socorro ao sistema de saúde do Amazonas, já prestes a entrar em colapso pela falta de oxigênio.

Na semana passada, antes mesmo de formalizar a abertura de investigação contra o ministro, integrantes da cúpula da PGR listavam abertamente os crimes de Pazuello. Não havia dúvidas sobre sua responsabilidade. A divisão existia, como ficou claro, na decisão de atirar apenas no general, poupando seu superior, o presidente Jair Bolsonaro.

Na mira do STF, Pazuello seguiu o conselho do governo e zarpou para Manaus ainda no fim de semana, de modo a demonstrar alguma satisfação ao Supremo. Aliados do general passaram a considerar factível que o presidente termine por abandonar Pazuello pelo caminho. O militar seria abatido pelo Supremo enquanto Bolsonaro escaparia da responsabilidade pelas falhas do governo na pandemia. Um clássico boi de piranha.

Vem desse raciocínio uma nova conversa sobre um possível desembarque de Pazuello do governo, tão logo a reforma administrativa de Bolsonaro seja deflagrada, após a eleição das mesas do Congresso, na próxima semana. Pazuello sairia para escapar do STF e o país seguiria mais uma vez ao angustiante rito de RH no Ministério da Saúde.

Pazuello devorado

Pazuello devorado:


Eduardo Pazuello, o boi de piranha, refugiou-se em Manaus, terra de piranhas...

Leia este conteúdo na integra em: Pazuello devorado

Previsão Sul – Chuva persiste no oeste do RS

Previsão Sul – Chuva persiste no oeste do RS:

Boletim de previsão do tempo contendo informações sobre previsão, temperatura mínima e máxima prevista, além de destaques relevantes dos últimos dias.

26 de Janeiro de 1823: Morre Edward Jenner, responsável pela descoberta da vacinação contra a varíola

26 de Janeiro de 1823: Morre Edward Jenner, responsável pela descoberta da vacinação contra a varíola:

 Edward Jenner nasceu na localidade inglesa de Berkeley, no dia 17 de Maio de 1749. Com apenas treze anos de idade já ajudava um cirurgião em Bristol. Formou-se em Medicina em Londres, e logo em seguida retornou à sua cidade natal, onde realizou experiências relativas à varíola, na época uma das doenças mais temidas pela humanidade.

Ao observar que pessoas que ordenhavam vacas não contraíam a varíola, desde que tivessem adquirido a forma animal da doença, Jenner extraiu o pus da mão de uma ordenhadora que havia contraído a varíola bovina e inoculou-o num menino saudável, James Phipps, de oito anos, em 4 de Maio de 1796. O menino contraiu a doença de forma branda e logo ficou curado. No dia 1 de Julho, Jenner inoculou no mesmo menino líquido extraído de uma pústula de varíola humana. James não contraiu a doença, o que significava que estava imune à varíola. 

A princípio, a experiência não obteve reconhecimento, apesar de, em 1878, Jenner ter publicado a sua pesquisa no livro “An Inquiry into the Causes and Effects of the Variolae Vaccinae, a Disease Known by the Name of Cow Pox".

O reconhecimento no seu país só foi alcançado após médicos de outros países adoptarem a vacinação e obterem resultados positivos. A partir de então, Edward Jenner ficou famoso por ter inventado a vacina. Faleceu no dia 26 de Janeiro de 1823.


wikipedia (imagens)

Edward Jenner by James Northcote.jpg

Edward Jenner - Retrato de James Northcote
7MgFWIcK9EEOHEm12kBVe7TJOiqFFIcElE1OcQaY

Edward Jenner aconselha um agricultor  a vacinar a sua família

segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Urgente: Lewandowski abre inquérito sobre Pazuello

Urgente: Lewandowski abre inquérito sobre <span class="ssssschl">Pazuello</span>:


Ricardo Lewandowski acaba de autorizar a abertura de inquérito sobre Eduardo Pazuello. O pedido de investigação foi feito no sábado por Augusto Aras, para apurar se o ministro da Saúde pode ser responsabilizado criminalmente pelo colapso no sistema de saúde de Manaus...

Leia este conteúdo na integra em: Urgente: Lewandowski abre inquérito sobre Pazuello


Lewandowski será o relator de investigação sobre Pazuello

Lewandowski será o relator de investigação sobre Pazuello:


Rosa Weber enviou para Ricardo Lewandowski o pedido de Augusto Aras para investigar Eduardo Pazuello pelo colapso do sistema de saúde de Manaus na pandemia...

Leia este conteúdo na integra em: Lewandowski será o relator de investigação sobre Pazuello

Melhor Notícia do Dia! Políbio Braga diz que MPF intima Sociedade Brasileira de Infectologia para que seja mais clara e comprove cientificamente as críticas que faz ao tratamento precoce

MPF intima Sociedade Brasileira de Infectologia para que seja mais clara e comprove cientificamente as críticas que faz ao tratamento precoce:

ailton.jpg

A Sociedade Brasileira de Infectologia, SBI, tem fugido das explicações e comprovações exigidas pelo procurador da República Ailton Benedito de Souza (foto ao lado), que conduz o inquérito civil público sobre a questão do tratamento precoce a pacientes infectados pelo vírus chinês. No dia 14, a SBI voltou a fustigar o tratamento precoce e continua falando genericamente e sem responder questões

VÍDEO: Comprado pelo FASCISMO, novo Presidente do TJMS defende volta ao trabalho contra “palhaçada midiática...

Passionalismo e ideologia levam médicos a receitar tratamento precoce contra Covid, diz presidente da AMB

Passionalismo e ideologia levam médicos a receitar <span class="ssssschl">tratamento</span> <span class="ssssschl">precoce</span> contra Covid, diz presidente da AMB:

1611361105600b6b51e30c7_1611361105_3x2_r

O ginecologista e obstetra César Eduardo Fernandes, 70, novo presidente da AMB (Associação Médica Brasileira), critica o fato de pessoas que não estão na linha de frente da pandemia sejam vacinados contra a Covid antes de profissionais da saúde que lidam diariamente com pacientes infectados. Leia mais (01/25/2021 - 16h04)

UM DIA DE INFÂMIA NA HISTÓRIA DA MEDICINA BRASILEIRA.

 O CFM e a covid-19

 Mauro Luiz de Britto Ribeiro, 61, é presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM)

                          Infelizmente até hoje se sabe muito pouco sobre a covid-19.

Os avanços científicos registrados foram para pacientes em UTI, em que a intubação tardia, a posição prona e o uso de corticoides e anticoagulantes diminuíram as mortes. É assustador que todas as medidas de prevenção, até o momento, parecem ter impacto reduzido na disseminação dessa doença.

Existem inúmeras questões que aguardam resposta da ciência em relação à covid-19. Cito algumas: O lockdown previne mais a transmissão do que medidas distanciamento social? Pacientes que tiveram a doença estão imunes? A mutação do vírus é mais grave do que a forma anterior?

Lamentavelmente, no Brasil, há uma politização criminosa em relação à pandemia entre apoiadores e críticos do Presidente da República. Assuntos irrelevantes relacionados à covid-19 dominam o noticiário, com discussões estéreis entre pessoas sem formação acadêmico-científica na área de saúde, dando opiniões como especialistas, porém com cunho político e ideológico.

Além disso, profissionais não médicos, que se autodenominam cientistas, com imenso acesso à mídia, falam sobre tudo, inclusive temas médicos a respeito dos quais não têm competência para opinar, sempre evocando a ciência, como se fossem os únicos detentores do saber, disseminando informações falsas que desinformam e desestabilizam a já insegura sociedade brasileira.

Infelizmente, a politização também atingiu sociedades de especialidades médicas e grupos ideológicos de médicos, principalmente quanto ao chamado tratamento precoce, com hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina.

Eles pressionam de todas as maneiras o Conselho Federal de Medicina (CFM), por conta de sua competência legal de determinar qual tratamento farmacológico é ou não experimental no Brasil, para que recomende ou proíba o tratamento precoce.

Existem na literatura médica dezenas de trabalhos científicos mostrando benefício com o tratamento precoce com as drogas citadas. Outros tantos apontam que elas não possuem qualquer efeito benéfico contra a covid-19.

Em outras palavras, a ciência ainda não concluiu de maneira definitiva se existe algum benefício ou não com o uso dessas drogas.

O CFM abordou o tratamento precoce para covid-19 no Parecer nº 4/2020 em respeito ao médico da ponta, que não tem posição política ou ideológica e exerce a profissão por vocação de servir e fazer o bem; que recebe, consulta, acolhe e trata o paciente com essa doença.

No texto, o CFM delibera que é decisão do médico assistente realizar o tratamento que julgar adequado, desde que com a concordância do paciente portador de covid-19, esclarecendo que não existe benefício comprovado no tratamento farmacológico dessa doença e obtendo o consentimento livre e esclarecido.

O ponto fundamental que embasa o posicionamento do CFM é o respeito absoluto à autonomia do médico na ponta de tratar, como julgar mais conveniente, seu paciente; assim como a autonomia do paciente de querer ou não ser tratado pela forma proposta pelo médico assistente.

Deve ser lembrado que a autonomia do médico e do paciente são garantias constitucionais, invioláveis, que não podem ser desrespeitadas no caso de doença sem tratamento farmacológico reconhecido, como é o caso da covid-19, tendo respaldo na Declaração Universal dos Direitos do Homem, além do reconhecimento pelas competências legais do CFM que permite o uso de medicações off label.

O Parecer nº 4/2020 não apoia ou condena o tratamento precoce ou qualquer outro tratamento farmacológico ou protocolos clínicos de sociedades de especialidades ou do Ministério da Saúde. O Parecer respeita a autonomia do médico e do paciente para que ambos, em comum acordo, estabeleçam qual o tratamento será realizado.

Para aqueles que insistem em atacar publicamente o CFM, fazendo pressão para que mude o Parecer, visando apoiar ou proibir o tratamento precoce, esclarecemos que essas ações políticas são inúteis, como têm sido até agora e continuarão sendo.

As posições do CFM têm como objetivo o que é melhor para a população, e o respeito absoluto aos médicos na ponta, esses, sim, os verdadeiros heróis, a quem rendemos todo reconhecimento.


CFM assume que vai manter parecer pelo tratamento precoce, que é ineficaz e perigoso

<span class="ssssschl">CFM</span> assume que vai manter parecer pelo tratamento precoce, que é ineficaz e perigoso:
20210125070128_ae2fa9aae3624c7cc1db3c83f

Presidente do Conselho Federal de Medicina, Mauro Luiz Britto Ribeiro, simpatizante do bolsonarismo, escreve artigo de conotação negacionista, no qual, contrariando a Anvisa, a OMS e entidades médicas e científicas de todo o mundo, afirma que o tratamento precoce de Bolsonaro pode ter "benefício" para vítimas do vírus

Monica de Bolle diz que CFM tornou-se cúmplice das mortes.

Monica de Bolle diz que <span class="ssssschl">CFM</span> tornou-se cúmplice das mortes:
20210125100124_18dfb5ff-7fe7-43a5-aae0-7

O Conselho Federal de Medicina "torna-se cúmplice das más práticas", critica a economista Monica de Bolle, professora da Universidade Johns Hopkins. A estudiosa fez referência ao artigo do presidente do CFM, Mauro Luiz de Britto Ribeiro, que defendeu o tratamento precoce e o uso da cloroquina em pacientes com Covid-19. "O nome disso é Medicina de Compadrio", afirmou

COMO RESPOSTA A ESTE DOCUMENTO, O PRESIDENTE DA SBI TEM OBRIGAÇÃO DE RENUNCIAR.

 


Menos isolamento, mais mortes

Menos isolamento, mais mortes:


Estudo do IPEA intitulado “A segunda onda da pandemia (mas não do distanciamento físico): Covid-19 e políticas de distanciamento social dos governos estaduais no Brasil” mostra que o aumento no número de mortes por Covid-19 não tem provocado o endurecimento de regras de isolamento...

Leia este conteúdo na integra em: Menos isolamento, mais mortes

Previsão Sul – Muita nebulosidade na Região

Previsão Sul – Muita nebulosidade na Região:

Boletim de previsão do tempo contendo informações sobre previsão, temperatura mínima e máxima prevista, além de destaques relevantes dos últimos dias.

25 de Janeiro de 1554: Fundação da cidade de São Paulo, no Brasil, pelo padre Manuel da Nóbrega.

25 de Janeiro de 1554: Fundação da cidade de São Paulo, no Brasil, pelo padre Manuel da Nóbrega.:

 A fundação de São Paulo insere-se no processo de ocupação e exploração das terras americanas pelos portugueses, a partir do século XVI. Inicialmente, foi fundada a Vila de Santo André da Borda do Campo (1553), constantemente ameaçada pelos povos indígenas da região. Nessa época, um grupo de padres da Companhia de Jesus, da qual faziam parte José de Anchieta e Manoel da Nóbrega, escalaram a Serra do Mar e chegaram ao planalto de Piratininga onde encontraram "ares frios e temperados como os de Espanha" e "uma terra mui sadia, fresca e de boas águas". Do ponto de vista da segurança, a localização topográfica de São Paulo era perfeita: situava-se numa colina alta e plana, cercada por dois rios, o Tamanduateí e o Anhangabaú.

A data oficial reconhecida para a fundação da cidade de São Paulo é a da conversão de São Paulo, 25 de Janeiro de 1554, quando foi rezada a primeira missa no local do colégio fundado pelos jesuítas Manoel da Nóbrega e José de Anchieta, que se chamou "Colégio São Paulo de Piratininga", dando origem ao povoado que se formou ao seu redor. O lugar escolhido foi estratégico, numa elevação entre os rios Tamanduateí e Anhangabaú, garantindo protecção contra ataques e ampla visibilidade dos caminhos que levavam até lá. Actualmente, o local é conhecido como Pátio do Colégio e mantém parte da colina histórica preservada.
Em 1560, o povoado ganhou foros de Vila e pelourinho mas a distância do litoral, o isolamento comercial e o solo inadequado ao cultivo de produtos de exportação, condenou a Vila a ocupar uma posição insignificante durante séculos na América Portuguesa.
Em 1681, São Paulo foi considerada cabeça da Capitania de São Paulo e, em 1711, a Vila foi elevada à categoria de Cidade. Apesar disso, até o século XVIII, São Paulo continuava como um quartel-general de onde partiam as "bandeiras", expedições organizadas para apresar índios e procurar minerais preciosos nos sertões distantes. Ainda que não tenha contribuído para o crescimento económico de São Paulo, a actividade bandeirante foi a responsável pelo devassamento e ampliação do território brasileiro a sul e a sudoeste, na proporção directa do extermínio das nações indígenas que opunham resistência a esse empreendimento.
 O crescimento vertiginoso da urbe iniciou-se com a instalação da ferrovia Santos-Jundiaí, na segunda metade do século XIX. A posição estratégica da cidade, como passagem obrigatória entre o porto e as rotas de escoamento do café (então plantado em quase todo o interior paulista), levou à modernização radical da sua estrutura económica e urbana.
Na passagem do século XIX para o XX, a cidade já estava totalmente transformada. O comércio  diversificou-se, atraindo todo tipo de actividade, como casas de câmbio e hotéis. E a área urbanizada  espraiou-se para atender ao rápido aumento de população, principalmente com a vinda de imigrantes estrangeiros, na sua maioria italianos, portugueses, espanhóis, sírio-libaneses, japoneses e judeus.
wikipedia(imagens)

Ficheiro:Antônio Parreiras - Fundação de São Paulo, 1913.jpg

Fundação de São Paulo - António Parreiras
Ficheiro:Várzea do Carmo por Arnaud Pallière.jpg

A Várzea do Carmo em 1821, aquarela de Arnaud Julien Pallière, 1821. Ao chegarem do Rio de Janeiro ou de Santos, e já na entrada da cidade pelos lados do Brás, os viajantes observavam esta paisagem



domingo, 24 de janeiro de 2021

Quadrúpede Búlgaro se IRRITA com Mirian Leitão por ter sido comparada com Psicopata Fascista.




A LÓGICA ABSURDA DE MIRIAM LEITÃO

Colunista do Globo faz analogia inaceitável entre dois processos políticos. Impeachment de 2016 usou pretextos fiscais falsos; Bolsonaro deve ser punido por genocídio, mortes de brasileiros por falta de oxigênio e descaso pela vacinação

24/01/2021 12:23

NOTA SOBRE O ARTIGO DE MIRIAM LEITÃO

Miriam Leitão comete sincericidio tardio em sua coluna no Globo de hoje (24 de janeiro), ao admitir que o impeachment que me derrubou foi ilegal e, portanto, injusto, porque, segundo ela, motivado pela situação da economia brasileira e pela queda da minha popularidade. Sabidamente, crises econômicas e maus resultados em pesquisas de opinião não estão previstos na Constituição como justificativas legais para impeachment. Miriam Leitão sabe disso, mas finge ignorar. Sabia disso, na época, mas atuou como uma das principais porta vozes da defesa de um impeachment que, sem comprovação de crime de responsabilidade, foi um golpe de estado.

Agora, Miriam Leitão, aplicando uma lógica aburda, pois baseada em analogia sem fundamento legal e factual, diz que se Bolsonaro “permanecer intocado e com seu mandato até o fim, a história será reescrita naturalmente. O impeachment da presidente Dilma parecerá injusto e terá sido.” O impeachment de Bolsonaro deveria ser, entre outros crimes, por genocídio, devido ao negacionismo diante da Covid-19, que levou brasileiros à morte até por falta de oxigênio hospitalar, e por descaso em providenciar vacinas.

O golpe de 2016, que levou ao meu impeachment, foi liderado por políticos sabidamente corruptos, defendido pela mídia e tolerado pelo Judiciário. Um golpe que usou como pretexto medidas fiscais rotineiras de governo idênticas às que meus antecessores haviam adotado e meus sucessores continuaram adotando. Naquela época, muitos colunistas, como Miriam Leitão, escolheram o lado errado da história, e agora tentam se justificar. Tarde demais: a história de 2016 já está escrita. A relação entre os dois processos não é análoga, mas de causa e efeito. Com o golpe de 2016, nasceu o ovo da serpente que resultou em Bolsonaro e na tragédia que o Brasil vive hoje, da qual foram cúmplices Miriam Leitão e seus patrões da Globo.

DILMA ROUSSEF

Após pedido de inquérito, General Fascista vai a Manaus ‘sem data para voltar’

Após pedido de inquérito, Pazuello vai a Manaus ‘sem data para voltar’:

Ameaçado por um pedido de abertura de inquérito junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) e sentindo-se ameaçado no cargo, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, viajou a Manaus — epicentro de crise sanitária de coronavírus no Brasil — sem data para voltar. 

Segundo interlocutores da Saúde ouvidos por VEJA, a decisão de Pazuello para viajar até a capital amazonense ocorreu após o procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitar ao STF investigação para apurar a conduta do ministro durante a crise de oxigênio no maior estado do Brasil. 

O ministro já vinha sendo orientado a transferir o seu gabinete para Manaus desde que apagão de oxigênio eclodiu, na semana passada.

Acompanhado de assessores, como Airton “Cascavel” Soligo, o ministro deve decidir a data de retorno ao longo desta semana. Fontes ouvidas reservadamente afirmam que a a ideia do ministro é reverter o quadro de “fritura” gerado pela situação de caos diante da pandemia do coronavírus.

A assessores, Pazuello teria revelado, além do incômodo com o pedido de inquérito feito pela PGR, mal-estar com ações que tramitam no Supremo que pedem o seu afastamento do cargo.

Na última quinta-feira, diante de um pedido semelhante, o ministro Ricardo Lewandowski rejeitou uma ação da Rede que solicitava o afastamento do ministro do cargo — o magistrado considerou que a prerrogativa de demitir ministro de estado compete apenas ao presidente da República.

Rondônia vai transferir pacientes para outros estados

Rondônia vai transferir pacientes para outros estados:


O governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, disse que vai transferir para outros estados 40 pacientes com Covid-19 que aguardam um leito de UTI...

Leia este conteúdo na integra em: Rondônia vai transferir pacientes para outros estados

Anexos:

Juíza de Manaus proíbe segunda dose em quem furou a fila

Juíza de Manaus proíbe segunda dose em quem furou a fila:


A juíza federal Maria Pinto Fraxe, de Manaus, proibiu que todas as pessoas da cidade que furaram a fila da vacinação contra a Covid-19 tomem a segunda dose...

Leia este conteúdo na integra em: Juíza de Manaus proíbe segunda dose em quem furou a fila



"OBRIGAÇÃO" COMO MÉDICO.

 




Quadrúpede Petista se recusa a tomar Vacina

Dilma hipócrita: Se ela não se lembra, eu me lembro:

2e73cbeeb65f4725d726b02f3c1900d3b79b1d7c

A ex-presidente Dilma Rousseff, nossa inigualável e inesquecível estoquista de vento e saudadora de mandioca, foi convidada pelo governador de São Paulo, João Doria, para, ao lado dos demais ex-presidentes, incluindo seu criador, o corrupto e lavador de dinheiro Lula da Silva, tomar, num gesto simbólico de incentivo à população como fazem outros líderes e ex-líderes mundo afora, as primeiras doses da vacina contra a Covid-19.

Porém, fiel ao oportunismo cínico e hipócrita petista, recusou pretendendo dar lição de moral e mostrar superioridade ética – que jamais teve quando ministra e presidente -, simplesmente para “demarcar território”, já que petistas e tucanos só se bicam quando o interesse é comum, e em nota oficial (ainda bem que escrita, e não falada, pois assim conseguimos compreender, mesmo que não tenha muita graça) declarou:

“O Plano Nacional de Vacinação deve ser respeitado e, se é certo que a vacinação já começou, não há montante de vacinas disponível para que eu, agora, seja beneficiada. É inaceitável furar a fila, que deve ser estritamente respeitada por todos os brasileiros. Por isso aguardarei pacientemente a minha vez, e quero adiantar que já estou com o braço estendido para receber a CoronaVac”. Ulalá!! Uma verdadeira estadista.

Só que de araque! Dilma pode não se lembrar, já que seu forte não são memória e cognição, mas eu me lembro bem – e faço questão de lembrá-la – que, lá pelos idos de agosto de 2016, teve a aposentadoria de mais de R$ 5 mil (apenas a do INSS) deferida em tempo recorde: 24 horas! Em Brasília, onde seu pedido foi apresentado, o tempo médio de espera, apenas para ser atendido numa agência, é de incríveis 115 dias.

Isso, obviamente, para os pobres mortais e os não amigos dos poderosos do PT. Aliás, Dilma não precisou nem colocar os pezinhos na agência do Instituto, já que mandou uma dupla de “amarra-cachorros” fazer o servicinho expresso, e nem mesmo o agendamento obrigatório a madame realizou. Como é mesmo, mãe do PAC? “É inaceitável furar a fila, que deve ser estritamente respeitada por todos os brasileiros.”

Tal prática petista não é novidade para ninguém que não jure (até hoje!) que o multi-réu criminal é inocente e condenado sem provas. Esses dias mesmo tivemos uma amostra do duplo padrão de comportamento dessa gente: a desavergonhada presidente do PT, Gleisi Hoffmann, ex de Paulo Bernardo, ministro de Dilma e Lula acusado de surrupiar aposentados, pediu a quebra do sigilo do cartão da presidência da República.

A servil criada do condenado – em liberdade provisória – fez bem? Ora, se fez! Se há algo mais indecoroso que tal sigilo, é o valor que gastam secretamente. Imagino com o quê. Em se tratando do papis do senador das rachadinhas, do amigão do peito do Queiroz, do marido da receptora de cheques de miliciano, é que tal sigilo não deveria existir mesmo. Mas a questão é: por que a zelosa deputada jamais pediu o mesmo quando seus “donos” eram o presidente?

O post Dilma hipócrita: Se ela não se lembra, eu me lembro apareceu primeiro em ISTOÉ Independente.

Vagabundo Petista diz que "só vai tomar vacina quando tiver para Todos"

Ex-presidente <span class="ssssschl">Lula</span> também se recusa a tomar CoronaVac: ex-presidente-lula-tambem-se-recusa-a-to "Embora tenha todos os direitos de tomar a vacina, só vai fazê-lo quando tiver vacina para todos", informa Lula à direção do PT (Partido dos Trabalhadores)