Ataque Aberto

"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

domingo, 31 de dezembro de 2017

Abaixo Assinado pela PRISÃO de Dilma Rousseff


Nós, cidadãos brasileiros, pedimos ao Ministério Público e à Polícia Federal (para não mencionar a própria Justiça Federal) que prendam imediatamente a ex-terrorista, ladra, estelionatária e chefe de quadrilha, Dilma Rousseff. É uma barbaridade o que este verdadeiro quadrúpede búlgaro fez, a mando de Lula, com a PETROBRAS, com o BNDES, e com a Economia como um todo. Fachin, um juiz colocado por ela mesma dentro deste covil de petistas que é o STF, vai protegê-la e Rodrigo Janot, vergonhosamente, também ! Dilma destruiu a Nação, acabou com negócios, carreiras, profissões, esperanças de MILHÕES de brasileiros. Comprou uma Refinaria Podre nos Estados Unidos, recebeu dinheiro de propina no Exterior, tentou nomear Lula como Ministro para obstruir a Justiça, liquidou com a Saúde Pública trazendo falsos médicos para o Brasil, humilhou e assediou funcionários públicos e ainda, mantendo todos os seus "direitos políticos", é convidada para dar "aula inaugural" na Faculdade de Filosofia da UFRGS! A mulher é um animal da corrupção e, cada vez que abre a boca, humilha o Brasil no exterior com seus rompantes de estupidez em todas as línguas conhecidas e algumas que ela mesma inventa. CADEIA PARA DILMA ROUSSEFF, para seu cachorro invisível, para sua mandioca e para o seu vento estocado JÁ !!!

ASSINE AQUI (Change.org) ou AQUI (Petição Pública)
Dr.Milton Pires & Cidadãos Brasileiros


ABAIXO ASSINADO PELA PRISÃO DE LULA


Nós, cidadãos brasileiros, em virtude de todas as provas colhidas até agora, dos gigantescos escândalos do Mensalão e do Petrolão, pedimos aos senhores a prisão imediata de Luís Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República e fundador de um partido criminoso associado ao Foro de São Paulo. Sua prisão é importante para que o mesmo não interfira nas investigações em andamento e para que fique clara, de uma vez por todas, qual foi EXATAMENTE a sua participação nos esquemas de desvio e lavagem de dinheiro que lesaram em bilhões os cofres públicos. Não há um só integrante já preso nessas investigações que não deixe, de forma clara ou insinuada, a ciência total e participação de Lula em todos esses eventos. A condução coercitiva do Sr.Luís Inácio, no último dia 4 de março de 2016, e a resposta que ele deu em sua entrevista coletiva deixam claro que ele não tem o mínimo respeito pelo Estado de Direito e pelas Instituições Republicanas representadas pelo Dr. Sérgio Moro e pela Força Tarefa do Ministério Público sendo capaz de dirigir-se à Nação em termos chulos, de fazer piada e de debochar da Justiça Federal. Pedimos aos senhores que entendam este abaixo assinado como sendo, além da expressão da vontade do povo brasileiro, uma homenagem a todos os policiais federais, juízes e promotores envolvidos na Operação Lava Jato. Pedimos também à Dra.Maria Priscila Veiga Oliveira, Juíza da 4ª Vara Criminal da Justiça de São Paulo, lembrando que  o futuro do Brasil está nas suas mãos: por favor, PRENDA o Lula. Depois da prisão de Eduardo Cunha ontem, Lula VAI fugir ! Seu filho mais novo JÁ fugiu: está no Uruguai. Lula em liberdade depois daquilo que foi revelado pelo Departamento de Justiça dos EUA no caso da Braskem é uma vergonha para todo brasileiro perante o Mundo.

Att, 


Dr.Milton Pires & Cidadãos Brasileiros.


ASSSINE AQUI - Change.org OU Citizengo  OU Petição Pública 



A importância de um "Abaixo Assinado" para PRENDER LULA não reside na sua "força legal" (que é NULA) nem sobre a Polícia Federal (que não prende pessoas por causa disso). 

A importância FUNDAMENTAL é o seu efeito nesta IMPRENSA VAGABUNDA dominada por Jornalistas do PT. O "Abaixo Assinado" para prender Lula precisa ter MILHÕES de assinaturas !
(Milton Pires)




sábado, 29 de abril de 2017

OS DESAVERGONHADOS


Escrevo hoje para falar sobre tipos que não tem um pingo de vergonha na cara, além de achar que todos são uns idiotas sem memória. Escrevo, e explico detalhadamente:

Em primeiro lugar vem a cretinice comprovada do PT, através da Dilma e de seu mentor e parceiro, o canastrão Lula da Silva.

E que é facilmente comprovada por meio de declarações públicas feitas na TV, em 1º de maio de 2015, ou seja, há menos de um ano. Naquela oportunidade (os vídeos da época são a prova viva disso) a ANTA – falando em nome da presidência, e do PT – defendeu a Reforma da Previdência (como um ato necessário) e da Terceirização do emprego.

Agora, na greve geral patrocinada pelo PT e seus capachos satélites, não é que o motivo principal alegado pelos baderneiros foi exatamente a Reforma da Previdência e a defesa dos direitos dos empregados.

Ah, também teve o chavão do “Fora Temer”. Como se toda esta pelegada incoerente não tivesse votado – em massa – na chapa Lula/Temer. E, 4 anos depois, na chapa Dilma/Temer.

Além disso, não se tem notícia de um só destes baderneiros grevistas ter votado nos adversários destas duas chapas. Portanto, estão querendo colocar para fora o mesmo político que escolheram para eleger. Depois, a oposição é que age com incoerência... São uns desavergonhados!

Em segundo lugar, mas não menos importante no contexto, está a grande mídia, muito parcial e extremamente tendenciosa. Os jornais e os telejornais concederam imensos espaços para “festejar” a greve, inclusive mostrando e publicando entrevistas com os personagens líderes do movimento. Longos minutos (nos mais variados grupos jornalísticos) para que estes repetissem o mesmo surrado discurso protecionista aos trabalhadores.

E eu não assisti um só repórter perguntar a estes “chefes” qual seria a sugestão para resolver o problema da Reforma da Previdência.

Juro que fiquei interessadíssimo em conhecer um plano alternativo. Mas a nossa zelosa e competente imprensa sequer me proporcionou a chance de aprender alguma coisa com tais “gênios”.

Não sei se foram mais desavergonhados os líderes da greve ou os representantes da imprensa que se anuncia como imparcial e justa.

Para encerrar este artigo de opinião, não posso evitar uma pergunta bem objetiva: a adesão à greve foi espontânea ou forçada?

Pois os responsáveis pelo movimento comemoraram o sucesso da ação, mas NINGUÉM os condenou por agredirem ao sagrado direito à liberdade dos cidadãos. Trabalhadores que foram impedidos – na marra, na pressão, e até na força – de trabalharem. E pessoas que foram encurraladas – em barreiras e bloqueios ilegais – e frustradas de se locomover livremente.

Pelo que pude notar, sem a força (que gerou temor à população pacífica) e a desordem (que assustou ao povo pacato), a tal de GREVE foi um rotundo fracasso.

Tivemos apenas a vitória dos desavergonhados anarquistas que ainda tem o despudor de alegar DEMOCRACIA.

Que Deus os perdoe, eis que não sabem o que dizem.

SÃO TODOS UNS SEM VERGONHAS!



Marcelo Aiquel – advogado (29/04/2017)

REVISTA ISTO É OBTÉM INFORMAÇÕES DA DELAÇÃO DE ANTÔNIO PALOCCI

Os segredos que Palocci vai revelar

Crédito: ANDRE DUSEK/AE
TERREMOTO O que Palocci tem para contar deve provocar nova turbulência no País e no PT (Crédito: ANDRE DUSEK/AE)

O ex-ministro Antonio Palocci é um pote até aqui de mágoa. Na última semana, movido por esse sentimento que o consome desde setembro de 2016, quando foi preso em Curitiba, o homem forte dos governos Lula e Dilma deu o passo definitivo rumo à delação premiada: contratou o advogado Adriano Bretas, conhecido no mercado por ter atuado na defesa de outros alvos da Lava Jato que decidiram, como Palocci, romper o silêncio. Lhano no trato, embora dono de temperamento mercurial quando seus interesses são contrariados, o ex-ministro resolveu abrir o baú de confidências e detalhar aos procuradores todo arsenal de informações acumulado por ele durante as últimas duas décadas, em que guardou os segredos mais recônditos do poder e nutriu uma simbiótica relação com banqueiros e empresários. “Fiz favor para muita gente. Não vou para a forca sozinho”, desabafou Palocci a interlocutores.
ISTOÉ conversou nos últimos dias com pelo menos três fontes que participaram das tratativas iniciais para a colaboração premiada e ouviram de Palocci o que ele está disposto a desnudar, caso o acordo seja sacramentado. Das conversas, foi possível extrair o roteiro de uma futura delação, qual seja:
> Palocci confirmará que, sim, é mesmo o “Italiano” das planilhas da Odebrecht e detalhará o destino de mais de R$ 300 milhões recebidos da empreiteira em forma de propina, dos quais R$ 128 milhões são atribuídos a ele.
> Contará como, quando e em quais circunstâncias movimentou os R$ 40 milhões de uma conta-propina destinada a atender as demandas de Lula. Atestará que, do total, R$ 13 milhões foram sacados em dinheiro vivo para o ex-presidente petista. Quem sacou o dinheiro e entregou para Lula foi um ex-assessor seu, o sociólogo Branislav Kontic. Palocci se compromete a detalhar como eram definidos os encontros de Kontic com Lula. Havia, por exemplo, uma senha, que apenas os três sabiam.
> Dirá que parte da propina que irrigou essa conta foi resultado de um acerto celebrado entre ele e Lula durante a criação da Sete Brasil, no ano de 2010. O ex-presidente teria ficado com 50% da propina. Um total de R$ 51 milhões.
> Está empenhado em revelar como foi o processo de obtenção dos R$ 50 milhões para a campanha de Dilma, num negócio fechado entre o PT e a Odebrecht, com a ajuda de Lula e do ex-ministro Guido Mantega. E mostrará como Dilma participou das negociatas e teve ciência do financiamento ilegal.
> Afirmará que a consultoria Projeto foi usada também para recebimento de propinas. Indicará favorecidos. Comprometeu-se ainda a entregar o número de contas no exterior que foram movimentadas por esse esquema.
> Pretende mostrar como empresas e instituições financeiras conseguiram uma série de benefícios dos governos petistas, como isenção ou redução de impostos, facilidades junto ao BNDES, renegociação de dívidas tributárias, etc.
Palocci sabe que uma chave está em suas mãos. Com ela, pode abrir as fechaduras da cela onde está detido, no frio bairro de Santa Cândida, na carceragem da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Para ajudar a desvendar o megaesquema de corrupção na Petrobras, a memória do ex-ministro da Fazenda de Lula e ex-chefe da Casa Civil de Dilma será colocada à prova. Ele tem informações que podem explicar como, a partir do início do governo do ex-presidente Lula, organizações criminosas foram montadas para sustentar politicamente o PT, o PMDB e o PP e mantê-los no poder. Tudo à base de propina, dizem os investigadores da Operação Lava Jato, que serviram também para enriquecimento pessoal.
86
Há interesse dos procuradores em saber em minúcias, se possível com documentos, dados sobre a gênese do que se convencionou chamar de Petrolão. Um investigador de Curitiba disse que Palocci terá de reunir dados novos e com “fundamentação” se quiser convencer a PF e a Procuradoria a endossar o acordo. Ele entende que o ex-ministro precisa apresentar provas ou, ao menos, indícios “consistentes” e tratar deles num depoimento “de peito aberto”. A julgar pelo cardápio apresentado até agora pelo ex-ministro, isso não será óbice. Segundo interlocutores que conversaram com Palocci nas últimas semanas, o ex-ministro não enxerga problema algum em assumir a clássica postura de delator. Sente-se amargurado. Abandonado por companheiros de outrora. Por isso está “bastante tranquilo” para assumir as consequências dos eventuais efeitos colaterais da colaboração premiada.


DELAÇÃO O novo advogado de Palocci, Adriano Bretas, iniciou conversas com o MPF para fechar o acordo de colaboração premiada
DELAÇÃO O novo advogado de Palocci, Adriano Bretas, iniciou conversas com o MPF para fechar o acordo de colaboração premiada (Crédito:Marcelo Camargo/Agência Brasil)

No início das negociações para a delação, o ex-ministro se propôs a fornecer informações detalhadas sobre os R$ 128 milhões da Odebrecht que teriam passado por ele. Embora tenha chamado a atenção, procuradores acharam pouco. Sustentaram que o que já foi reunido a esse respeito seria o suficiente para a elucidação dos fatos. E que as revelações não seriam tão bombásticas assim. Diante do impasse, foi deflagrada uma nova rodada de negociação, que culminou com a renúncia de José Roberto Batochio de sua equipe jurídica. Depois de procurar ao menos três escritórios de advocacia pouco antes da Páscoa, Palocci acertou com uma dupla de criminalistas já ambientada ao mundo daqueles que resolvem colaborar com a Justiça em troca de reduções das penas. Além de Bretas, foi contratado também o advogado Tracy Reinaldet dos Santos.
Após a primeira etapa de conversas com o novo time de defensores, ficou definido que Palocci vai começar a abrir sua caixa de Pandora pelo escândalo da Sete Brasil, uma empresa criada em 2010 para construir as sondas (navios de exploração de petróleo) para a Petrobras. Além do capital da estatal, a Sete tinha dinheiro de bancos, como o BTG e de três fundos de estatais (Petros, Previ e Funcef). As seis primeiras sondas da empresa foram construídas pelo estaleiro Enseada Paraguaçu (com capital da Odebrecht, OAS e UTC). Cada sonda ao custo de US$ 800 milhões. As seis, portanto, estavam orçadas em US$ 4,8 bilhões (ou R$ 15,3 bilhões), embora a Sete Brasil estimasse um investimento de US$ 25 bilhões para construir 29 sondas até 2020. Na delação, Palocci pretende contar que o PT exigiu que a Sete Brasil e as empreiteiras do estaleiro Enseada Paraguaçu pagassem propinas de 1% do contrato de US$ 4,8 bilhões, ou seja, US$ 48 milhões (R$ 153 milhões). Desse total, dois terços, ou R$ 102 milhões, ficariam para o partido e um terço (R$ 51 milhões) para diretores da Petrobras. Sem medo de ser feliz, Palocci vai entregar que Lula exigiu metade das propinas. Não para o partido, nem para a companheirada, mas para ele, Lula.
“Sapo barbudo”
O depoimento de Rogério Araujo, ex-executivo da Odebrecht que acabou de celebrar um acordo com a Procuradoria-Geral da República, fornece o caminho das pedras sobre a tentativa do PT de embolsar ilegalmente R$ 153 milhões desviados da Sete Brasil. Araujo disse que o PT exigiu que 1% do contrato das sondas da Sete Brasil, assinado em 2012, fosse fixado como propina. O valor havia sido pedido pelo “sapo barbudo”, numa referência a Lula. “O Pedro Barusco (ex-gerente da Petrobras e dirigente da Sete Brasil), voltou para mim e falou: ‘Olha, esse 1%… vocês vão ser procurados por um interlocutor do PT, o sapo barbudo deu instrução. Ele me disse que 1% vai ser todo pago para o PT, porque não querem empresas estrangeiras pagando esses dois terços para o PT. Eles têm confiança na Odebrecht”, relatou Araújo na sua delação. A conversa de Araújo com Barusco aconteceu em 2012, depois da assinatura do contrato com o consórcio formado pela Odebrecht, OAS e UTC, além da japonesa Kawasaki. “A conversa foi no Rio. Normalmente eu almoçava com o Pedro Barusco. Só eu e ele”, asseverou Araújo, explicando que as seis sondas da Sete Brasil para a Petrobras custariam US$ 4,8 bilhões. Barusco disse, então, a Araújo que estava acertado que 1% das seis sondas era na proporção de um terço para a “casa” (dirigentes da Petrobras) e dois terços para o PT (R$ 102 milhões). Quem receberia essa propina seria o então tesoureiro João Vaccari, preso em Curitiba. É aí que Palocci entra em cena. O superior de Rogério Araújo, o executivo Marcio Farias disse que o ex-ministro Palocci havia lhe pedido uma reconsideração na propina da Sete Brasil. Ou seja, que os 100% de 1% fossem destinados para o PT, pois Lula entrou no negócio e estava pleiteando a metade do valor.


87

Como a operação precisava do aval do topo da hierarquia do esquema, Marcelo Odebrecht foi acionado. Ele, então, mandou chamar Palocci e disse que as comissões da Sete Brasil destinadas ao PT já estavam incluídas na conta corrente do partido no Setor de Operações Estruturadas, o “departamento de propina” da empresa, entre as quais a “Italiano” (Palocci), o “Pós-Itália” (Mantega) e o “Amigo” (Lula). Essa conta, que Palocci atestará que é mesmo dele, chegou a somar R$ 200 milhões em 2012. Se sua delação for aceita pelos procuradores, Palocci irá confirmar não só o encontro com Marcelo como os valores da propina repassada para Lula, dinheiro este derivado da Sete Brasil e que já estava contemplado na planilha da empreiteira – perfazendo um total de R$ 51 milhões.


ESTALEIRO de ILEGALIDADES Os contratos das sondas da Sete Brasil renderam US$ 48 milhões em propinas
ESTALEIRO DE ILEGALIDADES Os contratos das sondas da Sete Brasil renderam US$ 48 milhões em propinas (Crédito:Eraldo Peres/AP Photo)

Como na exuberante movimentação bancária do ex-ministro entre 2010 e 2015, boa parte dos recursos depositados era oriunda de sua empresa, a Projeto, as consultorias de Palocci merecerão um capítulo à parte em sua delação. Os serviços contratados iam além dos conselhos. Muitas vezes, os serviços de consultoria nem eram prestados. Traduziam-se em lobby. Em português claro: tráfico de influência em favor de grandes empresas junto aos governos petistas. Na condição de interlocutor preferencial da banca e da meca do PIB nacional, Palocci teria negociado ajuda a várias empresas e bancos. Por isso, segundo seus interlocutores, ele promete contar os bastidores das concessões de benesses a grupos econômicos.
Quem tem mais a perder, no entanto, é PT. E o próprio Lula. Não por acaso, o partido entrou em parafuso quando Palocci sinalizou que estava disposto a partir para a delação. Nos últimos dias, dirigentes do partido e emissários do ex-presidente foram escalados para ir a Curitiba, onde o ex-ministro está preso. Todos ainda acalentam o sonho de que Palocci volte atrás. A despeito de as ofertas serem muitas, e tentadoras, o ex-ministro já avisou: não pretende recuar. Prevendo um novo infortúnio, petistas que conviveram com Palocci no Congresso já têm até em mente uma daquelas narrativas espertas destinadas a desvincular Lula de todo e qualquer crime que tenha cometido com o testemunho e a cumplicidade metódica de Palocci. Eles mencionam um caráter supostamente “individualista” do ex-ministro, desde que debutou para a política em Ribeirão Preto. Claro, só os convertidos, e inocentes úteis, vão cair em mais essa catilinária.

GENERAL COMUNISTA DEVERÁ SER SUBSTITUÍDO NO COMANDO DO EXÉRCITO




Nomeado Comandante do Exército por uma vagabunda-petista, estelionatária e ex-terrorista, o General Melancia deve, segundo a fonte da notícia abaixo, ser mandado para reserva - Será para SEMPRE lembrado como um General que debochou dos brasileiros que imploraram por Intervenção Militar. Não merece respeito nenhum - já vai tarde ! 

De acordo com a coluna Esplanada, o presidente Michel Temer teria iniciado uma articulação sigilosa para a troca – com data ainda a determinar – do comando do Exército.


O General Villas Bôas está com grave problema de saúde e por isso deve deixar o comando. 
Ainda de acordo com a coluna, o governo estaria articulando a promoção do general Sérgio Westphalen Etchegoyen, atual chefe do  GSI (Gabinete de Segurança Institucional), para assumir o Comando da Força. 
Etchegoyen é benquisto no Exército e já comandou o Estado Maior.
Já a população que acompanha de perto as movimentações na caserna tem outra sugestão:
General Antonio Hamilton Martins Mourão é o nome dele. Ele foi transferido em 2015 do Comando Militar do Sul para a  Secretaria de Economia e Finanças do Exército, em Brasília.
A decisão de afastá-lo do comando foi tomada pelo General Villas Bôas, em virtude das declarações dadas a oficiais da reserva na qual fez duras críticas à classe política, ao governo e convocou os presentes para "o despertar de uma luta patriótica". 
Na época, o então comandante militar do Sul fez também críticas indiretas à presidente Dilma Rousseff e, ao comentar a possibilidade de impeachment de Dilma, disse que "a mera substituição da PR( presidente da República) não trará mudança significativa no 'status quo'" e que "a vantagem da mudança seria o descarte da incompetência, má gestão e corrupção". fonte da notícia AQUI

Esposa de Gilmar Mendes trabalha em escritório que defende Eike Batista, denunciam jornalistas

Esposa de Gilmar Mendes trabalha em escritório que defende Eike Batista, denunciam jornalistas:



Sexta_04_09_2009_2.jpg
Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O ministro Gilmar Mendes mandou soltar o empresário Eike Batista, causando uma enxurrada de críticas. O site O Antagonista afirmou que o ministro não deveria ter agido no caso: "Gilmar Mendes não se sentiu nem um pouquinho constrangido em libertar Eike Batista, embora sua mulher (Guiomar) trabalhe no escritório de Sérgio Bermudes, advogado de Eike em causas cíveis".
Mais informações »


AO VIVO - VAGABUNDOS PETISTAS Lula e Dilma participam de showzinho no Rio Grande do Sul

Lula e Dilma participam de showzinho no Rio Grande do Sul:

Assista ao ato para a claque petista na cidade gaúcha de Rio Grande, a pretexto de defender a "indústria naval brasileira". Lula e Dilma estão lá.






29 de Abril de 1945: II Guerra Mundial. O 7ºExército dos EUA liberta o campo de concentração de Dachau.

29 de Abril de 1945: II Guerra Mundial. O 7ºExército dos EUA liberta o campo de concentração de Dachau.:

O campo de concentração de Dachau foi o primeiro criado pelo governo nazi. Heinrich Himmler, chefe da polícia de Munique, descreveu-o oficialmente como “o primeiro campo de concentração para prisioneiros políticos”. Foi construído nas dependências de uma fábrica de munições abandonada, a cerca de 15 quilómetros a noroeste de Munique, no sul da Alemanha.

Dachau serviu como protótipo e modelo para os outros campos. Tinha uma organização básica, com prédios desenhados pelo comandante Theodor Eicke. Dispunha de um campo distinto, perto do centro de comando, com salas de estar, administração e instalações para os soldados. Eicke tornou-se ainda o inspector-chefe para todos os campos de concentração.

Cerca de 200 mil prisioneiros de mais de 30 países foram "hospedados" em Dachau, dos quais aproximadamente um terço era judeu. Acredita-se que mais de 35.600 prisioneiros foram mortos no campo, principalmente por doenças, má nutrição e suicídio. No começo de 1945, houve uma epidemia de tifo no local, seguida de uma evacuação em massa, dizimando boa parte dos prisioneiros.

A par de Auschwitz-Birkenau, Dachau tornou-se um símbolo de campo de concentração nazi. KZ Dachau tem um significado bastante forte na memória pública porque foi o segundo campo a ser libertado pelas forças aliadas anglo-americanas. O primeiro havia sido Auschwitz, libertado pelo Exército Vermelho. Ambos expuseram aos olhos do mundo a realidade da brutalidade nazi.

Dachau foi dividido em duas secções: a área do campo e o crematório. A área do campo consistia em 32 barracas, incluindo uma para o clero aprisionado e os opositores do regime nazi e outra reservada para as experiências médicas. O pátio entre a prisão e a cozinha central foi usado para a execução sumária de prisioneiros. Uma cerca eléctrica de arame farpado, uma vala e um muro com torres de observação rodeavam o campo.

No início de 1937, as SS, usando a mão-de-obra dos prisioneiros, iniciaram a construção de uma grande rede de prédios nos fundos do campo original. Os prisioneiros eram forçados, sob terríveis condições, ao trabalho, começando com a destruição das velhas fábricas de munição. A construção  deu-se por concluída em meados de Agosto de 1938.

Dachau foi o campo mais activo durante o Terceiro Reich. A área incluía ainda outras fábricas da SS, uma escola de economia e serviço civil e a escola médica dos SS. O campo, chamado de "campo de custódia", ocupava menos da metade de toda a área.
Dachau também serviu como campo central para prisioneiros católicos. De acordo com a Igreja Católica Romana, pelo menos 3.000 religiosos, diáconos, padres e bispos foram lá confinados. Em Agosto de 1944, abriu-se um campo feminino dentro de Dachau. A primeira "carga" de mulheres veio de Auschwitz-Birkenau.

Nos últimos meses da guerra, as condições de Dachau pioraram. Quando as forças aliadas avançaram sobre a Alemanha, os nazis começaram a remover os prisioneiros dos campos perto da frente de batalha. Depois de vários dias de viagem, com pouca ou nenhuma comida e água, os prisioneiros chegavam extenuados. Muitos morriam pelo caminho. A epidemia de tifo tornou-se um sério problema devido ao excesso de prisioneiros, condições sanitárias precárias, provisões insuficientes e o estado de fraqueza dos prisioneiros. Até ao dia da libertação, 15 mil pessoas morreram e 500 prisioneiros russos foram executados.

Em 27 de Abril de 1945, Victor Maurer, delegado do Comité Internacional da Cruz Vermelha, foi autorizado a entrar nos campos e distribuir comida. Na noite do mesmo dia, um transporte de prisioneiros chegou de Buchenwald. Somente 800 sobreviventes foram resgatados, dos aproximadamente 4.500. Mais de 2.300 cadáveres foram deixados dentro do comboio. O último comandante do campo, Obersturmbannführer (Tenente-Coronel) Eduard Weiter, fugiu em 26 de Abril.

Em 28 de Abril de 1945, o dia anterior à rendição, Martin Weiss, que comandara o campo de Setembro de 1942 até Novembro de 1943, deixou Dachau juntamente com a maioria dos guardas e administradores do campo.

Maurer tentou persuadir o  tenente Johannes Otto, ajudante do comandante Weiss, a não abandonar o campo, mantendo guardas para controlar os prisioneiros até que os norte-americanos chegassem. Ele temia que os prisioneiros pudessem fugir em massa e espalhar a epidemia de tifo.

Um dia depois, foi hasteada uma bandeira branca na torre do campo.

Fontes: Opera Mundi

wikipedia (imagens)



File:Survivors liberation dachau.jpg




Os sobreviventes do campo, Abril de 1945



File:Prisoner's barracks dachau.jpg
O Campo em 1945