Ataque Aberto

"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

domingo, 13 de junho de 2021

Vai terminar em violência

Vai terminar em violência:


O bolsonarismo vai descambar em violência.

É o que diz o general Santos Cruz, que conhece aqueles golpistas. Leia um trecho de seu importantíssimo artigo no Estadão:

"A mentalidade anarquista do presidente age para destruir e desmoralizar as instituições...

Leia este conteúdo na integra em: Vai terminar em violência

13 de Junho de 1888 : Nasce Fernando Pessoa

 domingo, 13 de junho de 2021

13 de Junho de 1888 : Nasce Fernando Pessoa

Poeta, ficcionista, dramaturgo, filósofo, prosador, Fernando Pessoa é, inequivocamente, a mais complexa personalidade literária portuguesa e europeia do século XX. Após a morte do pai, partiu com sete anos para a África do Sul onde o seu padrasto ocupava o cargo de cônsul interino. Durante os dez anos que aí viveu, realizou com distinção os estudos liceais e redigiu alguns dos seus primeiros textos poéticos, atribuídos a pseudónimos, entre os quais se salienta o de Alexander Search. Com dezassete anos, abandona a família e regressa a Portugal, com a intenção de ingressar no Curso Superior de Letras. Em Lisboa, acaba por abandonar os estudos, sobrevive como correspondente comercial de inglês e dedica-se a uma vida literária intensa. Desenvolve colaboração com publicações (algumas delas dirigidas por si) como A República, Teatro, A Águia, A Renascença, Eh Real, O Jornal, A Capital, Exílio, Centauro, Portugal Futurista, Athena, Contemporânea, Revista Portuguesa, Presença, O Imparcial, O Mundo Português, Sudoeste, Momento. Com Mário de Sá-Carneiro e Almada Negreiros, entre outros, leva, em 1915, a cabo o projeto de Orpheu, revista que assinala a afirmação do modernismo português e cujo impacto cultural e literário só pôde cabalmente ser avaliado por gerações posteriores. Tendo publicado em vida, em volume, apenas os seus poemas ingleses e o poema épico Mensagem, a bibliografia que legou à contemporaneidade é de tal forma extensa que o conhecimento da sua obra se encontra em curso, sendo alargado ou aprofundado à medida que vão saindo para o prelo os textos que integram um vastíssimo espólio. Mais do que a dimensão dessa obra, cujos contornos ainda não são completamente conhecidos, profícua em projetos literários, em esboços de planos, em versões de textos, em interpretações e reflexões sobre si mesma, impõe-se, porém, a complexidade filosófica e literária de que se reveste. Dificilmente se pode chegar a sínteses simplistas diante de um autor que, além da obra assinada com o seu próprio nome, criou vários autores aparentemente autónomos e quase com existência real, os heterónimos, de que se destacam - o seu número eleva-se às dezenas - Ricardo Reis, Álvaro de Campos e Alberto Caeiro, cada um deles portador de uma identidade própria; de uma arte poética distinta; de uma evolução literária pessoal e ainda capazes de comentar as relações literárias e pessoais que estabelecem entre si. A esta poderosa mistificação acresce ainda a obra multifacetada do seu criador, que recobre vários géneros (teatro, poesia lírica e épica, prosa doutrinária e filosófica, teorização literária, narrativa policial, etc.), vários interesses (ocultismo, nacionalismo, misticismo, etc.) e várias correntes literárias (todas por si criadas e teorizadas, como o paulismo, o intersecionismo ou o sensacionismo). Elevando-se aos milhares de milhares as páginas já publicadas sobre a obra de Fernando Pessoa, e, muito particularmente, sobre o fenómeno da heteronímia, uma das premissas a ter em conta quando se aborda o universo pessoano é, como alerta Eduardo Lourenço, não cair no equívoco de "tomar Caeiro, Campos e Reis como fragmentos de uma totalidade que convenientemente interpretados e lidos permitiriam reconstituí-la ou pelo menos entrever o seu perfil global. A verdade é mais simples: os heterónimos são a Totalidade fragmentada [...]. Por isso mesmo e por essência não têm leitura individual, mas igualmente não têm dialéctica senão na luz dessa Totalidade de que não são partes, mas plurais e hierarquizadas maneiras de uma única e decisiva fragmentação. (p. 31) Avaliando a posteriori o significado global dessa aventura literária extraordinária revestem-se de particular relevo, como aspetos subjacentes a essas múltiplas realizações e a essa Totalidade entrevista, entre outros, o sentido de construtividade do poema (ou melhor, dos sistemas poéticos) e a capacidade de despersonalização obtida pela relação de reciprocidade estabelecida entre intelectualização e emoção. Nessa medida, a obra de Fernando Pessoa constitui uma referência incontornável no processo que conduz à afirmação da modernidade, nomeadamente pela subordinação da criação literária a um processo de fingimento que, segundo Fernando Guimarães, "representa o esbatimento da subjetividade que conduzirá à poesia dramática dos heterónimos, à procura da complexidade entendida como emocionalização de uma ideia e intelectualização de uma emoção, à admissão da essencialidade expressiva da arte" bem como à "valorização da própria estrutura das realizações literárias" (cf. O Modernismo Português e a sua Poética, Porto, Lello, 1999, p. 61). Deste modo, a poesia de Fernando Pessoa "Traçou pela sua própria existência o quadro dentro do qual se move a dialética mesma da nossa Modernidade", constituindo a matriz de uma filiação textual particularmente nítida à medida que a sua obra, e a dos heterónimos, ia, ao longo da década de 40, sendo descoberta e editada, a tal ponto que, a partir da sua aventura poética, se tornou impossível "escrever poesia como se a sua experiência não tivesse tido lugar." (LOURENÇO, Eduardo, cit. por MARTINHO, Fernando J. B. - Pessoa e a Moderna Poesia Portuguesa - do "Orpheu" a 1960, Lisboa, 1983, p. 157.)
Fernando Pessoa. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012.
wikipedia (Imagens)

Ficheiro:216 2310-Fernando-Pessoa.jpg

Fernando Pessoa em 1914
Ficheiro:Pessoacopo.jpg
"Fernando Pessoa em flagrante delitro": dedicatória na fotografia que ofereceu à namorada Ophélia Queiroz em 1929
 
Não sei quantas almas tenho
 
Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,
Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.
Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo: “Fui eu?”
Deus sabe, porque o escreveu.
 
 

"Namorados" (Sonho Triste)

 

“Namorados” (Sonho Triste)

(Milton Pires)

Morre, meu sonho …
Leva contigo a esperança
dela ficar comigo...ela, que
ao invés de “amor” me chamou
de “querido”, dizendo de início
que eu não a conheço e ao
fim que não me quer
magoar…

Morre, sonho triste, sonho
de casa, filhos ...um lar...leva
enfim minhas palavras mortas
como companheiras na tua
viagem final…Desço ao
inferno contigo ao
meu lado...

Tu vais morto, eu
acabado...sonhando
com ela me ter
conhecido...

Sonhando com ela
me ter namorado...

Junho de 21.

Previsão Sul - Geada na maior parte da Região

Previsão Sul - Geada na maior parte da Região:

Boletim de previsão do tempo contendo informações sobre previsão, temperatura mínima e máxima prevista, além de destaques relevantes dos últimos dias.

domingo, 6 de junho de 2021

Manaus tem madrugada de caos

Manaus tem madrugada de caos:


Em reação ao assassinato de um chefe do tráfico pela Polícia Militar, integrantes do Comando Vermelho incendiaram nesta madrugada 14 ônibus, duas viaturas da polícia e uma ambulância em Manaus.

Os bandidos obrigaram passageiros...

Leia este conteúdo na integra em: Manaus tem madrugada de caos

Estelionatário que vendia "água consagrada" para curar COVID19 é Intubado.

R.R. Soares é intubado:


Diagnosticado com Covid, o missionário R.R. Soares, de 73 anos, precisou ser intubado neste sábado, segundo o jornal O Dia. 

Líder da Igreja Internacional da Graça de Deus...

Leia este conteúdo na integra em: R.R. Soares é intubado

Líder Fascista é o maior influenciador digital da cloroquina no mundo

Bolsonaro é o maior influenciador digital da cloroquina no mundo:


Levantamento do Estadão, com base em análise feita com a ferramenta CrowdTangle, mostra que Jair Bolsonaro é o maior influenciador digital da cloroquina no Facebook.

As postagens do presidente sobre...

Leia este conteúdo na integra em: Bolsonaro é o maior influenciador digital da cloroquina no mundo

“Temos uma previsão de aumento de casos nos próximos dias”

“Temos uma previsão de aumento de casos nos próximos dias”:


O secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, disse que o governo paulistano prevê um pico de internações em leitos de UTI na segunda quinzena de junho.

“A gente começa a observar uma...

Leia este conteúdo na integra em: “Temos uma previsão de aumento de casos nos próximos dias”

Organização Criminosa Petista prepara documento para marcar os cinco anos da queda do Quadrúpede.

PT prepara documento para marcar os cinco anos da queda de Dilma:

DILMA-ROUSSEFF-IMPEACHMENT-2015-263.jpg.

A cúpula do PT produziu um longo documento para marcar os cinco anos do impeachment de Dilma Rousseff.

Elaborado pelas cabeças mais importantes do partido nos anos de governo da petista, o estudo tem o objetivo de mostrar “tudo que o Brasil perdeu” até este momento, com os atos desencadeados a partir da queda da petista.

O material será divulgado em agosto. Cartas para a redação.

Anexos:

Previsão Sul - Chuva se espalha pela Região

Previsão Sul - Chuva se espalha pela Região:

Boletim de previsão do tempo contendo informações sobre previsão, temperatura mínima e máxima prevista, além de destaques relevantes dos últimos dias.

06 de Junho de 1944: Dia D, desembarque das tropas aliadas na Normandia

50
6h

por Carla Brito via Estórias da História

Assim se designa o dia 6 de junho de 1944, em que foi efetuado um desembarque em massa de tropas aliadas nas praias da Normandia. A situação militar na Europa continental era, naquele momento, estrategicamente desfavorável às Forças Armadas alemãs, que dominavam grande parte do continente mas se debatiam com dificuldades cada vez maiores para continuar a guerra. O objetivo estratégico da "Operação Overlord" (nome de código do desembarque) era forçar as tropas alemãs a bater-se em duas frentes (as tropas soviéticas avançavam na Frente Leste), a fim de acelerar o fim do conflito.Compreendendo as intenções dos Aliados, o marechal alemão Erwin Rommel fortificou as praias do norte da França onde, na sua opinião, seria mais lógico o desembarque, visto corresponder à menor largura do Canal da Mancha. Foi contra esta Muralha da Europa (milhões de minas, obstáculos, bunkers, campos deliberadamente inundados) que se lançaram as tropas aliadas (ingleses, americanos, canadianos, forças francesas do exterior, entre outras) sob o comando supremo do general norte-americano Dwight ("Ike") Eisenhower. As operações aliadas englobaram o bombardeamento aéreo de posições na costa e na rectaguarda, a sabotagem de objetivos selecionados por comandos de paraquedistas e por núcleos da Resistência francesa, o bombardeamento naval das costas e o desembarque de forças transportadas por meios aéreos, navais e anfíbios, num total de mais de cem mil homens, que se lançaram sobre as fortificações da costa e as neutralizaram ao fim de um dia de combate árduo e extremamente mortífero.Vários fatores colocaram os comandos alemães em desvantagem: a ausência de Rommel, a incapacidade de prever a data da operação, a divergência de opiniões ao mais alto nível (Rommel opinava que a Normandia seria o local ideal para a operação, Hitler estava convicto de que ela iria ter lugar mais a norte). Consumado o desembarque e a rutura das defesas, os aliados ficaram com o caminho aberto para o coração da Europa ocupada e criaram a Segunda Frente que muitos (particularmente Estaline) exigiam havia muito.

Dia D. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012.
wikipedia (Imagens)



Desembarque na praia de Omaha, na Normandia, 6 de Junho de 1944, durante a Operação Neptuno


Praia de Omaha na manhã seguinte ao Dia D


sábado, 5 de junho de 2021

Previsão Sul - Temporais na fronteira do RS com o Uruguai

Previsão Sul - Temporais na fronteira do RS com o Uruguai:

Boletim de previsão do tempo contendo informações sobre previsão, temperatura mínima e máxima prevista, além de destaques relevantes dos últimos dias.

05 de Junho de 1723: Nasce o economista Adam Smith, fundador da moderna teoria económica, autor de "Inquérito à Causa e Natureza da Riqueza das Nações".

05 de Junho de 1723: Nasce o economista Adam Smith, fundador da moderna teoria económica, autor de "Inquérito à Causa e Natureza da Riqueza das Nações".:

 Defendendo o valor do interesse individual para garantir o interesse público, Adam Smith criou, na sua "A Riqueza das Nações", o conceito de "mão invisível do mercado", fundamental para a doutrina do liberalismo.


Filho de um fiscal da alfândega, Adam Smith fez os seus primeiros estudos em Kirkcaldy , a sua cidade natal. Aos 14 anos, ingressou na Universidade de Glasgow, onde se formou em 1740 e conseguiu uma bolsa de estudos para a Universidade de Oxford, onde estudou filosofia.

Seis anos depois, retornou à Escócia e tornou-se conferencista público em Edimburgo. Adquiriu reconhecimento como filósofo, o que lhe proporcionou ser professor de lógica na Universidade de Glasgow, em 1751. No ano seguinte, passou a leccionar filosofia moral, cadeira pleiteada alguns anos antes, sem sucesso, pelo filósofo David Hume.

Nessa época, travou  relações com nobres e altos funcionários, frequentando a sociedade de Glasgow e, em 1758, foi eleito reitor da Universidade. O seu primeiro trabalho, "A Teoria dos Sentimentos Morais", foi publicado no ano seguinte.

Por intermédio do político Charles Townshend, foi convidado para o cargo de tutor do duque de Buccleuch. Em 1763, Adam Smith renunciou ao seu posto na Universidade de Glasgow e mudou-se para  França. Passou quase um ano na cidade de Toulouse e depois foi para Genebra, onde se encontrou com o filósofo Voltaire.

Já em Paris, Adam Smith pode frequentar os salões literários e travou contacto com os filósofos iluministas. Um incidente com um irmão do seu pupilo, no entanto, obrigou Adam Smith a ir para Londres, onde passou a residir.

Em 1767, Smith retornou a Kirkcaldy, onde iniciou a elaboração e revisão de sua célebre teoria económica. Passou mais três anos em Londres, onde o seu livro foi concluído. "Uma Investigação sobre a Natureza e as Causas da Riqueza das Nações" foi publicado em 1776, tornando-se um dos mais influentes livros de teoria moral e económica do mundo. As teorias formuladas em "A Riqueza das Nações" lançaram as bases do liberalismo, como a teoria da livre concorrência e o conceito de livre mercado.

Depois da publicação do livro, tornou-se comissário da alfândega na Escócia, o que lhe garantiu bons proventos. Reconhecido e considerado pelos  seus contemporâneos, Adam Smith morreu em 1790, aos 67 anos.
wikipedia (imagens)

Adam_Smith_The_Muir_portrait.jpg

Adam Smith

Wealth_of_Nations.jpg



A Riqueza das Nações - Adam Simth




sexta-feira, 4 de junho de 2021

O risco de o Exército aceitar a quebra da disciplina militar por Pazuello

O risco de o Exército aceitar a quebra da disciplina militar por Pazuello:

O anexo I do regulamento disciplinar do Exército relaciona uma série de atos que são transgressões. Um deles é o de participar de manifestação de cunho político. Quem explicou isso recentemente foi o general Hamilton Mourão.

O vice-presidente achava que Pazuello tinha que ser punido. Não era o único a pensar assim, afinal essa é a ordem nas Forças Armadas, seguir rigorosamente a disciplina militar.

Pazuello desrespeitou essa norma, mas disse que não estava desrespeitando e não foi punido. Essa decisão significa, para a maioria dos analistas militares, a “aceitação do inaceitável desrespeito à disciplina dos quartéis”.

A decisão do general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira de não punir Pazuello representa uma rachadura na estrutura de concreto que é o código de conduta dos militares que impede a politização das Forças Armadas. O comandante poderia ter optado por uma punição branda, como a de uma admoestação por escrito.

Mas nem isso Pazuello aceitou, já que marcaria a sua biografia militar. Na caserna – ou internamente nas Forças Armadas – uma chamada disciplinar fica para sempre como mancha na história do militar. O que acontece é que o registro permanece como uma falha na chamada Folha de Alterações, que reúne detalhadamente o histórico no Exército. Ou seja, ficará registrado para sempre que ele recebeu uma reprimenda do comandante.

O fato é que o general Eduardo Pazzuelo fez uma participação ostensiva num ato político. Exatamente o que era proibido. Até o fato de ir para o palanque sem máscara – a mesma que garantira usar quando depôs na CPI – era parte do show político-eleitoral de Jair Bolsonaro.

O temor da maioria dos analistas é que a partir de agora haja uma submissão do Exército ao grupo político do presidente, e ao mesmo tempo seja um estímulo para outros atos de indisciplina.

Como disse recentemente o general Santos Cruz, a ordem no Exército é uma só. “De soldado a general tem que ser as mesmas normas e valores. O presidente e um militar da ativa mergulharem o Exército na política é irresponsável e perigoso”, disse o militar da reserva. Na decisão de não punir Pazuello, o próprio comandante fez também esse perigoso mergulho.

Bolsonaro engoliu os generais

Bolsonaro engoliu os generais:

O capitão da reserva Jair Bolsonaro impôs ao comandante do Exército, general Paulo Sergio, a absolvição do general Eduardo Pazuello por ter infringido os Estatuto Militar e o Código Disciplinar do Exército e ter participado de um comício com motociclistas pela reeleição do presidente. É a maior humilhação sofrida por um comandante das Forças Armadas desde a derrota de Passo do Rosário, que decretou a perda da Guerra Cisplatina em 1827.

O general Paulo Sergio passou a mão na cabeça de Pazuello pelo medo de perder a própria cabeça. Em março, o presidente demitiu o ministro da Defesa e os comandantes das três forças porque duvidava da lealdade ao seu projeto de poder. O general Paulo Sergio sabia de antemão que qualquer ato seu contra Pazuello teria como consequência a sua demissão.

Sabendo da pressão do presidente, dois ex-presidentes do Superior Tribunal Militar (STM) deram declarações públicas de que houve evidente quebra de disciplina e que deixar Pazuello impune abria riscos de anarquia. Até o vice-presidente Hamilton Mourão, punido administrativamente por declarações golpistas nos governos Dilma e Temer, foi à público defender uma punição para que o Exército não virasse uma “anarquia”, a maior ofensa no léxico militar. O Exército se rendeu.

Antes do Exército, Bolsonaro já havia feitos intervenções claras no comando da Procuradoria Geral da República, Polícia Federal, Receita Federal e ajudado a eleger um militante seu na presidência da Câmara. É notória a boa relação de Bolsonaro nas Polícias Militares, e a ação dos soldados contra os antibolsonaristas no Recife e em Goiânia mostra como é tênue o poder dos governadores sobre as tropas.

Qualquer tática que os vários candidatos a presidente imaginem a partir de agora deve tentar responder como se constrói uma eleição democrática quando um dos lados tem um poder imperial sobre tropas armadas? Como se assegura que os eleitores terão a oportunidade de votar livremente em outubro do ano que vem quando um dos lados desde agora já insinua que haverá fraudes e que ele não aceitará outro resultado que não a sua vitória? Se Pazuello saiu de um comício bolsonarista sem ao menos uma reprimenda verbal, quem vai segurar um general a mover suas tropas caso Bolsonaro não seja reeleito em 2022? Ninguém. E este risco deve ser levado em conta a partir de hoje.

Convite à anarquia

Convite à anarquia:

O comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira, dobrou-se à vontade do comandante chefe das Forças Armadas, o presidente da República. Seria um ato de respeito à hierarquia não tivesse origem numa atitude de insubordinação de um general da ativa, provocada por Jair Bolsonaro que deixou patente a intenção de revogar quaisquer punições a Eduardo Pazuello quando o abrigou numa sinecura no Palácio do Planalto.

Com isso, o presidente afrontou a Constituição pela qual está obrigado a zelar pela ordem. Está, assim, praticamente pedindo para sofrer um processo de impeachment.

O comandante do Exército não tinha muita saída, pois qualquer que fosse sua decisão já estava claro que Bolsonaro faria valer sua condição de comandante supremo. O general Paulo Sérgio poderia renunciar ao posto. Salvaria sua biografia, mas não livraria o Exército, e por extensão as Forças Armadas, da humilhação e da abertura de um precedente à anarquia.

E essa permissão para que as tropas se sintam autorizadas a manifestar preferências políticas na campanha eleitoral de 2022, parece ser a intenção do presidente da República que conta com o apoio das patentes mais baixas, as mesmas que já se mobilizam na defesa dele. Movimento claramente presente nas polícias militares país afora.

Os militares e seus altos comandos estão de mãos atadas. Deles não se pode esperar qualquer reação no sentido de conter as tendências autoritárias e, sobretudo, anárquicas, do presidente da República. Tarefa, portanto, a ser cumprida pelas instituições civis. O Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal, aquelas constitucionalmente autorizadas a impedir o avanço de um presidente claramente empenhado em mergulhar o Brasil no caos.

Previsão Sul - Pancadas de chuva em áreas do RS

Previsão Sul - Pancadas de chuva em áreas do RS:

Boletim de previsão do tempo contendo informações sobre previsão, temperatura mínima e máxima prevista, além de destaques relevantes dos últimos dias.

04 de Junho de 1989: Massacre de Tiananmen na China

04 de Junho de 1989: Massacre de Tiananmen na China:

 A 4 de junho de 1989, a China encerrou de forma brutal o protesto em massa por liberdade e democracia, na Praça da Paz Celestial (Tiananmen). A violência militar teve um saldo de 3,6 mil mortos e 60 mil feridos, aproximadamente.

Era uma noite quente quando os tanques cercaram a Praça da Paz Celestial, em Pequim. Foram apagadas as luzes  da praça e iniciou-se a violência.
Cerca de 40 mil soldados haviam sido chamados do norte do país, depois do batalhão estacionado na capital se ter negado a cumprir as ordens para acabar com a manifestação pacífica por liberdade e democracia, promovida durante seis semanas na praça central. Já os soldados do interior da Mongólia, com os seus experientes oficiais que haviam lutado no Vietname, não conheciam estes escrúpulos.

Os tanques invadiram a praça e atropelaram os manifestantes. Até hoje, não se sabe o número exato de mortos, calculado entre 2 e 5 mil pessoas. Também estudantes que tentaram ajudar os feridos foram mortos.

Os protestos tiveram início seis semanas antes, após a morte do chefe do partido, Hu Yaobang. No dia 18 de Abril, milhares de universitários  dirigiram-se em protesto para a praça central da capital chinesa. Eles reivindicavam a democratização do Partido Comunista e o combate à corrupção.

No dia 26 de Abril, o jornal Renmin Ribao, órgão oficial do governo em Pequim, criticou de forma severa o movimento estudantil e anunciou medidas repressivas no seu editorial. Ignorando a advertência, outros milhares de estudantes de 40 universidades do país deslocaram-se até a praça. Também os jornalistas se solidarizaram com o movimento e, pela primeira vez, promoveram uma manifestação exigindo liberdade de imprensa.

Nos primeiros dias do mês de Maio, entretanto, ficava clara a cisão dentro da cúpula política. Enquanto o chefe do partido, Zhao Ziyang, mostrava compreensão em relação às reivindicações estudantis, o primeiro-ministro, Li Peng, e Deng Xiaoping defendiam a linha-dura.

A 13 de Maio, os universitários reunidos na praça iniciaram a greve de fome, alguns inclusive recusavam-se a beber água. Li Peng  decretou no dia 20 de Maio a lei marcial. Pouco depois, Zhao Ziyang foi deposto, selando a vitória da linha-dura do governo chinês.

A cisão começava a delinear-se também entre os manifestantes. Os mais radicais negavam-se a seguir a sugestão feita pela Aliança Universitária de Pequim, de encerrar a manifestação. No dia 29, artistas chegaram a elaborar uma estátua de espuma em homenagem à democracia, de 10 metros de altura, em plena Praça da Paz Celestial.

Na noite de 4 para 5 de Junho, os tanques e camiões com soldados avançaram sem piedade sobre os milhares de estudantes. A temida guerra civil como consequência do massacre acabou por não acontecer. O movimento pela democracia foi sufocado em sangue e a imprensa subjugada ao controlo estatal.


 Fontes:DW
wikipedia(imagens)

O_Rebelde_Desconhecido.jpg


T01 19233951.jpg

quinta-feira, 3 de junho de 2021

Vagabundo Petista deve TUDO ao Fascismo.

<span class="ssssschl">Lula</span> deve tudo a Bolsonaro:


Lula quer Jair Bolsonaro no poder até 2022, porque o fedor de cadáver do sociopata encobre seu fedor de propina.

Guilherme Boulos pediu o impeachment do presidente e a posse de Hamilton Mourão, mas o plano da esquerda é o oposto...

Leia este conteúdo na integra em: Lula deve tudo a Bolsonaro

Nise teve cargo no Ministério da Saúde no governo dos Vagabundos Petistas.

Nise teve cargo no Ministério da Saúde no governo <span class="ssssschl">Lula</span>:


Em sua fala inicial na CPI da Covid, Nise Yamaguchi disse que colaborou com o governo Lula, nas gestões de José Gomes Temporão e de Alexandre Padilha no Ministério da Saúde...

Leia este conteúdo na integra em: Nise teve cargo no Ministério da Saúde no governo Lula

Líder Fascista diz que Vagabundo Petista “grunhe” e chama Quadrúpede Búlgaro de “quadrúpede”

Bolsonaro diz que <span class="ssssschl">Lula</span> “grunhe” e chama Dilma de “quadrúpede”:


Jair Bolsonaro disse hoje a apoiadores que o ex-presidiário Lula "grunhe" e que Dilma Rousseff é uma "quadrúpede". As afirmações foram dadas em resposta a perguntas sobre a economia do país em meio à pandemia...

Leia este conteúdo na integra em: Bolsonaro diz que Lula “grunhe” e chama Dilma de “quadrúpede”

CFM bolsonarista divulga moção de repúdio por ‘respeito’ na CPI da Covid

CFM bolsonarista divulga moção de repúdio por ‘respeito’ na CPI da Covid:


Alinhado a Jair Bolsonaro, o Conselho Federal de Medicina divulgou nesta quarta-feira (2) uma moção de repúdio "em virtude de atitudes adotadas por alguns senadores na condução dos trabalhos" da CPI da Covid...

Leia este conteúdo na integra em: CFM bolsonarista divulga moção de repúdio por ‘respeito’ na CPI da Covid

Luana Araújo dá aula de ciência na CPI da Covid

Luana Araújo dá aula de ciência na CPI da Covid:


No Papo Antagonista desta quarta-feira, Claudio Dantas e Mario Sabino comentaram o depoimento da infectologista Luana Araújo à CPI da Covid. A médica, que chegou a ser indicada para a Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Pandemia do Ministério da Saúde, deu uma aula de ciência aos negacionistas e reforçou que não existe tratamento precoce contra a Covid...

Leia este conteúdo na integra em: Luana Araújo dá aula de ciência na CPI da Covid

Anexos:

Advogado que assessorou Nise atua junto ao CFM, que ‘repudiou’ tratamento da CPI

Advogado que assessorou Nise atua junto ao CFM, que ‘repudiou’ tratamento da CPI:


Nise Yamaguchi foi assessorada ontem na CPI da Covid pelo advogado Raul Canal, que atua junto ao Conselho Federal de Medicina e a conselhos regionais...

Leia este conteúdo na integra em: Advogado que assessorou Nise atua junto ao CFM, que ‘repudiou’ tratamento da CPI

Líder Fascista usa rede nacional de rádio e TV para fazer propaganda de seu governo

Bolsonaro usa rede nacional de rádio e TV para fazer propaganda de seu governo:


Em pronunciamento em rede nacional há pouco, Jair Bolsonaro voltou a fazer propaganda de seu governo. Dedicou alguns segundos para lamentar as mais de 460 mil vidas perdidas durante a pandemia e passou o resto do tempo falando de como o Brasil está uma maravilha...

Leia este conteúdo na integra em: Bolsonaro usa rede nacional de rádio e TV para fazer propaganda de seu governo

Previsão Sul - Sol predomina na Região

Previsão Sul - Sol predomina na Região:

Boletim de previsão do tempo contendo informações sobre previsão, temperatura mínima e máxima prevista, além de destaques relevantes dos últimos dias.

03 de Junho de 1924: Morre o escritor checo Franz Kafka,autor de "Processo", "América", "Metamorfose".

03 de Junho de 1924: Morre o escritor checo Franz Kafka,autor de "Processo", "América", "Metamorfose".:

 Escritor checo de ascendência judaica e expressão alemã, Franz Kafka nasceu no dia 3 de julho de 1883, em Praga, cidade que na época pertencia à monarquia austro-húngara. Filho de um abastado comerciante judeu, Kafka cresceu sob as influências de três culturas: a judaica, a checa e a alemã.

Estudou Direito durante alguns anos, mas em 1917 contraiu a doença que constituía naquela época, o flagelo da humanidade, -a tuberculose-, que o acompanhou sempre durante o resto da sua existência.
A sua obra literária é essencialmente composta por romances e contos. Como contista Kafka aproxima-se do Expressionismo, sem que, contudo possa ou deva ser enquadrado em qualquer movimento literário. O cunho do seu "mundo" é o homem angustiado, obrigado a viver uma vida absurda, paradoxal, o homem solitário moderno, na sua angústia constante sem remédio. Situações e cenas ambíguas e grotescas transformam-se em representações  de sonho e de visão que, fazem lembrar o Surrealismo, que Kafka grandemente influenciou. A profundidade e a riqueza das suas parábolas, dos seus símbolos e dos seus motivos têm provocado, todavia, múltiplas e diferentes apreciações respeitantes ao valor real da sua obra No entanto Kafka é geralmente considerado como o renovador do género épico narrativo contemporâneo de repercussão universal. 
A Metamorfose (1916) narra o caso de um homem que acorda transformado em gigantesco insecto; O Processo (1925) conta a história de um certo Josef K., julgado e condenado por um crime que ele mesmo ignora;  em O Castelo (1926), o agrimensor K. não consegue ter acesso aos senhores que o contrataram. Estas três obras-primas definem não apenas boa parte do que se conhece até hoje como "literatura moderna", mas o próprio caráter do século: "kafkiano".
Autor de várias coletâneas de contos, Kafka escreveu também a avassaladora Carta ao Pai (1919) e centenas de páginas de diários. Deixou inacabado o romance Amerika.
Morreu no dia 3 de junho de 1924, num sanatório perto de Viena, onde estava internado com tuberculose. Desde então, o seu legado -resgatado pelo amigo Max Brod- exerce enorme influência na literatura mundial.
Fontes: Franz Kafka. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. 
wikipedia (Imagens)

Ficheiro:Kafka1906.jpg

Fotografia de Franz Kafka  (1906)
Arquivo: De Kafka Brief an den Vater 001.jpg

Primeira página da Carta ao Pai de Franz Kafka

quarta-feira, 2 de junho de 2021

O TUBO.

 O Tubo


(Milton Pires)


90, 89...88%...meu Deus

do Céu, é o tubo! É o tubo

chegando outra vez...Eu

já fiz a video chamada, me

despedi da mulher e filhos,

eu senti aquela dor da agulha

enorme perto do osso que vai

até o ombro …


É o tubo ! O maldito tubo que

me espera, que me espreita sem

respeito, no meio da noite, dos

alarmes, de vozes rindo em tantas

conversas que eu já não posso

mais nem entender ..


O sono sobe pelo meu braço,

alguém deve ter feito alguma

coisa na minha veia...escuto

cada vez menos, tudo está

ficando escuro…


Minha vida inteira, nascimento

infância, primeira namorada e

casamento...passa diante de mim…


é o tubo chegando…


Cheguei ao FIM….


Outono de 21.

Prefeito de Goiânia posta foto em mesas lotadas e com só uma pessoa de máscara em restaurante

Prefeito de Goiânia posta foto em mesas lotadas e com só uma pessoa de máscara em restaurante:

aglomera-prefeito.jpg

Na última terça-feira (01), o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), publicou uma foto em uma confraternização com mesas lotadas e com apenas uma pessoa usando máscara em um restaurante da capital de Goiás. O post foi feito no Facebook do prefeito e excluído minutos depois, após repercussão negativa.

Em comunicado, a prefeitura afirmou que houve uma “confraternização privada” e que o estabelecimento foi fechado para uma comemoração especial, “obedecendo o decreto em vigor que estabelece o limite de 75 pessoas para eventos sociais”.

Segundo o G1, o município confirmou que o evento foi organizado pelo secretário de desenvolvimento e economia Paulo Henrique Rodrigues. Além de Rogério, outras 11 pessoas apareceram aglomeradas na mesa.

No registro divulgado, é possível ver que as mesas estão próximas umas das outras, enquanto o último decreto municipal, publicado em 26 de maio, determina que bares e restaurantes obedeçam um espaçamento de 1 a 2 metros de distância entre os assentos.

O post Prefeito de Goiânia posta foto em mesas lotadas e com só uma pessoa de máscara em restaurante apareceu primeiro em ISTOÉ Independente.

Homem morre por falta de oxigênio e família aponta negligência por parte de hospital

Homem morre por falta de oxigênio e família aponta negligência por parte de hospital:

homem-morre-por-falta-de-oxigenio.jpg

Clodoaldo Santos Fonseca, de 41 anos, foi uma das três pessoas que morreram na última segunda-feira (02), após uma falha técnica na rede de oxigênio no Ambulatório Médico de Especialidades (AME) em Santo André, no ABC Paulista. A família da vítima, que só soube da morte do paciente pela imprensa, afirmou que o homem morreu por falta de oxigênio e que o hospital omitiu a causa do óbito.

Segundo o UOL, a vítima estava internada no AME desde o dia 25 de maio. De acordo com o advogado Cláudio José Cirilo, os parentes de Clodoaldo só foram avisados sobre a morte do paciente depois de seis horas e a unidade de saúde não mencionou a falta de oxigênio. “O comunicado do hospital foi o padrão de sempre, que houve parada respiratória, que tentaram realizar o possível, mas infelizmente ele evoluiu para óbito. A falha técnica ela [esposa] só soube por terceiros”, disse.

Cláudio ainda confirmou que a família deve entrar com um processo contra o hospital, caso não haja nenhum amparo do estado ou do município. “Sabemos que nenhuma vida tem um valor definido, mas ela não pode ser tirada desta forma e deixar a família desamparada. Ele tinha a oportunidade de ver o filho crescer e por um erro lamentável isso não vai poder acontecer”, acrescentou.

Em comunicado direcionado ao UOL, a Fundação ABC, organização gestora da unidade de saúde, afirmou que lamenta o ocorrido na AME e que está “prestando total apoio e solidariedade às famílias, com suporte das áreas de Psicologia e Assistência Social”.

“A FUABC informa que instaurou sindicância para apurar responsabilidades, verificar o que de fato ocasionou a pane na usina e, principalmente, as razões pelas quais o sistema de backup, que deveria suportar a rede de oxigênio, não funcionou corretamente”, dizia a nota.

A Fundação revelou que a usina de oxigênio da AME está em funcionamento há cerca de 10 dias e conta com dois sistemas de backup em caso de eventual pane. O primeiro é uma bateria de cilindros de oxigênio, que é acionada para suprir imediatamente a rede de oxigênio, o segundo backup é o próprio tanque de oxigênio da unidade.

A organização suspeita que o segundo backup não funcionou adequadamente. “O SAMU foi acionado, porém, infelizmente não houve tempo hábil para o atendimento e três pacientes graves vieram a óbito”, acrescentou no comunicado.

O post Homem morre por falta de oxigênio e família aponta negligência por parte de hospital apareceu primeiro em ISTOÉ Independente.