"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

domingo, 29 de janeiro de 2017

29 de Janeiro de 1841: Uma frota inglesa ocupa a ilha de Hong Kong

29 de Janeiro de 1841: Uma frota inglesa ocupa a ilha de Hong Kong:

Uma poderosa frota inglesa ocupa a ilha de Hong Kong em 29 de Janeiro de 1841. O objetcivo era o de impor à China a importação do ópio proveniente da Índia, lucrativo comércio nas mãos da Companhia das Índias Orientais inglesa. A partir daí, uma verdadeira guerra do ópio estabeleceu-se entre os dois países a partir de 1839, ocasião em que o governo chinês decidiu erradicar o flagelo. O governo da Inglaterra resolve então dispor das suas forças armadas para sustentar interesses privados no comércio da droga. 

Ainda não tendo completado o segundo ano do seu reinado, a rainha Vitória, em 1839, recebeu uma extraordinária carta vinda da China. A missiva tinha como remetente Lin Zexu, o comissário imperial de Cantão, encarregado de combater o contrabando do ópio nas costas chinesas. Lin apelou para que o trono britânico interviesse junto aos seus súbditos que comerciavam com o oriente no sentido de coibir o tráfico que intensificava o vício entre os súbditos do imperador. 
Ele queria evitar que a China fosse tomada pelo"fumo bárbaro", efeito do ópio que os ingleses traziam nos seus barcos das suas plantações na Índia para vender nos portos do Império Celestial. 

Em resposta, a rainha Vitória argumentou que pouco poderia fazer, pois o seu reino defendia o livre-comércio. Além disso, o ópio era consumido pelos ingleses como láudano e os seus efeitos não eram tão devastadores. 


O Império Britânico, já no século XVIII, estendia a sua presença nos quatro cantos do planeta. A Companhia das Índias Orientais recebeu do governo inglês em 1773 a exclusividade na venda de ópio e, em 1793, a de fabrico. A comercialização desse produto no interior da Inglaterra era proibida e os infractores punidos severamente. Contudo, no estrangeiro a venda era permitida. 


Eram evidentes os prejuízos económicos e morais do consumo de ópio pelos chineses. Um ditado popular à época advertia que “a continuar o ópio, chegará o tempo em que na China não haverá um soldado capaz de enfrentar um inimigo. Nem dinheiro para manter um exército". 


O crescimento sem limite do uso da droga levou o governo imperial chinês a proibir o narcotráfico. Os ingleses não respeitaram a proibição. No início do século XIX  os narcotraficantes ingleses já contrabandeavam para a China cerca de quatro mil caixas de ópio por ano, número que subiu para mais de 40 mil entre os anos de 1821 a 1851. A partir de 1820, passaram a usar como porto seguro dos seus desembarques as condições naturais excepcionais da baía de Hong Kong. 



Em 1839 o governo chinês da Dinastia Qing ordenou a queima do ópio encontrado em Guangzhou, onde se situa Hong Kong. O ópio queimado publicamente na praia de Humen consumiu 20 mil caixas. A represália inglesa não demorou. Era a primeira Guerra do Ópio contra a China, desencadeada para garantir o tráfico do ópio. 


A superioridade bélica permitiu que tropas britânicas ocupassem em 1841 parte da ilha de Hong Kong, de onde se expandiram, ameaçando inclusive Nanquim. Em 24 de Agosto de 1842 a dinastia Qing foi obrigada a assinar o Tratado de Nanquim, concedendo à Inglaterra o domínio da ilha de Hong Kong. 


Na história chinesa este é considerado o “primeiro tratado desigual” que tiveram de assinar com a Inglaterra. O sentimento nacional foi ferido e o episódio, jamais esquecido. Os livros tratam-no como “uma ferida no coração do povo chinês”. 


A Guerra do Ópio (1839-1841) constituiu-se numa das mais infames guerras da história moderna. Os chineses não somente foram obrigados a aceitar a importação do ópio como também a suspender a legislação que afectasse o consumo. Durante quase um século, inalar o "veneno infiltrado", como disse Lin Zexu, passou a ser uma espécie de segunda natureza do povo chinês, quase inteiramente drogado pelo colonialismo. 


Nada disso, porém, maculou a imagem da rainha Vitória, admirada pelo alto padrão moral que exigia da corte, a ponto de vitorianismo confundir-se, ao longo do século XIX, com o moralismo e o puritanismo. 
Fontes: Opera Mundi
wikipedia (imagens)

HK_Island_1840.jpg
Vista da Ilha de Hong Kong a partir de Kowloon em 1840.
Juncosob bom.jpg
Juncos chineses sob forte bombardeio inglês durante a malfadada Guerra do Ópio, Litografia britânica de 1843.
%E4%B8%AD%E5%9C%8B%E4%BA%BA%E6%9C%8D%E9%
O consumo de ópio pelos chineses

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.