"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

segunda-feira, 20 de março de 2017

Disposto a Comer Carne Podre para colocar Aécio na Presidência, Reinaldo ataca a Polícia Federal

Países barram, por ora, importação de carne. Mandem a conta à PF! Um dia os doutores acordam e sentem a comichão: “Vamos tentar quebrar o país de vez.

Eu também quero ser Sergio Moro. Eu também quero ser Deltan 
Dallagnol

Por Reinaldo Azevedo
20 mar 2017, 16h11 - 
Atualizado 
em 20 mar 2017, 16h49

Pois é… É claro que a coisa não seria sem consequências. Existem protocolos a respeito, não é? Apesar da rápida reação do governo brasileiro, sabia-se que os países importadores de carne brasileira tomariam medidas. Uma coisa é embaixador cair de boca na picanha; outra, distinta, são os respectivos órgãos reguladores ignorarem o que a própria Polícia Federal anunciou ao mundo: papelão misturado à carne, uso de lotes putrefatos, emprego de substância cancerígena, partes do corpo dos animais impróprias para consumo humano (cabeça de porco) sorrateiramente metidas no produto final.
 Mentiras grotescas.
Bem, já sabemos, a esta altura, que os gênios da PF não entenderam nada do que ouviram. Já sabemos que eles analisaram a carne de um único lugar de processamento, dos 4.837 que existem no país. Já sabemos que todo o resto da narrativa foi montada com chutes e ilações a partir de gravações autorizadas pela Justiça. 
Aliás, tomem nota: em todo o mundo desenvolvido, a quebra de um sigilo telefônico costuma ser uma das últimas etapas da investigação. No Brasil, tudo começa e termina com a escuta. Somos tão sofisticados nisso que um bandido como Sérgio Machado só se livrou da cana, e do resto, porque topou gravar seus interlocutores. Mas volto ao ponto. 
A União Europeia não suspendeu toda a importação, a exemplo do que fez a China, por exemplo. Oh, não! Só aquela oriunda de frigoríficos citados. Bem, no grupo, estão a BRF e a JBS. Dá praticamente na mesma. A Coreia do Sul anunciou o aumento da fiscalização sobre o produto brasileiro e suspendeu frangos da BRF, o maior exportador mundial dessa carne. Por enquanto, nada de carne brasileira, de qualquer uma, no Chile. 
Eis aí as consequências práticas da irresponsabilidade da Polícia Federal, do seu açodamento, do seu gosto pelo espalhafato… Quem vai pagar por todas essas bobagens? Ninguém. Um dia, um doutor acorda de veneta, fica com carência de refletores, resolve que tem de ser o assunto das mesas de bar, sente aquele faniquito da celebridade e bate o porrete na mesa: “É hoje!”. E 1.100 homens vão a campo para provar que o setor da economia em que o país atingiu a excelência — as ligações políticas da JBS são outro assunto, que merece ser discutido, sim — não passa de uma fraude de alcance mundial. Na verdade, são todos uns malvadões, capazes de fraudar até salsicha de merenda escolar. 
E tudo isso, reitere-se, fazendo o exame de amostras de UM entre 4.837 postos de abastecimento. Alguma evidência material do papelão misturado à maçaroca de carne? Não! Isso veio de escuta. Alguma evidência do uso sistemático de “carne podre”? Não! Isso veio da escuta. Algum estudo científico provando que ácidos normalmente usados na indústria de alimentos são cancerígenos? Não! Isso saiu da mente divinal de um delegado. 
Então ficamos assim. Um dia os doutores acordam e sentem aquela comichão incontrolável: “Vamos tentar quebrar o país de vez? O que temos aí ainda não é o suficiente! Vamos fazer sucesso. Vamos mobilizar a população! Eu também quero ser Sergio Moro. Eu também quero ser Deltan Dallagnol. Se eles podem ignorar as regras elementares, por que não a gente? Vamos nessa! E ainda teremos o apoio de manifestantes. Que se dane o setor!”. 
Sabem como é: a carne da demagogia é fraca, não é mesmo? 
Mas por favor! Não falemos em punições para o espetáculo de abuso de autoridade a que se assistiu. Nem mesmo há como punir os responsáveis. 
Enganos, vejam que coisa, todos cometem. 
É uma pena que alguns custem alguns bilhões e condenem o país ao atraso.

3 comentários:

  1. Reinaldo, como vc tem inveja do Moro, credo.....e da Polícia Federal também!!!!

    ResponderExcluir
  2. Nao gosto de discordar de voce, Reinaldo, pois sou seguidora de suas opinioes, que respeito muito. Mas 'e o seguinte. Nos EUA se acham um vidro de manteiga de amendoim de uma determinada marca com salmonella toda a producao de manteiga de amendoim dessa marca 'e recolhida imediatamente dos super mercados, e os noticiarios alertam a populacao, tambem no mesmo dia, mencionando a marca, o lote, o produtor etc, tudo para os consumidores nao sofrerem com possiveis consequencias, muitas vezes serias, do consumo de tal produto. E, claro, porque se algo serio acontecer, vai ter processo pesado nas tais empresas, que pagarao muito mais em danos do que gastam com esses anuncios e "recalls". Nos padroes de um pais desenvolvido que trata o cidadao e o consumidor com respeito e cautela, uma gravacao interceptada e' suficiente sim, Reinaldo. Ser so uma amostra 'e suficiente, sim. Mas no Brasil o esperado 'e que as autoridades calem a boca, continuando assim a por em risco a populacao, ate "todos os fatos serem apurados". Discordo profundamente.

    ResponderExcluir

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.