"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

JUSTIÇA VAGABUNDA DA CHINELÂNDIA DÁ 5 DIAS PARA MARGINAIS FICAREM DESTRUINDO CÂMARA DE VEREADORES DE SP


5, 4, 3, 2, 1 e...:

A Justiça concedeu cinco dias para que os baderneiros que invadiram a Câmara Municipal de São Paulo para "protestar contra as privatizações" deixem o espaço.

NOTÍCIA DA FOLHA DE SÃO LULA ONTEM




O plenário da Câmara Municipal de São Paulo foi invadido no começo da tarde desta quarta-feira (9) por um grupo de 70 manifestantes -que prometiam permanecer no local por tempo indeterminado.
Eles reivindicam a suspensão de projetos de lei que autorizam privatizações da gestão João Doria (PSDB) e a revogação de restrições ao uso do passe livre estudantil.
Os planos do tucano preveem a concessão de equipamentos públicos à iniciativa privada, como parques e cemitérios, e a venda do autódromo de Interlagos e do complexo do Anhembi. Parte dos projetos já foi aprovada em primeira votação.
Em relação ao passe estudantil, houve redução do tempo de uso diário -em vez do limite anterior de oito embarques em 24 horas, passou a valer a regra de até quatro embarques em período de duas horas, duas vezes ao dia.
Representantes do Movimento Juntos, UNE (União Nacional dos Estudantes), DCE (Diretório Central de Estudantes) da USP e Passe Livre participaram da invasão, que levou a presidência da Câmara a determinar um pedido de reintegração de posse à Justiça.
Por causa da ação, liderada principalmente por estudantes, a sessão ordinária com vereadores foi realizada fora do plenário, no salão Nobre.
O presidente da Câmara, Milton Leite (DEM), aliado de Doria, recebeu uma comitiva, mas não houve acordo.
"Não vamos aceitar propostas de privatização sem que a população seja ouvida. Exigimos um plebiscito", disse Gabriela Ferro, representante do Movimento Juntos.
Leite propôs aos manifestantes submeter a sugestão de plebiscito sobre as privatizações ao colégio de líderes partidários na próxima terça (15), mas a proposta não foi aceita pelos manifestantes.
O presidente do Legislativo disse que não permitiria entra-e-sai no prédio. "Eles têm a liberdade de sair, mas não podem voltar. Isso aqui não é camping, não é lugar para fazer turismo", afirmou.
Leite disse que manteria a presença da Polícia Militar e da GCM (Guarda Civil Metropolitana) para "a segurança do local e dos manifestantes".
Estudantes disseram que foram alvo de bombas de gás no plenário, mas a Casa nega.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua mensagem será avaliada pelos Editores do Ataque Aberto. Obrigado pela sua colaboração.