"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

quinta-feira, 31 de maio de 2018

PROGRAMA MAIS CAMINHONEIROS


'Ministro Gilmar Mendes tem soltado e ressoltado corruptos poderosos', critica procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol

'Ministro Gilmar Mendes tem soltado e ressoltado corruptos poderosos', critica procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol:

deltan-dallagnol-gilmar-mendes555.png
Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O procurador e coordenador da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, lamentou mais uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, que soltou, pela segunda vez, o operador do PSDB, Paulo Preto. Dallagnol alfinetou: "o ministro Gilmar Mendes tem soltado e ressoltado corruptos poderosos".
Mais informações »

Sim! Nós sabemos, Dr. Deltan, nós sabemos...Mas cabe ao senhor e a todos aqueles que são "contra Intervenção Militar" apontar o caminho para resolver isso "dentro da Lei" e sem "ruptura com a Democracia", não é mesmo??

Bolsonaro: ‘Nunca defendi intervenção militar’

Brasil  31.05.18 18:11

Jair Bolsonaro também disse aos jornalistas que cobriam hoje a Marcha para Jesus nunca ter defendido uma intervenção militar no Brasil.

“Eu nunca defendi intervenção militar nenhuma, nunca disse isso. Acredito na volta dos militares ao poder pelo voto, pela democracia, nas eleições. É essa minha posição”, declarou o presidenciável.

“”Não é por que eu defendo o regime militar [de 1964] que eu gostaria de uma intervenção agora, as pessoas confundem as coisas”, acrescentou.

Bolsonaro negou, ainda, as acusações de homofobia. “Não tenho nada contra os gays. Eu só não queria que distribuíssem aquele ‘kit gay’ nas escolas, só isso.”

As cidades

7319993-plaza-mayor-madrid-spain.jpg
Texto do professor Paulo Tunhas, via Observador:

Estou sentado numa esplanada da Plaza Mayor de Madrid e penso mais uma vez em como é estranho que a filosofia, por meio da estética, não tenha quase nunca dedicado uma real reflexão ao tema das cidades como obras de arte. Porque as cidades — certas cidades, várias cidades, muitas cidades — são exactamente isso: obras de arte que os homens criaram para dentro delas viverem.

A criação é uma criação contínua, a muitas e contraditórias mãos, que dura séculos e que não pára até as cidades acabarem. Uma criação humana imperfeita, com golpes de génio e falhanços gritantes, previsível e imprevisível, que mistura estilos diferentes e que, no entanto, podemos capturar como um todo e não como um simples agregado de partes díspares e incomunicáveis.

Compreender uma cidade é chegar ao sentimento de a perceber, em toda a sua variedade, como um todo, mesmo que seja um todo do qual temos, de muitas das suas partes, uma percepção obscura e quase inconsciente. O filósofo Leibniz utilizou mais do que uma vez a metáfora dos pontos de vista sobre uma cidade para ilustrar a ideia de que cada um de nós tem apenas uma percepção, uma ideia, clara, de uma pequena parte do universo, desse “cosmos pleno de ornamentos”, tendo do resto uma perceção apenas confusa, cada vez mais confusa e ténue à medida que nos vamos afastando da reduzida esfera das coisas em que a nossa percepção é clara e sobre as quais podemos exercer a nossa actividade (compreender era, para ele, uma forma de agir). A compreensão perfeita e integral exigiria que se visse simultaneamente a cidade sob todos os pontos de vista possíveis.

A metáfora pode ser aplicada, sem ser neste caso metáfora nenhuma, às próprias cidades. Também elas são “cosmos plenos de ornamentos”. E delas, por muito que nos permaneça obscuro, podemos ter uma compreensão que englobe os vários pontos de vista que já experimentámos ou imaginámos. Leibniz entendia a beleza como um excesso, o máximo de variedade no interior de uma única percepção. E o que é compreender a beleza de uma cidade senão isso mesmo: ter dela uma percepção que contém em si o máximo de diversidade?

Certas cidades, por razões que não são certamente sempre as mesmas, e que tanto podem ser “objectivas” como “subjectivas”, são mais difíceis de compreender do que outras. Se me é permitido um exemplo pessoal, demorei praticamente o tempo todo das desgraçadamente poucas vezes que lá fui a ter o sentimento ilusório ou real – creio que real – de compreender Roma. Há, é claro, razões fáceis de explicar para isso. O tempo todo histórico que lá está, por exemplo, e que desafia a imaginação a ir a um lugar que ela dificilmente alcança. Outras cidades, em contrapartida, deixam-se compreender muito mais facilmente. O génio de Paris reside, entre outras coisas, em ser uma cidade que se deixa compreender sem nenhum esforço extraordinário. A integração do máximo de variedade numa única percepção obtém-se sem particular demora.

Dir-se-á que qualquer sentimento de compreensão é ilusório. Parcialmente, é verdade. Qualquer cidade – como qualquer quadro, qualquer peça musical – possui para nós restos que nos são, em parte ou na totalidade, aparentemente alheios. Mas é, de facto, uma verdade apenas parcial. A compreensão não tem que ser pura ilusão, alguma verdade tem de nela haver. E há, de resto, um critério razoavelmente seguro para aferir a veracidade da compreensão: é quando a cidade começa a viver em nós, quando, por assim dizer, ela passa a fazer parte de nós, como um quadro, uma canção, uma sinfonia ou um romance.

Essas criações que são as cidades contêm, nos melhores casos, um universo de criações humanas dentro de si. A beleza toda que se encontra dentro dos grandes museus irradia como uma possibilidade que oferece um suplemento de excesso às cidades. O saber-se que há nelas pessoas e instituições que se dedicam ao estudo e ao conhecimento também. E, sobretudo, a existência na cidade de uma maneira política de viver livre é essencial. As cidades devem comportar uma multiplicidade de maneiras de viver, sem a qual são mais pobres e menos livres. Sem elas, os outros aspectos da beleza da cidade definham ou inspiram algo como uma nostalgia melancólica que, quaisquer que sejam os seus encantos, reduz decisivamente a diversidade incluída na nossa percepção.

No fundo, estamos sempre obrigados a voltar à velha tríade platónica (ou atribuída a Platão) do Belo, do Bom e do Verdadeiro). Cada um dos elementos da tríade ilumina os dois restantes. E saber que tudo isso existe no interior de uma cidade, sobretudo de uma cidade que julgamos compreender e que, por isso, passou a viver dentro de nós, é um dos maiores prazeres que podemos experimentar e que noz faz sentir companheiros dos seres humanos que, conscientes disso ou não, são também eles criadores desses lugares que os homens inventaram para lá viver.

Intervenção ou Traição

Intervenção ou Traição:
Contos%2Bde%2BFardas.jpg

Artigo no Alerta Total – www.alertatotal.net

Por Antônio José Ribas Paiva

Defender a Pátria não é favor, é dever!

Quem fez 64 passou para o oriente eterno, com seus erros e acertos.
Agora é conosco!
     
Vamos permitir que a classe política, criminosa e traidora destrua nossa Pátria? NUNCA!

Chega de muxoxo e desculpas para não ir pra guerra!
       
Nada justifica, que o crime permaneça no Poder do Estado, massacrando o povo.
         
Em  33 anos da tal “Nova República”, entronizada pelo Ministro do Exército, Gen. Ex. Leônidas Pires Gonçalves, foi perpetrado o genocídio de mais de 10 milhões de brasileiros.
   
A INTERVENÇÃO CÍVICO-MILITAR é ato político suprapartidário de exercício de cidadania, que deve ser exercido, sempre que houver vácuo político-institucional, como ocorre no Brasil, há mais de 20 anos, com a usurpação do Poder do Estado pelo Crime Organizado.
     
NÃO INTERVIR É TRAIR!

BRASIL! ACIMA DE TUDO!

Antônio José Ribas Paiva, Jurista, é Presidente do Nacional Club.

Falando de Música - A morte de Joseph Haydn

Falando de Música - A morte de Joseph Haydn:

joseph-haydn-2.jpg

Leandro Oliveira não deixa o aniversário de morte de Joseph Haydn passar em branco. Confira no 'Falando de Música' no Estado da Arte.

Estado da Arte

31 Maio 2018 | 16h55

por Leandro Oliveira

Neste dia 31 de Maio, a comunidade internacional da música clássica lembra a vida e obra de Joseph Haydn, falecido no ano de 1809, em Viena.

Talvez o mais estimulante compositor do classicismo (em alguns termos, mais complexo e sofisticado que W. A. Mozart), Haydn nasceu em 31 de março de 1732, no pacato povoado de Rohrau (à fronteira da Hungria). A maior parte de sua produção, realizada no seio da corte da família Esterházy, marcou indelevelmente a música de seu tempo. Mozart e Beethoven, declaradamente, partem de seu legado na construção de seus respectivos catálogos, e muito da tradição dos grandes gêneros instrumentais – como a Sinfonia ou o Quarteto de Cordas – encontrou com ele o gênio necessário para sua verdadeiro maturação.

Neste dia de Corpus Christi, é decoroso salientar que, embora assinasse cada manuscrito com loas a Deus, foi apenas ao fim da vida, aposentado, que pode definitivamente dedicar-se à música religiosa – e peças como “As sete últimas palavras de Cristo na cruz” e seu oratório “A Criação” estão entre os pontos altos de sua produção.

CARTA AO CRISTAL VOX

Caros amigos Leudo e Terezinha,

Eu não sou Intervencionista para derrubar a Democracia Brasileira, mas defendo a Intervenção na esperança de criar ALGUMA Democracia no Brasil. 

Infelizmente eu reconheço que esta minha ideia é extremamente útil aos Vagabundos Petistas que, depois da prisão de seu líder, vão dizer: "viram? Eles prenderam o Lula para dar um Golpe de Estado contra a Democracia Brasileira"

A estupidez dos liberais associada à relutância e à esperança ingênua dos militares em mudar o Brasil entrando para Política vão fazer o resto do serviço:

Acredito piamente que, em 2019, o Brasil será governado por Henrique Meirelles ou alguém que ele e a Rede Globo mandarem. O STF ficará com Dias Toffoli e o Congresso nas mãos do MDB.

Brasil acima de Todos!
Deus acima de Tudo! 

Forte Abraço e desculpe pelo pessimismo.

Milton Pires

PS - diga a Terezinha que uma hora dessas vou aí para cobrar aquela pizza...rsss

Caminhoneiros "Golpistas" podem ser condenados por tentarem “mudar o regime político”, diz ANTAGONISTA

Isso! Isso! Tem que prender estes caminhoneiros, sim! Nada de Intervenção Militar! Nós precisamos manter nossa "Democracia" com Gilmar Mendes, 60.000 assassinatos por ano, População Desarmada, Alistamento Militar Obrigatório, Partidos Democráticos como PT, PC do B e PSOL na legalidade e acima de tudo: Voto Obrigatório em Urna Eletrônica da Smartmatic sem comprovante!!! Viva a "Democracia"! Prisão para Caminhoneiro Golpista! 


SALVARBrasil 31.05.18 09:17

Os caminhoneiros que pediram a queda de Michel Temer e o golpe militar podem pegar 15 anos de cadeia.

Diz O Globo:

“O Ministério Público Federal instaurou procedimentos para investigar se empresários e outros agentes relacionados à greve dos caminhoneiros cometeram dois crimes previstos na Lei de Segurança Nacional: o de tentar mudar o regime político vigente e o Estado Democrático de Direito com emprego de violência e grave ameaça; e o de incitar a subversão da ordem política e a animosidade nas Forças Armadas. Esse tipo de crime pode ser punido com até 15 anos de prisão.”

Porto Alegre tem cara que tranca avenida carregando bandeira da COREIA DO NORTE e os caras querem "prender caminhoneiro que representa risco para Democracia"...kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

REVISTA VEJA - Efeito da paralisação na economia deve durar o ano todo


Efeito da paralisação na economia deve durar o ano todo:

A greve dos caminhoneiros levou o Santander a cortar sua projeção de crescimento para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano em 0,7 ponto porcentual. “Vínhamos com (uma previsão de alta de) 3,2% desde outubro. Já íamos revisar para algo mais perto de 2,5% por causa dos resultados do começo deste ano. Mas a decisão de 2% foi por conta da greve, considerando seus efeitos diretos e indiretos”, disse o economista do banco Rodolfo Margato.

Para o segundo trimestre, o Santander ainda reviu sua projeção do PIB de 0,8% para 0,2%. Segundo Margato, além da redução da produção nos setores que foram obrigados a parar por causa do protesto dos caminhoneiros, a confiança do consumidor e do investidor deverá recuar nos próximos meses, puxando a economia para baixo.

O economista Alberto Ramos, do Goldman Sachs, também destacou, em relatório, a queda da confiança do consumidor e dos empresários já em abril e revisou sua previsão para o PIB do ano de 2,3% para 2%.

A coordenadora do boletim de macroeconomia do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV, Silvia Matos, projeta, com base em dados preliminares, um impacto da greve em cerca de 15 bilhões de reais no PIB deste ano. Segundo ela, isso significa um recuo de 0,2% na previsão de crescimento, resultando em um PIB de 1,9% em 2018.

O Itaú já vinha mais pessimista, com uma projeção de 2% no PIB, e ainda não incorporou os resultados das paralisações do transporte de cargas. “O impacto de curto prazo (que inclui apenas a interrupções nas cadeias de produção e suprimentos, e não considera os efeitos na confiança) não deve chegar a 0,4 ponto porcentual no resultado do segundo trimestre”, afirmou o economista do banco Artur Passos.

Líder

Segmento da economia que registrou o melhor desempenho no primeiro trimestre deste ano, com alta de 1,4% na comparação com o último trimestre de 2017, a agropecuária sairá bastante abalada da greve dos últimos dias, de acordo com Margato, do Santander.

“O agro deverá mostrar o pior resultado do segundo trimestre em termos de impacto. A produção se perdeu, os produtos não são estocáveis, como o das montadoras de carros.” Segundo ele, produções como a de suínos poderão levar até cinco meses para se recuperarem.

As projeções do Santander apontam ainda que a agropecuária deverá registrar uma queda de 9,3% no segundo trimestre na comparação com o mesmo período do ano passado. Nessa mesma base de comparação, o setor recuou 2,6% no primeiro trimestre deste ano.

Intervenção militar não é varinha mágica que faz 'plim, plim' e 'está tudo resolvido', diz general Mourão (e Comentário do Editor)

Intervenção militar não é varinha mágica que faz 'plim, plim' e 'está tudo resolvido', diz general Mourão:

general-mourao-intervencao-militar.png
Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O general Hamilton Mourão, na reserva desde fevereiro deste ano, disse na terça-feira 29, em Porto Alegre, que é contra a intervenção militar desejada por parte dos caminhoneiros que estão em greve desde a semana passada. Em entrevista exclusiva à revista Veja, Mourão disse que intervenção militar não é “solução imediata” e que não é “varinha de condão” que faz “plim, plim” e “está tudo resolvido”. “O país não tem que ser tutelado pelas Forças Armadas”, afirmou.
Mais informações »

COMENTÁRIO DO EDITOR DO ATAQUE ABERTO:

Tem toda razão, General Mourão. A Intervenção não é um "passe de mágica". Acrescentaria eu apenas que ela também NÃO É uma "escolha do Exército" e, no fundo, no fundo, não é nem mesmo algo que EU "escolho" ou "sinto prazer em desejar e apoiar"  - é uma ilusão acreditar que uma Intervenção no Brasil de 2018 poderia ser algo parecido com 64! Naquela época o Exército, sabendo aquilo que ACONTECERIA, salvou o Brasil. Agora não VAI ACONTECER nada, General: JÁ aconteceu! Não há NADA a ser "prevenido". Como, apesar desta minha opinião, eu tenho profundo respeito pelo senhor, pela sua história, e pela gigantesca maioria do efetivo do Exército Brasileiro , admito que posso, eu mesmo, estar errado - talvez seja necessário que o senhor e mais setenta ou oitenta militares entrem na vida política e no convívio com a Organização Criminosa que a controla no Brasil - depois de entrarem, podemos voltar a discutir o assunto.

Um forte abraço do seu admirador,

Porto Alegre, 31 de maio de 2018.

Pires. MS
2ºTen Med. RNR
COMAR 5
Força Aérea Brasileira. 

31 de Maio de 1859: O Big Ben entra em funcionamento.

31 de Maio de 1859: O Big Ben entra em funcionamento.:

O célebre relógio da Torre Santo Estevão da Parliament House, de 98 metros de altura, perto da Abadia de Westminster em Londres, entrou em funcionamento no dia 31 de Maio de 1859. Ele é composto por quatro mostradores de 7 metros de diâmetro e de um sino que pesa 13,5 toneladas. O sino é chamado de Big Ben como uma espécie de homenagem a Benjamin Hall, o ministro de Obras Públicas, de exagerada corpulência. 

Após um incêndio que destruiu boa parte do Palácio de Westminster – sede do Parlamento britânico – em Outubro de 1834, um aspecto relevante do projecto do novo palácio era um grande relógio no alto de uma torre. O astrónomo real, Sir George Airy, queria que o relógio tivesse uma precisão extrema, enquanto muitos relojoeiros consideravam que essa meta era impossível, Airy contava com a ajuda de Edmund Beckett Denison, um conceituado advogado conhecido pela sua experiência em relojoaria.

O projecto de Denison, construído pela companhia E.J. Dent & Co., foi finalizado em 1854. Cinco anos mais tarde, a própria torre Santo Estevão foi concluída. Pesando mais de 13 toneladas, o enorme sino foi transportado pelas ruas de Londres até à torre por 16 cavalos, sob a aclamação de espectadores que ali se encontravam. Uma vez instalado, o Big Ben dobrou a primeira badalada em 31 de Maio de 1859. Exactos dois meses depois, no entanto, o pesado badalo desenhado por Denison rachou o sino. Três anos mais  passaram até que um badalo mais leve fosse acoplado e o relógio pudesse funcionar normalmente como previsto.

O nome "Big Ben" originalmente designava apenas o sino, porém mais tarde passou a  referir-se a todo o relógio. Existem duas histórias principais a respeito de como se adoptou o nome de Big Ben. Muitos afirmam que a denominação se deve ao loquaz Benjamin Hall, o popular ministro de Obras Públicas à época da construção. Outra história famosa conta que o nome do sino se devia ao famoso pugilista peso-pesado Benjamin Caunt.
Mesmo depois de uma bomba ter destruido o plenário da Câmara dos Comuns durante a Segunda Guerra Mundial, a torre de Santo Estevão resistiu e o Big Ben continuou a funcionar normalmente. A sua famosa precisão cronométrica é regulada por uma pilha de moedas colocadas no imenso pêndulo do relógio, garantindo um movimento constante e regular dos ponteiros do relógio.
À noite, as quatro faces do relógio, cada qual com 7 metros de diâmetro, são iluminadas. Para conhecimento público, uma luz sobre o Big Ben também permanece acesa quando o Parlamento está em sessão.  
 Fontes: Opera Mundi
 wikipedia (imagens)
File:Big-ben-1858.jpg
O Big Ben representado na revista The Illustrated News of the World, Dezembro de 1858
lAaZ3xPmXAA8Ox6o7H0EubB0VmaoETrCscxIN3FR

File:Clock Tower - Palace of Westminster, London - May 2007.jpg

UM AVISO PARA OS MILITARES QUE SÃO CANDIDATOS NA ELEIÇÃO DE OUTUBRO.


quarta-feira, 30 de maio de 2018

LOUCOS VARRIDOS SEGUEM PEDINDO UM GOLPE MILITAR CONTRA NOSSA "DEMOCRACIA"


MENSAGEM DE UM CORONEL AOS INTERVENCIONISTAS E RESPOSTA DESTE EDITOR.


Do Cel INF NORTON LUIS SILVA DA COSTA.

“Meus amigos...

Realmente eu não entendi porque as manifestações em apoio a justa greve dos caminhoneiros, em grande parte das cidades acabou indo parar na frente de alguns quartéis das FFAA. Estão ao meu ver batendo na porta errada. Deveriam sim estar cobrando ações de Vereadores, Prefeitos, Deputados e Senadores.

Não vejo absurdamente ninguém cobrar dessa corja ações ou mesmo que os mesmos trabalhem em favor daqueles que os elegeram.

Não vejo ninguém descarregar suas frustrações ou anseios contra aqueles que realmente são os culpados por tudo que estamos vivendo atualmente.

Não vejo o chamado povo cobrando explicações sobre a não atuação parlamentar, sobre os desvios de verbas, sobre os benefícios recebidos sobre os polpudos salários e das vantagens financeiras em termos de gastos públicos que nao têm prestacao de contas.

Não vejo ninguém também gritando na porta dos Palácios de governo ou assembléias exigindo seriedade, ações pro ativas, reversão de distribuição de recursos como o Fundo Partidário.
Não vejo cobranças sobre a real situação da Saúde e da educação nos níveis municipais e estaduais como se eles não fossem os reais responsáveis. Porque as cobranças nos quartéis, se a força das armas é menor que a força dos títulos eleitorais?

Sim, embora alguns não gostem de escutar ou ler nós não somos a solução dos problemas do País, nós não somos a sua representatividade legal nem constitucional, pois não fomos eleitos nem temos mandato. Somos Povo , Povo fardado que cumpre a Lei, que prega a Ordem e que só o faz dentro dos preceitos constitucionais. Os quartéis não têm ligação com Palácios ou Ministérios, com Câmaras ou Assembleias de espécie alguma.

Vocês erram a bater nas nossas portas enquanto os devidos responsáveis estão no vosso meio ainda tentando se aproveitar disso para se reeleger ou para tentar buscar apoio para as próximas eleições em outubro.

Cobrem de que tem que ser cobrado. Busquem a solução junto aos seus eleitos e por vocês escolhidos como representantes democráticos. Em vez de ficarem se lamuriando nos aquartelamentos façam valer suas vozes junto a outros portões que não os das FFAA. Hoje pedem e amanhã nos esquecem e abandonam a própria sorte como já o fizeram passados 54 anos. Reclamem a quem de direito e em nome do Povo Fardado também.

Lutem em outra Seara que não os nossos portões.

Está na hora de sermos sérios para não nos convertermos em uma republiqueta de bananas ou num País convulsionado pelo fatricídio. Nós os militares faremos aquilo que estiver legalmente determinado e fundamentado nas Leis e na Ordem e Progresso, pois não existe a tal Intervenção Constitucional Cívico Militar tão solicitada .

Cel INF NORTON LUIS SILVA DA COSTA.

RESPOSTA DO EDITOR AO CORONEL DE INFANTARIA NORTON LUIS DA SILVA: 

Parabéns, coronel, e muito obrigado pela sua explicação. Quando os intervencionistas tentarem entrar  no Congresso Nacional e ele for cercado e defendido por tropas que OS SENHORES comandam, quando os soldados do Exército agredirem os Intervencionistas, vou mostrar a eles a mensagem que o SENHOR escreveu!

 Cordiais Saudações.

2°Ten Med M.Pires.
RNR, COMAR 5. 
Força Aérea Brasileira.

RECADO AOS PATIFES


Petrobras envia equipes de contingência para render grevistas



Petrobras envia equipes de contingência para render grevistas:

A Petrobras enviou equipes de contingência para render os petroleiros que aderiram à greve de advertência iniciada à 0h desta quarta-feira, 30. De acordo com o diretor de comunicação do Sindipetro Norte-Fluminense, Francisco José de Oliveira, a orientação é entregar a produção e as operações para as equipes enviadas pela Petrobras.

“Nossa greve é só de advertência, no dia 12 vamos decidir a greve por tempo indeterminado que deve começar no final do mês”, informou o diretor. Além das plataformas da bacia de Campos, o Sindipetro-NF engloba os trabalhadores do terminal de Cabiúnas, que recebe o petróleo e gás natural, processa e envia para as refinarias.

Segundo Oliveira, o Sindipetro-NF não foi notificado oficialmente sobre a decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que na noite de terça-feira (29) decidiu que a greve dos petroleiros é ilegal. Das 45 plataformas instaladas na bacia de Campos, 34 teriam aderido à greve, segundo a assessoria do sindicato, mas nem todas transferiram a operação para as equipes da Petrobras.

Procurada, a Petrobras não soube informar como estava o movimento grevista. Mais cedo, a Federação Única dos Petroleiros (FUP), que reúne 14 sindicatos, havia informado que a greve atingiu no País as refinarias de Manaus (Reman), Abreu e Lima (Pernambuco), Regap (Minas Gerais), Duque de Caxias/RJ (Reduc), Paulínia/SP (Replan), Capuava/SP (Recap), Araucária/PR (Repar), Refap (RS), além da Fábrica de Lubrificantes do Ceará (Lubnor), da Araucária Nitrogenados (Fafen-PR) e da unidade de xisto do Paraná (SIX). Também não houve troca dos turnos da zero hora nos terminais de Suape (PE) e de Paranaguá (PR), informou a FUP em seu site.

Petroleiros ignoram a Justiça e deflagram greve assumidamente política

Petroleiros ignoram a Justiça e deflagram greve assumidamente política:

petroleiros-greve.png
Imagem: Reprodução / Facebook
Desafiando uma ordem judicial, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) deflagrou no início da madrugada desta quarta-feira uma greve de três dias. Horas antes, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) havia considerado ilegal a paralisação nas instalações da Petrobras. A FUP recorrerá contra a decisão.


Mais informações »


30 de Maio de 1431: Condenada por heresia, Joana D'Arc morre na fogueira

30 de Maio de 1431: Condenada por heresia, Joana D'Arc morre na fogueira:

Joana D'Arc foi queimada numa fogueira em praça pública a 30 de Maio de 1431 na cidade francesa de Rouen. A jovem filha de camponeses liderou a luta contra a ocupação inglesa em 1429, na Guerra dos Cem Anos.
Napoleão Bonaparte certa vez disse: "Um francês pode fazer milagres ao ver a independência do país ameaçada". Ainda hoje, Joana D'Arc é um símbolo nacional para os franceses. Vários livros com a sua biografia e diversos filmes foram lançados sobre a ingénua, porém corajosa filha de lavradores do interior da França.
Joana D'Arc nasceu em Domrèmy-la-Pucelle na noite de Epifania de 1412. Já em vida, se havia tornado uma lenda, as pessoas queriam vê-la e tocá-la. Em 1429, entrou para a história da França ao escrever uma carta ao chefe da ocupação inglesa:
"Rei da Inglaterra, auto intitulado regente do Império Francês, entregue à virgem enviada por Deus, imperador do céu, a chave de todas as cidades que Sua Alteza tomou dos franceses. Se não o fizer, Sua Alteza já o sabe, eu sou general. Em todo lugar na França que encontrar da sua gente, vou expulsá-la."
Teria sido ousadia ou ingenuidade a oferta feita por Joana, então com 16 anos, ao seu rei, Carlos VII, de expulsar os invasores ingleses de Orleães e assim ajudá-lo a garantir-se no trono da França? Ao apresentar-se como enviada divina, ajudou a projectar o seu nome na história.
Oficialmente, ninguém contestava a necessidade de expulsar os britânicos. Mesmo assim, o rei e os seus consultores preferiram mandar averiguar quem era aquela jovem. Doutores, religiosos, guerreiros, ninguém encontrou ressalvas à pura Joana, apenas o bem, a inocência, a humildade, a honestidade e a submissão.
Joana apareceu para salvar os franceses justamente no momento em que eles acreditavam que apenas um milagre poderia ajudá-los. E a Joana vestida de guerreiro, um enviado de Deus, incorporou esta esperança. O povo via nela a concretização de um antiga profecia, segundo a qual a França seria salva por uma virgem. Uma propaganda ideal para a corte. Era a oportunidade para motivar as suas tropas, que a esta altura estavam com a imagem um tanto desgastada.
Joana, a salvadora. Com o passar dos séculos, ela foi apelidada de bruxa, prostituta, santa, feminista, nacionalista, heroína.
Orleães estava sitiada pelos ingleses há seis meses. Um contingente de cinco mil homens pretendia forçar os 30 mil habitantes a  entregar-se. Apesar de não ser um integrante activo nos planos dos militares franceses, o espírito de luta de Joana – e talvez apenas a sua presença – trouxe a vitória aos franceses.
No dia 8 de Maio de 1429, ela foi festejada pelos moradores de Orleães como enviada divina. E seguiram-se ainda muitas vitórias até à coroação de Carlos VII em Reims. Os ingleses, derrotados, iniciaram uma conspiração contra Joana, que acusavam de bruxaria. Ela foi presa em 1430, julgada em Rouen por heresia por um tribunal eclesiástico presidido por Pierre Cauchon, bispo de Beauvais, foi condenada e queimada viva na praça Vieux-Marché de Rouen, em 30 de Maio de 1431. Carlos VII, que nada fez para salvá-la, esperou até à reconquista de Rouen, em 1450, para proceder à revisão do seu processo, que culminaria  na sua absolvição (1456).Em 9 de Maio de 1920, cerca de 500 anos depois de sua morte, Joana D'Arc foi canonizada pelo Papa Bento XV - era a Santa Joana D'Arc. Em 1922 foi declarada padroeira de França. 
Fontes DW
France.fr
wikipedia (imagens)

Gravura de 1505
Ficheiro:Joan of Arc on horseback.png
Lenepveu%2C_Jeanne_d%27Arc_au_si%C3%A8ge
Pintura romântica de Joana D'Arc na Batalha de Orleães - Jules Eugène Lenepveu 
O interrogatório de Joana d'Arc - Paul Delaroche
Ficheiro:Joan of arc interrogation.jpg
 Joana d'Arc é queimada viva - Jules-Eugène Lenepveu
Ficheiro:Joan of arc burning at stake.jpg

Petroleiros: Justiça do Trabalho declara ilegal a greve dos pelegos lulistas e impõe multa diária de 500 mil reais.

AFP_ST4H8-khRE-U203446385678loB-1024x655
A AGU se antecipou à oportunista greve da FUP, a federação única dos petroleiros (leia-se: lulistas de carteirinha), que quer infernizar o Brasil a partir de amanhã: 


A Advocacia-Geral da União (AGU) informou, via Twitter, que o Tribunal Superior do Trabalho (TST) declarou a ilegalidade da greve dos petroleiros, marcada para iniciar nesta quarta-feira (30). Foi estipulada multa diária de R$ 500 mil em caso de descumprimento.

A decisão atende a pedido da própria AGU, que citou o quadro de desabastecimento de combustíveis, alimentos e outros insumos em meio à paralisação dos caminhoneiros, para sustentar ao TST que o objetivo da liminar é evitar que a paralisação da categoria prejudique ainda mais a sociedade.

Considerando que a Petrobras é a principal produtora e distribuidora de combustíveis do país, a ação aponta que “a redução da produção ou a sua completa paralisação gera prejuízos gravíssimos à sociedade, tendo em vista o potencial para prejudicar o abastecimento do mercado interno de gás natural, petróleo e seus derivados”.

Mais informações em breve na Gazeta do Povo.

'Chegou a hora de parar a greve. Vamos em frente com foco nas eleições. Faltam apenas 4 meses', afirma Joice Hasselmann

'Chegou a hora de parar a greve. Vamos em frente com foco nas eleições. Faltam apenas 4 meses', afirma Joice Hasselmann:

joice-hasselmann-parar-greve.png
Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
A jornalista e pré-candidata ao Senado Joice Hasselmann pediu aos caminhoneiros que encerrem a greve e concentrem os esforços nas próximas eleições: "Chegou a hora de parar a greve. Bolsonaro parabeniza os caminhoneiros e vamos em frente com foco nas eleições. Faltam apenas 4 meses". 
Mais informações »



terça-feira, 29 de maio de 2018

VIVA A "DEMOCRACIA"(de vocês)! TRF-3 devolve benefícios a Lula


SALVARBrasil 29.05.18 17:58

O desembargador André Nabarrete Neto, do TRF-3, acolheu recurso da defesa de Lula e decidiu devolver ao hóspede da carceragem da PF em Curitiba os benefícios de ex-presidente, como segurança, transporte e assessoria.

“A simples leitura dos dispositivos mencionados evidencia que aos ex-presidentes da República são conferidos direitos e prerrogativas (e não benesses) decorrentes do exercício do mais alto cargo da República e que não encontram nenhuma limitação legal, o que obsta o seu afastamento pelo Poder Judiciário, sob pena de violação ao princípio da separação dos poderes”, escreveu Nabarrete.

A sentença derruba a liminar concedida pelo juiz Haroldo Nader, da 6ª Vara Federal de Campinas, que suspendera os “direitos e prerrogativas” argumentando que, com Lula preso, eles lesavam o erário sem ter finalidade.

O INFERNO DA DEMOCRACIA.


Milton Pires 

Chamem-me “Intervencionista”. Assim como o “Ismael”, de Herman Melville, lançava-se ao mar para “não acompanhar enterros de desconhecidos” eu me jogo às letras invocando a derrubada do Governo Civil. 


Ismael salvou-se agarrado a um caixão. Meu caixão é o Estado Brasileiro num país em que as pessoas não tem a menor ideia da diferença que possa existir entre Estado e Democracia, Governo e Poder, ou entre Vida Política e Vida Partidária. 

Convoco, mesmo sabendo impossível, o Golpe de Estado num país onde até poderia haver Golpe, uma vez que existisse Estado - não esse caixão em que me agarro e escrevo. 

Escrevo com a vida profissional em frangalhos, a Medicina no fundo do poço e o Brasil parado. 

Ao meu redor, o velho "Estamento Burocrático" de Raymundo Faoro, agora inchado por candidatos oriundos da Caserna nas eleições de outubro, desespera-se com quem me apoia. 

Escrevo enquanto políticos invejam a força dos militares e os militares buscam a legitimidade dos políticos. Coitados: pensam que o Poder vem junto com o Governo!

Não tem a mínima ideia do que seja algo chamado “consenso”, que este não se produz nem pelo dinheiro nem pela força ou que sem ele ninguém jamais governou nada em lugar algum. 

Deus me livre de romper com o processo democrático, berram aqueles que de mim discordam – faltam só cinco meses e a mudança há de ser feita em outubro por ocasião da “festa da Democracia” como querem os comentaristas da Rede Globo. 

Temos Bolsonaro, Mourão e tantos outros! Intervenção agora de jeito nenhum! Isso só serve ao PT – não interessa se as urnas são da Smartmatic, se o voto é obrigatório e sem comprovante impresso, se a população está desarmada...Não interessam os trinta ministérios, as mordomias, os cartões corporativos, a Constituição Comunista e os ministros do STF. 

Tudo isso é “Democracia” e só “democraticamente pode ser mudado.” 

Os que me diagnosticam como louco, os que me querem preso por meu discurso, tem mais medo de uma “Ditadura do General Mourão” do que uma eleição envolvendo Lula e Fernandinho Beira-mar! 

A medida da Democracia, dizem meus juízes (e entre eles está o Alto Comando das Forças Armadas), é o voto popular nas eleições – não interessa quem concorre! 

As eleições são a “única saída” e, como disse a Ministra Cármen Lúcia, “fora da Política não há Salvação.” Que ironia: eu pensava que a Salvação estava na Justiça; não na Política! 

Enquanto escrevo, unem-se a imprensa petista e a libertária nas denúncias contra a paralisação dos caminhoneiros: centenas de pacientes estão sem hemodiálise, galinhas estão “se canibalizando”, falta merenda escolar para crianças, transplantes de órgãos foram cancelados! Urge que o Brasil volte à “vida normal”. 

Sim: que o Brasil volte àquela vida em que políticos roubam o dinheiro para merenda escolar, em que as pessoas morrem de pneumonia dentro de UPAS imundas aguardando leitos hospitalares, àquela vida em que as crianças tem aula dentro de containers e os policiais empurram viaturas quebradas enquanto pacientes dos SUS são atendidos por falsos médicos! 

Quero meu Brasil das Refinarias Americanas Enferrujadas e dos apartamentos com malas de dinheiro funcionando “normalmente” outra vez! 

Que barbaridade falar em “Intervenção” - eu exijo meu Brasil de volta à “vida normal” - quero tiroteios na Rocinha, agências bancárias explodidas no Rio Grande do Sul e crianças mortas por balas de fuzil, mas quero, acima de tudo, o MEU tanque de gasolina cheio! 

Tudo para Democracia, nada contra Democracia, nada fora da Democracia, não é mesmo, Benito Tupiniquim?? É...e o “fascista” sou eu, né Márcia Tiburi? 

O que importa agora é saber quem “está por trás” do Movimento dos Caminhoneiros. Quem são eles? Intervencionistas? Gente do Bolsonaro? São petistas que querem a liberdade de Lula ou empresários de transportes ávidos por maiores lucros?? 


São monarquistas, gente do Partido NOVO ou radicais islâmicos?? São budistas, satanistas ou é tudo um complô dos caminhoneiros evangélicos? 

Folgo em saber do desespero da mídia brasileira comunista, dos liberalóides do Partido NOVO e dos militares que querem entrar para Política: eles não conseguem, por mais esforço que façam, entender o que se passa no país - e os que entendem se recusam a aceitar, já que aceitar é uma “ameaça à Democracia”. 

A “culpa” pelo que está acontecendo é agora dos “infiltrados” - esse é o “novo olhar” que se faz necessário sobre o caos que se instalou no país. Os culpados são proprietários de caminhõezinhos que pedem “Lula Livre” ou donos de empresas de transporte que tramam em segredo, junto comigo, um Golpe Militar “contra a Democracia”. 

Não interessa se a PETROBRAS foi destruída e Dilma ri de nós, se o Presidente da República não renuncia porque tem medo de ser preso, ou se a Organização Criminosa dentro do Congresso não aprova aumento de imposto para compensar a queda no preço do diesel porque tem medo de não se reeleger em outubro - o importante é saber “quem está por trás” disso tudo, resolver a situação toda, encher o tanque de gasolina e voltar para “vida normal” - “Paraíso da Democracia” em que ninguém pede “Intervenção Militar” ou “Lula Livre.” 

Os políticos brasileiros não querem reconhecer o caos, os militares não querem se envolver com ele e a população (que sempre esteve nele e não se deu conta) só quer que “tudo volte ao normal outra vez”. 

Provem-me, uma única vez, que o “Brasil vive numa Democracia” e rasgo tudo isso que escrevi. 

Enquanto não me provarem, permaneço como Ismael agarrado no caixão que chamo de “Estado” ...Até que um dia um navio apareça, me recolha e me leve para bem longe deste inferno da "Democracia” que vocês continuam a defender no Brasil. 

29 de maio de 2018.

NÃO INTERESSA "QUEM ESTÁ POR TRÁS" DA GREVE.


URGENTE - Rodrigo Maia sobe o tom: “Ele [ministro da Fazenda] não manda no Congresso


O Antagonista traz a notícia mais importante do dia sobre a Greve dos Caminhoneiros: não vai haver aumento de imposto algum e, consequentemente, não pode haver "redução" alguma no preço do Diesel ! 

Maia sobe o tom: “Ele [ministro da Fazenda] não manda no Congresso

SALVARBrasil 29.05.18 12:01

Rodrigo Maia intensificou seus ataques ao governo de Michel Temer.

O presidente da Câmara disse, há pouco, que o Congresso não vai aprovar aumento de tributos para compensar a redução no preço do diesel. E chamou de irresponsável a fala do ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, nesse sentido.

“Não vai ter [aumento de imposto] porque isso aqui é uma democracia e ele [Guardia] não manda no Congresso Nacional. Aliás, o que ele fez ontem foi muito irresponsável, num momento de crise em que se está tentando debelar, diminuir a mobilização, tentar colocar o Brasil no eixo novamente, ele vem falar em aumento de imposto.”

Editorial do Estadão: A prisão da cúpula petista


Editorial do Estadão: A prisão da cúpula petista:

Com a volta do deputado cassado José Dirceu à prisão, agora toda a cúpula do primeiro governo de Lula da Silva, exercido de 2003 a 2006, encontra-se na cadeia. Dirceu, Lula e o ex-ministro Antonio Palocci estão condenados por corrupção. Nada há a celebrar nesse desfecho, a não ser o auspicioso fato de que a Justiça, no Brasil, finalmente alcançou gente tão poderosa e com tanta influência política. No mais, é triste que a República tenha sido entregue, por meio de eleições livres, a indivíduos tão acintosamente despreparados para o exercício minimamente ético do poder, gente que agiu à margem da lei de forma sistêmica e profissional, usando como desculpa a fajuta promessa de “justiça social”.

A coincidência — chamemos assim — da prisão dos três homens mais importantes do primeiro mandato petista na Presidência dá àquela gestão ares de organização criminosa — coisa que, aliás, já havia ficado razoavelmente clara, até para o mais inocente observador, desde que estourou o escândalo do Mensalão, em 2005.

Recorde-se que a campanha eleitoral que levou esse pessoal ao poder incluiu ferozes ataques aos políticos governistas de então, comparados, em uma peça publicitária, a ratos que estavam a roer a bandeira do Brasil. A peça, concebida pelo marqueteiro Duda Mendonça, veio acompanhada de um chamamento dramático aos eleitores: “Ou a gente acaba com eles, ou eles acabam com o Brasil. Xô, corrupção. Uma campanha do PT e do povo brasileiro”. Como se sabe, Duda Mendonça confessou mais tarde que o PT pagou por esse e outros serviços com transferências milionárias para contas secretas em paraísos fiscais, coisa típica de quem tem muito a esconder. Era apenas um fiapo do Mensalão, que se revelaria um dos maiores escândalos de corrupção da história — só não foi o maior porque, em seguida, viria o Petrolão, que dificilmente será destronado.

O PT nunca admitiu a corrupção de seus próceres. Ao contrário, tratou-os como “guerreiros do povo brasileiro”, como se tudo o que se comprovou a respeito dos crimes por eles cometidos fosse mentira. Segundo os petistas, as evidências colhidas contra Lula, Dirceu, Palocci e tantos outros — nada menos que três ex-tesoureiros do partido foram encarcerados — integram uma imensa conspiração das elites para impedir que os pobres tenham uma vida decente — algo que, conforme o evangelho petista, só é possível com a turma de Lula da Silva no poder.

Se resolvesse seguir à risca seus estatutos, o PT teria de expulsar todos os que foram condenados por receber propinas, casos de Lula da Silva e de seus parceiros. Mas é evidente que essa ameaça não vale o papel em que está escrita. A expulsão está reservada aos que ousam mostrar que o rei Lula está nu, como aconteceu com um dos fundadores do PT, Paulo de Tarso Venceslau, que em 1997 denunciou um esquema de corrupção engendrado por um compadre do demiurgo de Garanhuns em prefeituras administradas por petistas. A Paulo de Tarso foi reservado o estigma dos traidores; já o esquema por ele denunciado revelou-se um aperitivo do que viria a ser o Petrolão.

Do PT não é possível esperar regeneração. Enquanto estiver sob o domínio de Lula da Silva — e nada parece capaz de diminuir esse domínio, nem mesmo sua condição de presidiário —, o partido será a expressão do cinismo dos que se dizem campeões da “ética na política”, mas exercem o poder como se nenhum limite moral lhes dissesse respeito, ademais de se considerarem proprietários do governo, e não inquilinos temporários. É isso o que explica por que razão Lula da Silva, José Dirceu e Antonio Palocci, esteios do primeiro governo petista, estão presos.

Em um país civilizado, não se admite que um grupo político com esse comportamento tão explicitamente criminoso, que fez da corrupção um método de governo, com o objetivo de permanecer para sempre no poder, escape impune. Ainda há um longo caminho a percorrer para que a influência deletéria dessa turma seja inteiramente neutralizada, mas a prisão da poderosa troica petista é um excelente começo.

Caminhoneiros mandam embora os cozinheiros do MST

Caminhoneiros mandam embora os cozinheiros do MST: O MST não poderá continuar cozinhando para os caminhoneiros paralisados em São Paulo.

Seus cozinheiros foram todos mandados embora.


Protestos param 107 frigoríficos; setor deixa de exportar 40 mil t

Protestos param 107 frigoríficos; setor deixa de exportar 40 mil t:

Praticamente todas as unidades produtoras de carne bovina do Brasil estão paradas em decorrência dos protestos de caminhoneiros, e 40 mil toneladas do produto deixaram de ser exportadas até agora, o equivalente a 170 milhões de dólares em receita que deixou de ser gerada, disse a associação da indústria nesta terça-feira.

Conforme a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), das 109 plantas de produção no país, 107 estão paradas, sendo que as outras duas operam com menos de 50% da capacidade.

Além disso, 3.750 caminhões carregados estão parados nas rodovias do Brasil, a maioria com mais de sete dias na estrada, com cargas perecíveis que incluem carne com osso. Esses produtos devem começar a perder a validade a partir de amanhã (quarta-feira), inviabilizando consumo, perdendo embarques e licenças de exportação, frisou a Abiec.

“Os dados ainda são preliminares e muitos prejuízos ainda não foram contabilizados, mas é certo que somente a cadeia produtiva da pecuária de corte já deixou de movimentar valores da ordem de 8 bilhões a 10 bilhões de reais”, acrescentou a associação.

brasil-greve-caminhoneiros-20180528-0047
(Roosevelt CassioVEJA.com)

brasil-greve-caminhoneiros-20180528-0049
(Roosevelt CassioVEJA.com)

brasil-greve-caminhoneiros-20180528-0048
(Roosevelt CassioVEJA.com)

brasil-greve-caminhoneiros-20180528-0050
(Roosevelt CassioVEJA.com)

brasil-greve-caminhoneiros-20180528-0044
(Evaristo SáAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180528-0045
(Carl de SouzaAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180528-0043
(Carl de SouzaAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180528-0046
(Carl de SouzaAFP)

brasil-greve-dos-caminhoneiros-28052018-
(Ricardo MoraesReuters)

brasil-greve-dos-caminhoneiros-28052018-
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasil-greve-dos-caminhoneiros-28052018-
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasil-greve-dos-caminhoneiros-28052018-
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasil-greve-dos-caminhoneiros-28052018-
(Leonardo BenassattoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180528-0001
(Tânia RêgoAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180528-0006
(Ricardo MoraesReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180528-0004
(Ricardo MoraesReuters)

brasil-greve-caminhoneioros-20180528-000
(Ricardo MoraesReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180528-0001
(Diego VaraReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180527-015.
(Marcello Casal JrAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180527-013.
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180527-014.
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180527-016.
(Tânia RegoAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180527-012.
(Marcelo GonçalvesSigmapressFolhapress)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-010.
(Marcello Casal JrAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-0111
(Marcello Casal JrAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180527-005.
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180527-004.
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-002.
(Leonardo BenassattoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180527-0001
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180527-006.
(Rodolfo BuhrerReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180527-007.
(Rodolfo BuhrerReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-001.
(Adriano MachadoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-003.
(Leonardo BenassattoReuters)

brasil-choque-regis-bittencourt.jpg?qual
(ReproduçãoTV Globo)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-013.
(Vladimir PlatonowAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-014.
(Vladimir PlatonowAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-012.
(Valter CampanatoAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-011.
(Valter CampanatoAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-008.
(Nelson AlmeidaAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-007.
(Nelson AlmeidaAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-002.
(Newton MenezesFutura PressFolhapress)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-004.
(Ronaldo SilvaFutura PressFolhapress)

brasil-greve-caminhoneiros-20180526-003.
(Ronaldo SilvaFutura PressFolhapress)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-0151
(Vladimir PlatonowAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-016.
(Vladimir PlatonowAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-001.
(Diego VaraReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-0042
(Diego VaraReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-0041
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-0038
(Douglas MagnoAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-0037
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-0039
(Diego VaraReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-0040
(Aloisio MauricioFotoarenaFolhapress)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-0036
(Leonardo BenassattoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-0035
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasil-politica-reuniao-greve-20180525-0
(Marcos CorrêaPR)

brasil-greve-temer-pronunciamento1.jpg?q
(Antonio CruzAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-0032
(Mauro PimentelAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-0034
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-ribeirao-pire
(FacebookReprodução)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-0033
(Evaristo SáAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-026.
(Douglas MagnoAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-025.
(Douglas MagnoAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-014.
(Adriano MachadoReuters)

brasil-grave-caminhoneiros-20180525-020.
(Nilton CardinEstadão Conteúdo)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-012.
(Aloisio MauricioFotoarenaFolhapress)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-013.
(Johnny MoraisFutura PressFolhapress)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-011.
(Marcelo GonçalvesSigmapressFolhapress)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-016.
(Wilson DiasAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180525-015.
(Adriano MachadoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-018.
(Fernando FrazãoAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-017.
(Fernando FrazãoAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0029
(Davi MagalhãesFutura PressFolhapress)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0028
(Davi MagalhãesFutura PressFolhapress)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0025
(Mauro PimentelAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0027
(Evaristo SáAFP)

produtores-jogam-leite-fora-20180523-005
(OceparDivulgação)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0030
(Evaristo SáAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0031
(Evaristo SáAFP)

produtores-jogam-leite-fora-20180523-004
(OceparDivulgação)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0026
(Mauro PimentelAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-010.
(Miguel SchincariolAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0024
(Miguel SchincariolAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0022
(Marcelo CamargoAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0023
(Marcelo CamargoAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0019
(Mauro PimentelAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0018
(Evaristo SáAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0021
(Paulo WhitakerReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-0020
(Miguel SchincariolAFP)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-003.
(Marlon CostaFutura PressFolhapress)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-002.
(Aloisio MauricioFotoarenaFolhapress)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-001.
(Nelson AntoineFolhapress)

greve-caminhoneiros-onibus.jpg?quality=7
(Eduardo CarmimPhoto PremiumFolhapress)

greve-caminhoneiros-diesel-ceasa.jpg?qua
(Jose LucenaFutura PressFolhapress)

greve-caminhoneiros-diesel-3.jpg?quality
(Jonny UedaFutura PressFolhapress)

greve-caminhoneiros-diesel-2.jpg?quality
(Marcello Casal JrAgência Brasil)

greve-caminhoneiros-diesel-4.jpg?quality
(Marcello Casal JrAgência Brasil)

greve-caminhoneiros-diesel.jpg?quality=7
(Marcello Casal JrAgência Brasil)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-020.
(Leonardo BenassattoReuters)

brasil-greve-caminhoneiros-20180524-021.
(Leonardo BenassattoReuters)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0012-
(Nilton CardinEstadão Conteúdo)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0013.
(Paulo WhitakerReuters)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0014-
(Leonardo BenassattoReuters)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0003-
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0011.
(Marcelo FonsecaFolhapress)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0008.
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0004-
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0001-
(Douglas MagnoAFP)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0005.
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0006.
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0007.
(Ueslei MarcelinoReuters)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0009-
(Adriano MachadoReuters)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0002.
(Mauro PimentelAFP)

brasi-greve-caminhoneiros-20180523-0010.
(TV GloboReprodução)

brasil-protesto-caminhoneiros-20180523-0
(Jose LucenaFutura PressFolhapress)

brasil-protesto-caminhoneiros-20180521-0
(TV GloboReprodução)

brasil-greve-caminhoneiros.jpg?quality=7
(Rodolfo BuhrerReuters)

brasil-paralisacao-caminhoneiros-2018052
(Rodolfo BuhrerReuters)


Anexos originais:


ad516503a11cd5ca435acc9bb6523536