"O maior inimigo da autoridade é o desprezo e a maneira mais segura de solapá-la é o riso." (Hannah Arendt 1906-1975)

sexta-feira, 31 de julho de 2020

Covid-19: Brasil registra 1.212 mortes em 24 horas, diz Saúde

Covid-19: Brasil registra 1.212 mortes em 24 horas, diz Saúde:



O Brasil registrou 1.212 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, segundo o Ministério da Saúde. Com isso, subiu para 92.475 o número de vítimas fatais da doença no país...



Leia este conteúdo na integra em: Covid-19: Brasil registra 1.212 mortes em 24 horas, diz Saúde

Anexos:

CRUSOÉ: UMA NOVA ORDEM REINA EM BRASÍLIA

CRUSOÉ: UMA NOVA ORDEM REINA EM BRASÍLIA:



Reportagem de Sérgio Padellas na edição desta semana da Crusoé mostra que o sistema político brasileiro se aproveita dos apuros do governo de Jair Bolsonaro para se reacomodar...



Leia este conteúdo na integra em: CRUSOÉ: UMA NOVA ORDEM REINA EM BRASÍLIA

Centrão abocanha três diretorias do Banco do Nordeste

Centrão abocanha três diretorias do Banco do Nordeste:



O Centrão abocanhou agora três importantes diretorias do Banco do Nordeste, inclusive a Financeira e de Créditos - que será ocupada por Hailton Fortes...

Leia este conteúdo na integra em: Centrão abocanha três diretorias do Banco do Nordeste

Anexos:

31 de Julho de 1566: Morre Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus

31 de Julho de 1566: Morre Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus:

Filho de um nobre basco de  família tradicional, Inácio foi o mais novo de treze irmãos e irmãs. Nasceu a 31 de Maio de 1491 no Castelo de Loyola, perto de Azpeitia, no País Basco. Quando jovem, foi soldado e lutou no cerco de Pamplona pelos franceses, em 1521, sendo gravemente ferido em combate. Na sua longa convalescença, leu muito sobre a vida de Cristo e dos Santos e, finalmente, resolveu dedicar a sua vida ao serviço de Deus. Após um ano de retiro na Catalunha, fez uma peregrinação a Jerusalém.
De 1524 a 1534, consagrou-se aos estudos e graduou-se mestre em letras pela Universidade de Paris. Nessa cidade, desenvolvia um trabalho evangélico junto ao povo e, como era leigo, despertou suspeitas entre as autoridades da Igreja. De qualquer forma, agrupou ao seu redor sete estudantes (entre os quais o futuro São Francisco Xavier) com o intuito de catequizar os muçulmanos na Palestina. Diante da impossibilidade da missão o grupo, agora com dez integrantes, apresentou-se ao papa Paulo III e colocou-se à sua disposição para quaisquer fins.
Assim fundou-se a Companhia de Jesus, em 1540, quando Paulo III deu à associação o título de ordem religiosa, da qual Inácio, padre desde 1537, foi o primeiro superior-geral, atribuindo-lhe como objectivo a reconquista católica em regiões protestantes. De facto, os jesuítas constituíram a linha-de-frente da Contra-reforma ao serviço do papado - ao qual prestavam um voto especial de obediência.
A educação foi considerada por Inácio de Loyola o principal instrumento de reconquista dos protestantes e de catequização dos gentios. Assim, os jesuítas fundaram missões, retiros, colégios e universidades. O seu papel na colonização do Brasil, por exemplo, merece destaque, em especial pela contribuição dos padres José de Anchieta e Antonio Vieira.
Inácio de Loyola modelou a espiritualidade elevada e dinâmica dos seus religiosos a partir do seu livro "Exercícios Espirituais". Faleceu a 31 de Julho de 1556 e foi canonizado  a 12 de Março de 1622.
wikipedia (Imagens)
Ficheiro:Ignatius Loyola.jpg

Inácio de Loyola
Ficheiro:Peter Paul Rubens33.jpg

Os milagres de Santo Inácio - Peter Paul Rubens


5AE19lEJiQIqvs4T4YKxhRkVONS5MWfSdurKedyP

Fresco "Aprovação da Companhia de Jesus", onde Inácio de Loyola recebe a benção do Papa Paulo III 

Previsão Sul – Ar seco ganha força

Previsão Sul – Ar seco ganha força:



Boletim de previsão do tempo contendo informações sobre previsão, temperatura mínima e máxima prevista, além de destaques relevantes dos últimos dias.

quinta-feira, 30 de julho de 2020

VÍDEO - Presidente Jair Mussolini, sem máscara, monta em um Cavalo e é ovacionado no Nordeste.

Covid-19: Brasil registra 1.129 mortes em 24 horas, diz Saúde

Covid-19: Brasil registra 1.129 mortes em 24 horas, diz Saúde:



O Brasil registrou 1.129 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, segundo o Ministério da Saúde. Com isso, subiu para 91.263 o número de vítimas fatais da doença no país...

Leia este conteúdo na integra em: Covid-19: Brasil registra 1.129 mortes em 24 horas, diz Saúde

Anexos:

Porto Alegre Isolada


Porto Alegre Isolada


(Milton Pires)

Ah, Porto Alegre gelada,
ruas tristes, cidade vazia..

Isolado em ti mesma faço
mais das minhas angústias,
saudades, lembranças…

Tuas noites eu já não tenho mais,
não me faço presente nos teus bares
fechados, nas moças quietas porque
sozinhas tu quiseste me apresentar
para tomar quentão e dançar o som
dos anos 80…O som “ilusão” do
Rock Garagem, na noite lenda
da Rua 24, no povo louco lá do
Ocidente, que ainda é um louco
dentro da gente...

E no frio que me percorre a espinha
quando margeio esta muralha que cerca
o Guaíba eu encontro fantasmas de outro
século, resquícios do Bem ou do Mal,
do chimarrão churrasco ou GRENAL,
das outras lutas então lutadas fazendo
enlutadas estas gerações que agora me
cercam porque que não encontram mais
forças para te querer, te reencontrar, te
amar de novo como estas outras tantas
“namoradas” que nos sonhos eu tive…
que jamais toquei mas nunca esqueci…

Tudo em ti, Porto Alegre esquecida,
é ainda um pouco de mim..depois de
tanto tempo ainda sou eu...aqui foi
onde eu nasci...

Aqui talvez tenha fim..

Porto Alegre, Inverno de 2020.

NOVA NOTA DE 200 REAIS.


Previsão Sul – Risco de geada

Previsão Sul – Risco de geada:



Boletim de previsão do tempo contendo informações sobre previsão, temperatura mínima e máxima prevista, além de destaques relevantes dos últimos dias.

30 de Julho de 762: É fundada a cidade de Bagdad, centro de comércio e erudição do século VIII

30 de Julho de 762: É fundada a cidade de Bagdad, centro de comércio e erudição do século VIII:

No dia 30 de Julho de 762 d.C., é fundada Bagdad centro de comércio e erudição, cujas raízes remontavam à antiga Babilónia.
Em 634 d.C.  o recém-criado império muçulmano  expandia-se na região do Iraque, que à época fazia parte do Império Persa. Exércitos muçulmanos, sob o comando de Khalid ibn Waleed, deslocaram-se para a região e derrotaram os persas.  Ofereceram aos residentes, na maioria cristãos, duas escolhas: adoptar o Islão ou pagar uma taxa denominada “jizyah” para receberem a protecção do novo governo e serem excluídos do serviço militar.
O califa Omar ibn Al-Khattab ordenou a fundação de duas cidades para proteger o novo território: Kufah, a nova capital da região, e Basrah, a nova cidade portuária. A origem do nome Bagdad é controversa. Alguns dizem que provém de uma expressão do idioma aramaico significando "redil de ovelhas”. Outros defendem que decorre do antigo idioma persa: “bag”, que significa Deus, e “dad”, que significa presente – isto é, “Presente de Deus”.
Por volta de 762, a dinastia Abássida assume o poder do vasto mundo muçulmano e muda a capital para a recém-fundada cidade de Bagdad.  Ao longo dos cinco séculos seguintes, a cidade tornou-se centro mundial de educação, cultura e arte. Este período de glória passou a ser conhecido como “A Era de Ouro” da civilização islâmica, quando estudiosos do mundo muçulmano deram importantes contribuições às ciências e às humanidades. Sob o governo da dinastia Abássida, Bagdad transformou-se numa cidade de museus, hospitais, bibliotecas e mesquitas.
A maioria dos mais famosos sábios muçulmanos do século IX até o século XIII tiveram as suas raízes intelectuais em Bagdad. Um dos mais célebres centros de estudo foi Bayt al-Hikmah (a Casa da Sabedoria), que atraiu estudiosos do mundo inteiro, de muitas culturas e religiões. Lá, professores e estudantes trabalhavam juntos para traduzir manuscritos gregos, preservando-os para todo o tempo. Estudavam os trabalhos de Aristóteles, Platão, Hipócrates, Euclides e Pitágoras. A Casa da Sabedoria foi a sede académica do mais consagrado matemático do seu tempo: Al-Khawarizmi, o “pai” da álgebra.
Enquanto a Europa estava mergulhada na Idade Média, Bagdad era o coração de uma vibrante e diversificada civilização. Era conhecida como a mais rica e a mais intelectual metrópole do seu tempo e segunda em dimensão, só atrás de Constantinopla.
Após 500 anos de reinado, porém, a dinastia Abássida perdia paulatinamente a sua vitalidade e relevância sobre o imenso universo muçulmano. As razões eram naturais – vastas inundações e incêndios – e, em parte, políticas – rivalidade entre muçulmanos xiitas e sunitas ocasionando problemas internos de segurança.
A cidade de Bagdad foi finalmente destroçada pelos Mongóis em 1258, pondo fim concretamente aos Abássidas.  Os rios Tigre e Eufrates, segundo consta, tingiram-se de vermelho com o sangue de milhares de pessoas. Calcula-se que 100 mil de um milhão de habitantes de Bagdad foram massacrados. Muitas das bibliotecas, canais de irrigação e grandes tesouros históricos foram saqueados e arruinados para sempre.
Teve início então um longo período de declínio, foi palco de numerosas guerras e batalhas que prosseguiram até os nossos dias.
Fontes: 
wikipedia (imagens)

1024px-DiezAlbumsFallOfBaghdad.jpg
A conquista de Bagdad pelos Mongóis 
Market-Place_of_Bagdad.jpeg

 Bagdad em 1876

SOBRE A EXPRESSÃO DA RAIVA E DO AMOR.

quarta-feira, 29 de julho de 2020

Aras critica Lava Jato e defende corrigir rumos para que 'lavajatismo não perdure.

Via Crucis


Via Crucis

(Milton Pires) 

Sozinho, sozinho, vivo
no meu canto, isolamento
sem espanto é o que a vida
foi pra mim…Meus dias se
confundem numa febre sem
rancor, numa paz que é sem
amor, na vertigem esperança
de sonhar pra ter alívio...

Quem me cerca é a ignorância,
soberba autoevidente no Brasil
infectado...pobre de mim, pobre
dos outros, esperando cloroquina
pra morrer “susificado” entubado
entre os ladrões…

“Mox eris mecum
in paradisum”

Porto Alegre, julho de 2020.

"Doutora" Madonna defende cloroquina, e Instagram marca publicação como “falsa”

Madonna defende cloroquina, e Instagram marca publicação como “falsa”:


Madonna defendeu, em uma publicação ontem no Instagram, o uso da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com Covid-19.

A cantora compartilhou um vídeo em que uma suposta médica afirma que o medicamento é “a cura” para a doença causada pelo novo coronavírus.

Minutos depois, a postagem foi marcada como “falsa” pelo Instagram e excluída por Madonna.

Além de compartilhar o vídeo, Madonna escreveu que “algumas pessoas não querem ouvir a verdade, especialmente as que lucram com a longa busca pela vacina”. Segundo ela, a cura para a Covid-19 “está disponível há meses”.

Trata-se do mesmo vídeo compartilhado por Donald Trump Jr., filho de Donald Trump. Ele ficou impedido de publicar no Twitter por 12 horas.

Embaixador americano ameaça Brasil sobre 5G com Huawei

Embaixador americano ameaça Brasil sobre 5G com Huawei:


O embaixador dos Estados Unidos, Todd Chapman, disse que "haverá consequências" para o Brasil, caso o país escolha a gigante chinesa de tecnologia Huawei como fornecedora de equipamentos para a rede 5G.

O leilão, adiado duas vezes, está previsto agora para ocorrer só em 2021.

Chapman disse ao Globo que empresas americanas podem deixar o Brasil, por temer que seus segredos de propriedade intelectual não estejam protegidos. Ele voltou a destacar as negociações para um acordo de facilitação do comércio bilateral.

Os EUA estão em uma ofensiva global contra o avanço da China, a segunda maior economia do mundo, em especial na área tecnológica.

Depois de impor restrições à Huawei, como a proibição de compra de componentes fabricados por empresas americanas, o governo Trump pressiona seus aliados a impedir que a companhia entre em suas redes 5G. Os chineses negam que pretendam usar a empresa, que é privada, para espionagem.

Previsão Sul – Ar frio ganha força sobre a Região

Previsão Sul – Ar frio ganha força sobre a Região:



Boletim de previsão do tempo contendo informações sobre previsão, temperatura mínima e máxima prevista, além de destaques relevantes dos últimos dias.

29 de Julho de 1890: Morre Vincent van Gogh, 37 anos, dois dias depois de ter atingido o próprio peito com um tiro de pistola

29 de Julho de 1890: Morre Vincent van Gogh, 37 anos, dois dias depois de ter atingido o próprio peito com um tiro de pistola:

Pintor holandês pós-impressionista, nasceu a 30 de Março de 1853. Como Gauguin, é um apóstolo retardatário da pintura. Abandonou a sua profissão em 1876 para se dedicar como pregador laico aos mineiros de Borinage, no sul da Bélgica. No Verão de 1880, decidiu consagrar-se à pintura com a mesma paixão incontrolada e a mesma sede de absoluto com que quisera servir as classes desfavorecidas. A Arte, a Literatura e a Religião, concebia-as como várias facetas de um mesmo mistério. Deixou a descrição das suas buscas, métodos e intenções em inúmeras cartas escritas sobretudo ao irmão, Theo. A sua carreira não iria durar mais do que uma década. Dois anos em Paris, de Fevereiro de 1886 a Fevereiro de 1888, transformaram por completo as suas concepções e a sua pintura. Nada o teria preparado para a visão dos quadros impressionistas, as novas técnicas libertadoras, a explosão das cores. A paixão pela cor, assim como um temperamento marginal, levou-o até Arles, na Provença. Os GirassóisA Ponte Levadiça (1888), o pomar de Pessegueiros em Flor (1889) são os temas deste período. Os Ciprestes e Corvos sobre a Seara pertencem à última fase, em que o equilíbrio emocional do pintor era precário. Entretanto, a depressão agravou-se, e a 27 de Julho de 1890, depois de semanas de intensa actividade criativa (nesta época Van Gogh pinta, em média, um quadro por dia), Van Gogh dirige-se ao campo onde disparou um tiro contra o peito. Arrastou-se de volta à pensão onde se instalara e onde morreu dois dias depois, nos braços de Theo. As suas últimas palavras, dirigidas a Theo, teriam sido: "La tristesse durera toujours" (em francês, "A tristeza durará para sempre"). Faleceu no dia 29 de Julho.
Van Gogh desenvolveu uma pintura caracterizada por uma intensidade emocional extrema. Mais do que pintar o que via, quis expressar o que sentia. E se o mundo do Impressionismo se pode revelar em pequenos pontos de luz, em Van Gogh esses pontos de luz tornam-se energia pura. Os objectos são distorcidos, as proporções falseadas, e a própria textura torna-se um elemento da expressão emocional do quadro. As cores são utilizadas no seu estado puro e aplicadas com a espátula ou o pincel, criando um relevo, um padrão, um ritmo insistente. A sua arte inicia o Expressionismo, valorizando o que é significativo em detrimento dos padrões de beleza clássicos, de maneira a que a pintura seja mais "verdadeira do que a própria verdade", nos dizeres do próprio artista.
Vincent Van Gogh. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2011. 
wikipedia (Imagens)


250px-Vincent_van_Gogh_-_Self-Portrait_-

File:Van Gogh Self-Portrait with Straw Hat 1887-Metropolitan.jpg

Auto retrato com Chapéu de palha 1887

File:Van Gogh - Starry Night - Google Art Project.jpg

File:VanGogh Bedroom Arles1.jpg


Arquivo: O Semeador - pintura de Van Gogh.jpg


terça-feira, 28 de julho de 2020

All Engines Ahead Flank


All Engines Ahead Flank

(Milton Pires)

An adrift old sailor
I’m supposed to be
since my sweetest love
put an end to me..

Dropping tears in oceans
of the ancient times I’m
the hardest punishment to
her vicious major crimes…

But I shall survive through
this pure despair since new
pretty ladies come to me in
pairs …

Then I’d rather die then to
take her back for I’m not
astray and she’s not the
track…

July, 2020

Comissão da Câmara dos EUA quer família Bolsonaro “fora das eleições”

Comissão da Câmara dos EUA quer família Bolsonaro “fora das eleições”:

Alan Santos/PR

O presidente do Comitê de Relações Internacionais da Câmara dos Estados Unidos, Eliot Engel, subiu o tom, ontem, contra uma manifestação do deputado Eduardo Bolsonaro a favor da reeleição de Donald Trump, informa Nathalia Watkins, de Washington, na Crusoé. “Já vimos esse manual antes. É vergonhoso e inaceitável. A família Bolsonaro precisa ficar de fora das eleições nos EUA”, publicou Engel no Twitter do comitê.

Engel se referia a um post do 03 publicado no último domingo, com um vídeo da campanha presidencial de Trump.

Previsão Sul – Risco de temporais

Previsão Sul – Risco de temporais:



Boletim de previsão do tempo contendo informações sobre previsão, temperatura mínima e máxima prevista, além de destaques relevantes dos últimos dias.

28 de Julho de 1750: Morre o compositor alemão Johann Sebastian Bach

28 de Julho de 1750: Morre o compositor alemão Johann Sebastian Bach:

A vida e carreira de J. S. Bach foi confinada a um espaço geográfico bastante limitado. Nascido e criado em Thuringia, Eisenach, o músico nunca se afastou muito da sua terra natal. A família de Bach era uma de várias famílias tradicionais de músicos, vivendo como instrumentistas e cantores da cidade. Bach acabaria por perder os seus pais, ficando órfão aos 9 anos de idade. O jovem Bach foi então viver com o seu irmão Johann Chrtistoph Bach. Este acabou por ser o seu primeiro professor de piano, apesar de o jovem já ser talentoso nessa altura. Quando o irmão deixou de o poder sustentar, Bach e o seu amigo de escola, Georg Erdmann, partiram para Lüneburg. Isto aconteceu em 1700. Nessa localidade existia a Escola Latina, que aceitava crianças carenciadas, com o compromisso de retribuírem os estudos cantando no coro da Igreja de S. Miguel (Michaeliskirche). Esta escola estava ligada a uma tradição musical relevante, proporcionando ao jovem músico uma formação musical de qualidade. Após um breve período na escola, Bach era já considerado um virtuoso do órgão. Em 1703, Bach é contratado como violinista para a capela privada do duque de Weimar, Johann Ernst. Não tardou que Bach conseguisse o seu primeiro emprego sério, sendo designado, ainda nesse ano, organista da nova igreja de Arnstadt. Em outubro de 1705, tirou uma licença de quatro semanas para estudar a música de Buxtehude em Lübeck, reconhecido compositor de trabalhos para órgão e peças vocais. Estas terão sido a principal influência dos primeiros trabalhos vocais de Bach, Actus Tragicus BWV 106. Só regressou a Arnstadt em janeiro de 1706. Durante este período em Arnstadt terá composto também o Capriccio Sopra La Lontananza Del Suo Fratello Diletissimo BWV 992, o prelúdio coral Wie Shön leuchtet der Morgenstern BWV 739.

Em 1707, muda-se para Mülhausen e torna-se o organista local. Casou com Maria Bárbara, sua prima em segundo grau. Nesta fase, desenvolveu o gosto pela composição de temas vocais de câmara. Durante este período compõe diversas cantatas, sendo publicada uma delas, a única que conheceu divulgação escrita durante a sua vida, a cantata Gott Ist Mein König BWV 71. Foi um facto notável para um compositor de 22 anos, numa época em que nem compositores como Telemann ou Handel tinham conseguido esse privilégio. Neste período compôs os famosos Toccata and Fugue em Ré Menor BWV 565, o Prelude and Fugue em Ré Maior BWV 532 e a Passacaglia em Dó Menor BWV 582.

Retorna a Weimar em 1708. Foi nesta cidade que transcreveu para órgão uma coleção de música italiana, particularmente a coleção de concertos L'Estro Armonico, de Vivaldi, que acabaria por ter muita influência na forma das composições de Bach. Nesta fase nascem os seus quatro filhos, Catharina Dorothea (1708), Wilhelm Freidemann (1710), Carl Philipp Emanuel (1714), apenas estes dois tiveram formação musical, e Johann Gottfreid Bernhard. As principais obras de órgão de Bach nasceram neste período. Depois de ver dobrado o seu salário, Bach escrevia uma cantata por mês. Nesta fase, o seu nome começou a ser falado além dos limites de Weimar.

Um desentendimento com um dos duques de Weimar acabou por levá-lo à prisão durante praticamente um mês, até ser destituído das funções que ocupava. Partiu para Köthen, de onde tinha recebido uma interessante proposta de trabalho. Tornou-se mestre da capela local em 1717. Além disso, Bach compôs peças para a orquestra pessoal do príncipe Leopold von Anhalt-Köthen, seu patrono musical. Bach viajava frequentemente com a banda e, num dos regressos, soube do falecimento da sua esposa. Casou em 1721 com Anna Magdalena Wilcken. O declínio musical de Köthen levou Bach a procurar outra colocação. Nesta fase, compôs os famosos Brandenburg Concertos BWV 1046-1051, as French Suites BWV 812-817 e as English Suites BWV 806-811.

Bach e a família partem para Leipzig em 1723. O músico colaborou com a Escola de St. Thomas, uma instituição associada a uma tradição secular de formar os cantores para os coros das quatro igrejas locais. Neste período, seguindo a filosofia da escola, Bach compôs cantatas em grande quantidade. Apesar disso, a vida pessoal do músico não deixou de estar marcada pela tragédia: a sua segunda mulher esteve grávida 12 vezes mas oito das crianças morreram e dos quatro sobreviventes um tinha graves problemas mentais. O último filho nasceu em 1742, quando Bach tinha 57 anos.

Depois de vários problemas legais, Bach assume a direção do Collegium Musicum de Leipzig. O músico lidera também a orquestra dos estudantes, com concertos semanais. Foi nesta época que Bach praticamente deixou de compor cantatas. Destacam-se St. Mark Passion (1731), o Christmas Oratorio (1734/35), o Easter Oratorio (1734) e o Ascension Oratorio (1735), como as suas últimas composições neste estilo, apesar de ter continuado com estes trabalhos até 1742.

A última fase da sua vida é marcada por um estilo galante e diferente, bem patente nas Goldberg Variations (1742). Este estilo caracteriza-se por uma estrutura rígida, um ritmo harmónico mais lento do que o habitual no estilo barroco. Também é comum o recurso aos ritmos das danças populares e das canções tradicionais. Contudo, Bach não abandona o stile antico de compositores como Palestrina. Esta perspetiva influenciou a Missa em Si Menor BWV 232 e o Kunst der Fugue BWV 1080, um trabalho inacabado e publicado em 1751, após a morte de Bach.

Bach compôs uma enorme quantidade de peças de música coral sacra, incluindo mais de 200 cantatas, a célebre Missa em Si Menor e três composições da Paixão (segundo S. Mateus, S. João e S. Lucas), uma delas perdida. Também compôs inúmeras peças para órgão e para cravo. Os seus últimos trabalhos incluem os célebres 48 prelúdios e fugas: O Cravo Bem-Temperado (Caderno I, 1722, e Caderno II, 1744) e Variações Goldberg (1742). A sua obra musical engloba também 20 concertos e 12 sonatas incompletas para violino e para violoncelo.
Johann Sebastian Bach. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012.
wikipedia (imagens)

Ficheiro:Johann Sebastian Bach.jpg

Johann Sebastian Bach pintado por Elias Gottlob Haussmann
Ficheiro:Bachweimar.jpg

Registo de pagamentos efectuados a Bach




segunda-feira, 27 de julho de 2020

A MENTIRA SOBRE “AUTONOMIA” DO MÉDICO PARA DECIDIR SE “PRESCREVE” OU “NÃO PRESCREVE” CLOROQUINA.

(Milton Pires)

NÃO EXISTE autonomia do Médico SEM ética, NÃO EXISTE ética sem rigor científico, NÃO EXISTE rigor científico de “esquerda” NEM rigor científico de “direita” – só rigor científico. Ciência é uma coisa capaz de produzir, ao mesmo tempo, a negativação da carga viral na infecção pelo HIV e as explosões atômicas de Hiroshima e Nagasaki. O rigor científico não faz alguém ser “bom” nem “mau” - o que faz alguém “bom” ou “mau” é o exame filosófico contínuo da própria vida. NÃO EXISTE Filosofia que possa ser levada a sério sem fé em Deus Nosso Senhor em Jesus Cristo, seu único Filho.

Será que deu pra entender isso ou é preciso desenhar? Vagabundos Petistas eu tenho certeza ABSOLUTA que não conseguem entender, mas alguns dos Fascistas Cloroquínicos, alguns lambedores das botas do Jair Mussolini que estão aqui neste grupo, eu acredito que tenham sido (ou que são) alunos do ex-filósofo Olavo de Carvalho – estes eu NÃO acredito que não consigam entender isso. Não é possível.

Porto Alegre, 27 de julho de 2020.

Urgente: PF na casa de Vagabundo Petista governador do Piauí

Urgente: PF na casa do governador do Piauí:


A Polícia Federal está neste momento na residência do governador do Piauí, o petista Wellington Dias. Trata-se da terceira fase da Operação Topique, que investiga crimes de organização criminosa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e fraude em licitação na Secretaria de Educação do Estado...Estão sendo cumpridos 12 mandados de busca e apreensão em Teresina e em Brasília, por ordem da Justiça Federal no Piauí com apoio Controladoria-Geral da União e do Ministério Público Federal.
Como O Antagonista mostrou no ano passado, pelo menos R$ 50 milhões foram desviados por empresários e agentes públicos, que teriam atuado em conluio para fraudar licitações e contratos de transporte escolar, entre 2015 e 2016. Os recursos desviados são do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica) e do PNATE (Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar).

De acordo com a PF, mesmo após duas fases ostensivas da operação, o Governo do Estado do Piauí mantém contratos ativos com as empresas participantes do esquema criminoso que totalizam o valor de R$ 96,5 milhões de reais, celebrados entre os anos de 2019 e 2020.

Os recursos públicos desviados, quantificados em relatórios de auditoria da CGU, foram obtidos a partir de pagamentos superfaturados em contratos de transporte escolar. As empresas beneficiadas, destinatárias de pagamentos em volume cada vez maior a partir de 2015, formavam uma espécie de consórcio simulando concorrência em licitações e, com participação de servidores públicos, se beneficiavam de contratos fraudulentos.

Segundo a imprensa local, há indícios de que as mesmas empresas já atuam em fraudes licitatórias em dezenas de municípios do Piauí desde 2008, lucrando com a subcontratação parcial ou integral dos serviços, que de fato são prestados por terceirizados, em condições de total insegurança para os alunos da rede pública de ensino.

As análises apontam que o modelo criminoso foi utilizado para contratos de locação de veículos por outras secretarias e órgãos do Governo do Estado do Piauí e por dezenas de municípios do interior.
Leia este conteúdo na integra em: Urgente: PF na casa do governador do Piauí

É possível que uma tempestade solar destrua a civilização?

PNY6PIJI4JFQXBOIRHX2ACFLTU.jpg


 Patrícia Sánchez Blászquez e Pablo Pérez González para o El País:


A cada segundo, no centro do Sol, 700 milhões de toneladas de hidrogênio se transformam em 695 milhões de toneladas de hélio mediante fusão nuclear. A diferença de massa, equivalente a 15 arranha-céus como o Empire State, vira energia segundo a famosa equação de Einstein, E=mc2. Esta energia é a que faz o Sol brilhar e a responsável por, mesmo a 150 milhões de quilômetros de distância, recebermos o seu calor.

A energia gerada no núcleo do Sol é transportada ao exterior e às camadas mais externas e menos densas. Quando recebem o calor de abaixo, começam a ebulir. Isto cria enormes correntes de gás quente que viajam centenas de milhares de quilômetros, levando o calor gerado no centro para a superfície, do mesmo modo como ao fervermos água em uma chaleira no fogão. Devido à alta temperatura, os elétrons dos átomos são separados do seu núcleo, por isso o gás do Sol é uma sopa de partículas carregadas, o que chamamos um plasma. Quando uma partícula carregada está em movimento, ela gera um campo magnético, de modo que estas correntes de plasma funcionam como um dínamo e levam também o campo magnético à superfície.

Os campos magnéticos não costumam ser tão ordenados como o da Terra, pois a rotação do Sol é mais rápida no Equador (25 dias) do que em latitudes médias (28 dias). Sim, o Sol não é como uma pião, cuja rotação é uniforme; conforme nos afastamos do Equador, o material vai “ficando atrasado”, anda mais devagar. Por isso, as linhas de campo magnético se retorcem e se enredam umas com as outras, impedindo em alguns casos os movimentos do gás, que fica confinado (uma palavra muito na moda e que se usa muito em física). Como resultado visível do fenômeno magnético, aparecem regiões mais frias e escuras na superfície do Sol, que chamamos de manchas, que seriam as zonas onde os tubos de fluxo magnético afloram à superfície. As manchas sempre aparecem em pares, assim como acontece com os polos de um ímã.

Embora seja famosa a disputa travada entre o jesuíta Christopher Scheiner e o astrônomo florentino Galileu Galilei pela prioridade do descobrimento das manchas no Sol, o fato é que o primeiro registro conhecido delas aparece no Livro das Mutações (I Ching, 易經), escrito por volta de 1200 a.C.. Este foi o primeiro dos múltiplos registros que os astrônomos chineses e coreanos realizaram, fundamentalmente por encomenda do imperador, que os usava para realizar presságios. Na cultura asteca, onde se adorava ao deus sol, existem registros indicando como seu rosto aparece “bicado” pela varíola, o que pode ser uma indicação destas manchas. Também no Ocidente as manchas foram observadas muito antes, mas a concepção aristotélica do universo como imaculado e perfeito, depois adotada pela Igreja, fez que a ideia de um Sol manchado fosse considerada uma heresia. Desde meados do século XIX sabemos que as manchas aparecem, se tornam mais abundantes e desaparecem em períodos de 11 anos, o chamado ciclo de atividade solar, no qual o campo magnético global do Sol troca de polaridade (os polos norte e sul se invertem).

Como as partículas carregadas respondem à presença de um campo magnético, a acumulação de plasma nos pontos onde o campo magnético aflora às vezes pode ser observada na forma de imensos arcos de fogo que se estendem por centenas de milhares de quilômetros. Esses arcos eventualmente se tornam instáveis e podem chegar a se romper, liberando toda a imensa energia acumulada neles no que chamamos de uma ejeção de massa coronal. Estes eventos lançam partículas carregadas a velocidades muito altas, capazes de viajar, em alguns casos, a distância da Terra ao Sol em menos de um dia. Quando chegam à Terra, a atmosfera absorve a radiação e as partículas são desviadas pelos campos magnéticos terrestres, a chamada magnetosfera, e seguem a trajetória de suas linhas de campo, dirigindo-se para os polos da Terra, onde acabam penetrando e interagindo com os gases da atmosfera e criando as belas auroras polares.

Entretanto, se uma ejeção de massa coronal for suficientemente grande, pode deformar a magnetosfera terrestre, dando lugar a fenômenos como o ocorrido em 1º de setembro de 1859, o chamado evento de Carrington. Às 11h18 daquele dia, Richard Carrington estava fazendo esboços das manchas solares quando observou uma imensa eclosão luminosa que parecia sair de dois pontos do grupo de manchas. Dezessete horas mais tarde, uma onda de auroras boreais transformou a noite em dia em toda a América do Norte, chegando até a Colômbia.

Felizmente, a única tecnologia moderna já em uso naquela época era o telégrafo. Estes falharam em todo o mundo, causando faíscas nas linhas e ateando fogo a alguns escritórios, mas sem causar males maiores. Entretanto, na sociedade em que vivemos hoje as correntes elétricas produzidas nestes eventos podem chegar a afetar os satélites de comunicação e navegação e inclusive a queimar os transformadores de alta tensão, nos deixando sem abastecimento elétrico. Em 2012, a Terra escapou por pouco de uma ejeção de massa coronal tão poderosa como a de 1859. Se a tempestade solar acontecesse uma semana antes, teria nos atingido em cheio, causando danos nos sistemas eletrônicos avaliados, só nos Estados Unidos, em até 2,6 trilhões de dólares (13,4 trilhões de reais), sendo necessários vários anos para a sua reparação total.

Mas ainda há outras (potenciais) más notícias. Uma publicação de 2012 descobriu que estrelas similares ao Sol podem ter superfulgurações, muito mais energéticas que o evento de 1859. Se estas tempestades nos apanharem despreparados, as consequências podem ser catastróficas. Dependemos da eletricidade para tudo. Uma falha no sistema de fornecimento significaria que não teríamos luz, computadores, comunicações, água corrente. Haveria desabastecimento nos supermercados, e a comida apodreceria por não poder ser refrigerada. Além disso, devido à falta de eletricidade, seria complicado voltar a construir o sistema de suprimento. É difícil predizer os danos totais que um destes eventos causaria em nossa sociedade, mas cedo ou tarde saberemos, é só questão de tempo. Há filmes sobre isso, pode acontecer, estamos avisados! – tanto quanto com o que estamos vivendo agora.

A missão Solar Orbiter (SolO), uma colaboração entre as agências espaciais europeia e norte-americana (ESA e NASA, respectivamente) enviou há alguns dias as imagens do Sol mais próximas já obtidas. Um dos objetivos desta missão é entender melhor os ciclos de atividade solar, justamente para podermos nos precaver deles. Esperemos que estes esforços nos salvem dos presságios do imperador Wang Mang, que dizia em relação às manchas solares: “São uma anormalidade e só podem estar indicando a chegada de catástrofes”.

Patricia Sánchez Blázquez é professora titular na Universidade Complutense de Madri (UCM).
Pablo G. Pérez González é pesquisador do Centro de Astrobiologia, ligado ao Conselho Superior de Pesquisas Científicas da Espanha e ao Instituto Nacional de Técnica Aeroespacial (CAB/CSIC-INTA).

Brasil registra 555 mortes por Covid-19 em 24 horas, diz Saúde

Brasil registra 555 mortes por Covid-19 em 24 horas, diz Saúde:


O Brasil registrou 555 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, segundo o Ministério da Saúde.

Com isso, subiu para 87.004 o número de vítimas fatais da da doença no país.

Leia este conteúdo na integra em: Brasil registra 555 mortes por Covid-19 em 24 horas, diz Saúde

Previsão Sul – Tempo instável

Previsão Sul – Tempo instável:



Boletim de previsão do tempo contendo informações sobre previsão, temperatura mínima e máxima prevista, além de destaques relevantes dos últimos dias.

27 de Julho de 1970: Morre António de Oliveira Salazar

27 de Julho de 1970: Morre António de Oliveira Salazar:

Político português, filho de António Oliveira e Maria do Resgate, António de Oliveira Salazar nasceu a 28 de abril de 1889, no Vimieiro, uma pequena aldeia de Santa Comba Dão. De família de pequenos proprietários agrícolas, as primeiras letras aprendeu-as em lições particulares, pois não existia escola na pequena aldeia onde nasceu, e, como muitos jovens da sua idade e condição social, fez a formação académica em ambiente fortemente marcado pelo Catolicismo, tendo frequentado durante oito anos, o Seminário Diocesano de Viseu. Tendo desistido definitivamente da vida eclesiástica, embora a influência religiosa assim adquirida na juventude nunca mais o tenha abandonado, Salazar matricula-se na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, onde teve como colega e grande amigo um sacerdote que viria a ser Cardeal Patriarca de Lisboa, Manuel Gonçalves Cerejeira. É nessa altura que se instala a República em Portugal. Estamos no ano de 1910. Ora, como se sabe, os republicanos perseguiram ferozmente o clero, tendo promulgado um conjunto de leis anticlericais que levou ao rompimento das relações de Portugal com a Santa Sé. Por outro lado, durante a República, verificaram-se sucessivas greves, golpes e contragolpes de Estado. Finalmente, em 1917, a entrada de Portugal na Primeira Guerra Mundial veio agravar ainda mais a situação dos Portugueses e as finanças do Estado. Este ambiente político, económico e social conduziu ao crescimento de uma: "Só a ditadura nos pode salvar". O jovem Salazar formou-se durante este período. Na sua juventude escreveu contra Bernardino Machado, ministro da Justiça, participou em vários confrontos entre os estudantes e os Governos da república, e foi formando teorias sólidas, católicas e conservadoras sobre o Estado, a Igreja, a família, a má imprensa, etc. Ótimo aluno desde a infância, quando termina o curso de Direito Salazar concentra-se no acesso à docência e deixa um pouco de lado as questões políticas. Em 1918 inicia a sua atividade como docente de Ciências Económicas da Faculdade de Direito de Coimbra. Através de artigos e conferências, afirma-se progressivamente como ideólogo e doutrinador suprapartidário. Nos seus escritos e conferências defende que a República e o Cristianismo são perfeitamente compatíveis, com o que procura sarar uma das mais profundas feridas da sociedade de então, pois o fundamental para ele era um renascimento da pátria dividida pelas lutas parlamentaristas. O seu ingresso na política faz-se através do Centro Académico da Democracia Cristã (CADC) de Coimbra, que constitui um dos veículos de oposição católica à República liberal. O primeiro marco significativo da carreira política de Salazar - que viria a revelar-se excecionalmente longa - é justamente a sua eleição como deputado católico para o Parlamento republicano, em 1921; compareceu apenas a uma sessão da Câmara dos Deputados, sem fazer qualquer intervenção, e afastou-se em definitivo da cena parlamentar.
A 28 de maio de 1926 dá-se o golpe fundador da Ditadura Militar, que substitui a Primeira República. Salazar aceita colaborar com Sinel Cordes, ministro das Finanças, na elaboração das bases da revisão fiscal e um ano depois apresenta-lhe um conjunto de 10 projetos de reforma, mas o ministro não lhes dá seguimento. Seria a rutura. Salazar cobre as páginas do Novidades com críticas à política de Sinel Cordes. Este, por sua vez, procura desesperadamente a solução para a crise financeira do país através da obtenção de um empréstimo junto da Sociedade das Nações. As negociações arrastam-se, e por fim, já em 1928, falham redondamente, porque as condições impostas pelos credores são inaceitáveis para a Ditadura Militar, que, sem finanças, está à beira do colapso. Este facto leva ao afastamento de Sinel Cordes e abre caminho a Salazar, porque o professor de Finanças da Faculdade de Coimbra, com sólida reputação de técnico conceituado, tem a solução para a crise financeira do país: o Equilíbrio Orçamental. Mas a obtenção deste equilíbrio é apenas um primeiro passo: segundo a doutrina de Salazar, deve seguir-se-lhe o equilíbrio económico, depois o social e, finalmente, o político. Salazar é assim novamente convidado a integrar o Governo, mas, desta feita, impõe as suas condições: por um lado, e como técnico de Finanças, exige o exame de todas as iniciativas que impliquem receitas e despesas; e, por outro, como católico conservador, exige que o Estado se comprometa a não alterar a situação da Igreja com novos agravos. Estas condições foram aceites, e a partir de então Salazar coordena de facto todos os ministérios a partir das Finanças. No discurso de tomada de posse (28 de abril de 1928) Salazar profere a frase mais famosa da sua carreira política: "Sei o que quero e para onde vou". Sabia-o, de facto: a "ditadura" financeira era o primeiro passo para a reforma corporativa e autoritária do Estado. Entre o Ministério das Finanças e a institucionalização do Estado Novo levará apenas seis anos (1928-1933/4), durante os quais Salazar conseguiu concentrar e harmonizar as direitas portuguesas numa só direita, e, gerindo habilmente este equilíbrio, manter-se-á no poder. O equilíbrio orçamental foi alcançado logo no ano seguinte, constituindo um notável exemplo de recuperação financeira, baseando-se na receita tributária existente e contraindo as despesas de modo a não ultrapassarem este valor; o novo regime orçamental previa ainda verbas para investimento, permitindo lançar um programa de obras públicas e intervir num mundo empresarial que havia sido abalado por sucessivas crises. Salazar tornou-se assim um ministro imprescindível em qualquer ministério. Esta posição e o crédito alcançado junto do Presidente da República, o general Óscar Carmona, conferem-lhe muito poder quanto à sobrevivência dos ministérios e nomeação dos ministros, o que Salazar vai usar para se rodear de homens da sua confiança, amigos de Coimbra, e tentar eliminar os partidários do Parlamentarismo, enquanto se apoia na confiança da Igreja Católica. Em 1930 é formado um novo governo, mas o consenso já só foi possível com a nomeação de um apoiante de Salazar para chefe de Governo. Salazar continua com a pasta das Finanças e nesse ano, interinamente, também a das Colónias, estando definitivamente lançado na marcha para o poder. O Ato Colonial é promulgado em 1930 e aí se estabelece o essencial da política colonial do regime. Em maio de 1932 o Exército oferece a Salazar as insígnias da Grã-Cruz de Torre e Espada - nunca antes atribuídas a um civil. Finalmente, Salazar é empossado como chefe de Governo a 5 de julho de 1932. A sua ação política confunde-se, a partir de agora, com o próprio regime. Em novembro nomeia o Ministério e a Comissão Central da União Nacional constituídas pelas várias direitas que inspira. Uma nova Constituição é aprovada em 1933 e nos cinco meses seguintes Salazar controla as principais instituições do Estado Novo. Sem perder tempo, cria a Polícia de Vigilância e Defesa do Estado (PVDE), regulamenta o exercício da liberdade de associação e manifestação, reorganiza a censura e lança um grande e definitivo ataque à liberdade sindical. Vencidas todas as oposições, Salazar convoca o I Congresso da União Nacional - partido único criado em 1930 - que consagra a frente política das direitas portuguesas sob a sua liderança indiscutível. Em 1935 é aprovada uma alteração à Constituição que impede os deputados de apresentar propostas de lei que se traduzissem num aumento das despesas ou diminuição das receitas, coartando assim gravemente o papel do Parlamento, alargando-se o do poder do executivo, e portanto o seu poder pessoal, transformando-se o regime na ditadura pessoal do chefe de Governo. A partir de 1936, Salazar preside ao Conselho de Ministros, detém as pastas das Finanças, da Guerra e dos Negócios Estrangeiros, e ocupa-se de todos os pequenos detalhes da Administração. Salazar prossegue nas suas intenções: crescente intervenção do Estado na economia, enquadramento corporativo das principais atividades, isto enquanto a censura e a polícia política garantem a estabilidade e estão atentas ao mais leve sinal de oposição. A propaganda oficial canta as excelências do mundo rural, a ordem paira nas escolas e nas fábricas e os funcionários públicos são escolhidos por critérios de fidelidade ideológica. Em 1937 e 1938 são lançadas as reformas do Exército, que, a par de uma modernização, visam reforçar o controlo político sobre ele e afastar os últimos republicanos. Finalmente, normaliza as relações com a Santa Sé através da Concordata e do Acordo Missionário. Consolidado internamente o regime, Salazar traça as linhas da política externa: a sua prioridade é o Império, e não a Europa, embora nesta, procurando diversificar dependências (as ligações económicas básicas eram com a Inglaterra), se aproxime política e economicamente da Alemanha do III Reich. A Guerra Civil que em 1936 estala em Espanha será o primeiro grande desafio do regime. O comunismo é a grande heresia, o principal inimigo, e Salazar vai, por isso, apoiar a revolta de Franco. A Guerra Civil de Espanha vai ter reflexos diretos na política portuguesa: em 1936, os marinheiros ligados à Organização Revolucionária da Armada, afeta ao PCP, revoltam-se, procurando levar os seus navios para Espanha, a fim de apoiar os republicanos, sendo duramente reprimidos. No ano seguinte verificam-se vários atentados à bomba contra os ministérios e instalações ligados à ajuda ao exército franquista, e dá-se o atentado à bomba contra a vida do ditador. É então que Salazar consente a constituição da Legião Portuguesa (milícia civil) e da Mocidade Portuguesa (destinada aos estudantes e de carácter obrigatório). Entre 1936 e 1939 regista-se o pico das prisões políticas, sendo em 1936 que se abre o campo de concentração do Tarrafal, em Cabo Verde. A vitória das tropas do general Franco em 1939 foi também uma vitória do Governo português; mas, na hora do triunfo, a única coisa que Salazar pedirá a Espanha será o reconhecimento da soberania portuguesa, ameaçada pelos propósitos anexistas de alguns círculos do próprio regime franquista. Salazar lança, então, o projeto de comemoração da dupla nacionalidade (1140-1640), tendo como ponto culminante a Grande Exposição do Mundo Português, que seria o símbolo do período áureo do regime, que era "uma ilha de paz num mundo em guerra". Com o início da Segunda Guerra Mundial Salazar concentra em si mais do que nunca todas as decisões sobre o que é minimamente importante. A nível externo, gere habilmente a neutralidade portuguesa, declarada desde 1939. Mas internamente depara-se com graves problemas. Entre 1940 e 1944 começam a faltar os géneros de primeira necessidade, a inflação dispara, gerando a fome. Salazar, com algum atraso, decreta medidas de racionamento e fixa administrativamente os preços, expondo os açambarcadores à vergonha pública, pois os seus nomes eram divulgados nos jornais para exemplo. Estalam movimentos grevistas, reprimidos pela polícia política e pelo Exército, estando controlada a situação em 1944. Entretanto esse período seria, do ponto de vista das obras públicas e graças à presença à frente desse Ministério de um trabalhador incansável, o engenheiro Duarte Pacheco, um dos mais produtivos do regime: são construídos o aeroporto de Lisboa, o Parque Florestal de Monsanto, a marginal Lisboa-Estoril, o Estádio Nacional, o Instituto Superior Técnico, etc. É também dessa época a expropriação de largos trechos da capital, o que (além do já referido Parque de Monsanto) permitiu lançar as obras dos variados bairros sociais. Com o finalizar da Segunda Grande Guerra em 1945, e a derrota das "potências do Eixo", parecia soar a hora de o regime acabar. As oposições reorganizam-se surgindo o Movimento de Unidade Nacional Antifascista (MUNAF), liderado por Álvaro Cunhal, e é criado também o Movimento de Unidade Democrática (MUD). Procurando tomar características mais abertas, o Governo faz algumas reformas: o regime processual dos crimes políticos é alterado logo em 1944, os tribunais militares especiais são substituídos por tribunais judiciais plenários, a PVDE muda de nome para PIDE e antecipam-se as eleições. Forma-se, então, uma lista da oposição para concorrer às eleições de novembro de 1945 - o que acontecia pela primeira vez desde 1926; mas a falta de condições devido à atuação da PIDE e da Censura levam o MUD a desistir da participação e a apelar à abstenção. A União Nacional assegurou a eleição de todos os seus candidatos. Entre fevereiro e março faz-se uma reformulação do Governo e dos órgãos diretivos da UN e dá-se espaço aos marcelistas - reformistas e defensores do industrialismo. Nos anos de 1947-48 será o contra-ataque político-policial, dá-se uma nova vaga de saneamentos políticos na Universidade, reprimem-se todas as greves e manifestações, prendem-se os dirigentes do MUD juvenil e os membros da sua comissão central, sendo o movimento ilegalizado. Em 1949, a candidatura de Norton de Matos à Presidência da República dá novo alento às oposições, mas o candidato acaba por desistir, e Carmona assegura a sua permanência na presidência. Segue-se nova vaga repressiva: Álvaro Cunhal é preso e cai o aparelho central do PCP. Entretanto, e a nível internacional, a "guerra fria" entre a União Soviética e os países de Leste e o Ocidente vai colocar em primeiro plano o combate ao comunismo, passando a problema secundário o facto de o país ser uma democracia ou uma ditadura. Com as oposições enfraquecidas a glória de Salazar está novamente restaurada. A década de 50 vai ser caracterizada pelos grandes "Planos de Fomento", através dos quais se procuram canalizar os limitados recursos do país para as áreas tidas como mais produtivas; estradas, pontes, portos, barragens hidroelétricas, obras de regadio e de florestação, a par de liceus e dos grandes hospitais-escola de Santa Maria, em Lisboa, e de São João, no Porto. A segunda grande crise do regime surgirá quase dez anos depois, com a candidatura do general Humberto Delgado à Presidência da República. A novidade desta candidatura foi vir de onde não se esperava, isto é, de um homem que até aí tinha sido apoiante do regime, e, ainda para mais, de um oficial no ativo. Delgado congrega à sua volta grandes multidões, há choques nas ruas de Lisboa. O Governo tinha entretanto ao seu dispor vários expedientes: as listas de voto do candidato oficial e de Humberto Delgado eram distintas e de papéis ligeiramente diferentes; os cadernos eleitorais não puderam ser verificados; a contagem dos votos não era fiscalizada. O candidato do regime, almirante Américo Thomaz, é eleito. Humberto Delgado é severamente punido e obrigado a exilar-se. Salazar, tendo-se sentido ameaçado, revê a Constituição (1959) e a eleição presidencial passará a ser feita através de um colégio eleitoral, com o que de certa forma confessa a sua derrota. Nos inícios dos anos 60 a oposição organizada está exilada. Em 1961 Salazar terá que enfrentar, na frente interna, o golpe palaciano conduzido pelo general Botelho Moniz, ministro da Defesa, e as ações da oposição sediada no estrangeiro: o navio Santa Maria é tomado por um grupo armado, que nele havia entrado como sendo de passageiros, desviado do seu rumo e levado para o Brasil, onde os assaltantes recebem o estatuto de refugiados políticos, e o assalto ao Quartel de Beja por um grupo de civis, que assim tentavam criar um foco insurrecional. O Estado da Índia, velho de mais de quatrocentos anos, é tomado pela União Indiana sem que as tropas portuguesas tenham resistido como Salazar esperava. Mas é em África que o pior irá acontecer: em fevereiro é atacada a Cadeia de Luanda pelo MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola), e no mês seguinte milhares de colonos do Norte de Angola são chacinados pela UPA (União dos Povos de Angola). Assim se iniciava uma longa e difícil guerra de guerrilhas, que nos anos seguintes se iria estender a Moçambique e à Guiné. Aliás, em 1960, a Assembleia Geral das Nações Unidas havia proclamado o direito dos povos submetidos ao colonialismo à independência e portanto estas lutas eram "justas", tanto mais quanto a Inglaterra, a França e a Bélgica já haviam apressadamente concedido a independência às suas colónias. Quase sozinho, pois as nações comunistas, as asiáticas e as africanas apoiavam ativamente os movimentos de guerrilha, e os aliados tradicionais de Portugal, como a Espanha, a Inglaterra, o Brasil e a própria Santa Sé se abstinham ou tomavam posições ambíguas, Salazar proclama a necessidade de "aguentar", pois estávamos "orgulhosamente sós". Assim ultrapassada a casa dos 70 anos, Salazar parecia ter-se esquecido da forma como havia chegado ao poder: congregando vontades e apoios. O povo português, habituado a obedecer, iria acompanhá-lo e "aguentar", cada vez com menos convicção - embora algumas vezes ainda brilhasse a antiga estrela do regime, como sucedeu em 1966 com a inauguração da ponte sobre o Tejo. Procurando combater a guerrilha, recorre também o Governo a métodos menos claros, apoiando a eliminação física de líderes políticos da guerrilha africana e do próprio Humberto Delgado, enquanto apoia movimentos separatistas em países africanos, como no caso do Congo (dissidência do Catanga) e na Nigéria (dissidência do Biafra). O regime sobrevive com um Salazar cansado, que sente a ingratidão do seu povo, e cuja longa carreira política irá acabar bruscamente com a queda de uma cadeira (versão então propalada na altura) em setembro de 1968, pondo fim a 40 anos de poder autocrático. Américo Thomaz, chama, então, ao governo Marcello Caetano, que dará início a um novo período do regime. Salazar sobrevirá ainda dois anos à sua morte política, mas ninguém terá tido coragem de lhe dizer que já não chefiava o Governo. Morreu assim iludido, um homem que tendo derrubado muitos caiu sozinho. Figura muito polémica da nossa História, e que por isso ainda hoje desperta paixões e juízos variados, Salazar foi sem dúvida um homem inteligente e de vincada vontade, que fugia ao contacto das multidões e odiava a desordem, e que, à sua maneira, se dedicou totalmente à sua pátria, vivendo de forma quase monacal, sem nunca se ter casado, e tendo apenas por uma vez visitado o estrangeiro.
Oliveira Salazar. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003
wikipedia (imagens)


Ficheiro:Antonio Salazar-1.jpg

Salazar em 1940
dKtTn3_E3hIzU2b8ObnNHpTGWpmly9OiX77uX9Fg

Assento de baptismo de Salazar, que servia de registo de nascimento.

domingo, 26 de julho de 2020

Medicina Acima de Tudo, Pacientes Acima de Todos.

Não nos interessa o que pensam Vagabundos Petistas, Gays Psolistas, Assassinos do PC do B, nem Libertários, nem Generais, nem Paragolpistas, nem Intervencionistas, nem os Onças Loucas nem os Cuecas Verdes, os Fuzileiros Anais, nem a Cavalaria da Marinha, nem os Maconheiros, os Ciclistas, os Sindicalistas,nem as Lésbicas, nem Pedófilos...nem a CIA, nem o STF, nem o “Mito” nem “A Alma Mais Honesta desse Paiz” (com Z mesmo, como aquele bêbado vagabundo deve escrever) 

Médico Cubano e Cloroquina é a MESMA COISA pra nós! Medicina ACIMA DE TUDO! Pacientes ACIMA DE TODOS !

GRAÇAS A DEUS: Jair "Mussolini"Bolsonaro é denunciado em Haia por genocídio e crime contra humanidade

presidente Jair Bolsonaro é denunciado por crimes contra a humanidade e genocídio no Tribunal Penal Internacional, com sede em Haia. A iniciativa, protocolada na noite deste domingo, está sendo liderada por uma coalizão que representa mais de um milhão de trabalhadores da saúde no Brasil e apoiado por entidades internacionais.

A Rede Sindical Brasileira UNISaúde acusa o presidente de "falhas graves e mortais" na condução da resposta à pandemia de covid-19. "No entendimento da coalizão, há indícios de que Bolsonaro tenha cometido crime contra a humanidade durante sua gestão frente à pandemia, ao adotar ações negligentes e irresponsáveis, que contribuíram para as mais de 80 mil mortes pela doença no país", destacam. Bolsonaro já foi alvo de uma outra denúncia no mesmo tribunal, envolvendo a situação dos indígenas. Naquele momento, a acusação era de risco de genocídio. Desta vez, porém, trata-se da primeira ação de iniciativa dos trabalhadores da saúde na Corte Internacional e já levando em consideração vetos a leis, a medidas de ajuda e sua responsabilidade em proteger tanto a população quanto profissionais de saúde.

De acordo com o portal, a Rede Sindical Brasileira UNISaúde acusa o presidente de "falhas graves e mortais" na condução da resposta à pandemia de covid-19." Até o momento, o Brasil é o segundo país com mais casos da doença e mais mortes: são 86.449 de vidas perdidas e 2.394.513 de infectados

Em abril, Bolsonaro foi denúnciado ao mesmo tribunal pela Associação Brasileira de Juristas pela Democracia (ABJD) pela alegação de que o chefe do Executivo praticou crime contra a humanidade ao incentivar ações que aumentam o risco de proliferação do novo coronavírus. Uma outra denúncia no mesmo sentido foi feita pelo PDT. 

Esta denúncia começou a ser avaliada pelo tribunal em junho.